Refletindo sobre desafios, comunicação, pastores e ilustres desconhecidos

2

Recentemente, o pastor Silas Malafaia fez um desafio a blogueiros e sites de notícias, para que estes apontassem erros teológicos em sua mensagem sobre prosperidade.

Muito já se disse de parte a parte, mas não é sobre esse ponto de vista que se trata esse artigo. Quero considerar hipóteses a respeito da comunicação, seus meios e potencial.

Malafaia, pastor reconhecido no meio cristão e fora dele, polêmico, tema de reportagens de veículos nacionais e estrangeiros, apontado como “homem forte” na futura campanha eleitoral à presidência, em 2014, se irritou com blogueiros e sites de notícias (que reproduzem opiniões de blogueiros conceituados, formadores de opinião), enquanto que, ele, usa o mais popular meio de comunicação existente no mundo: a televisão.

O abismo entre os dois meios é enorme, e imensurável, pois a TV é cara e exige muitos componentes para que um programa seja levado ao ar; Já a internet e seus blogs, barata, livre, sem censura, e não exige nada sofisticado para que uma opinião seja emitida e alcance milhares ou milhões.

Será que a preocupação do pastor-apresentador de TV em relação ao alcance e poder de convencimento dos blogueiros se justifica? Será que o potencial da internet é tão vasto quanto o da TV? Será que os “ilustres desconhecidos” que criticam o pastor por sua teologia da prosperidade teriam, através de seus blogs, colunas em portais e perfis em redes sociais, força para desacreditar o homem que há 30 anos está no ar, ininterruptamente?

Podem haver outros “medos” do conhecido pastor em relação aos “ilustres desconhecidos”?

Certeza, nisso tudo, é que os meios de comunicação dão voz, a qualquer um, seja na TV, seja na internet, seja em mídia impressa ou radiofônica. O volume dessa voz, quem determina, é o público, que avalia quem está dizendo, o que está dizendo, por que está dizendo, quando está dizendo, e se vale a pena dizer o que se está dizendo.

Uma derradeira dúvida, que me resta, a respeito da divergência de ideias e interpretações sobre o que a Bíblia fala ou deixa de falar sobre a vida na terra, e se a teologia da prosperidade é ou não uma distorção do que a mensagem cristã prega: quem tem convicção do que fala, se importaria tanto com alguém dizendo que seu discurso é falho, falso, capenga, etc.?

Acho, que não saberemos como a história vai classificar esses personagens. Quem destes serão os “Papas Leões X” e quem serão os “Martinhos Luteros” daqui a alguns anos?

Um grande abraço, Graça e Paz a todos!

2 COMENTÁRIOS

  1. Mudanças para o domingo

    :

    Na Bíblia, o primeiro dia da semana, ao qual chamamos de Domingo, é mencionado somente oito vezes.
    As quatro primeiras são:

    Mateus 28:1, Marcos 16:1-2, Lucas 24:1, João 20:1.

    Estas passagens dizem a mesma coisa sobre o mesmo

    que as mulheres foram ao sepulcro, no primeiro dia da semana para ungir o corpo de Jesus. Em nenhuma delas há qualquer referencia à santidade do Domingo ou a santidade do dia da ressurreição de Cristo.

    Jesus guardou o Sábado até na morte.

    lMorreu na Sexta,
    descansou no Sábado e ressuscitou no Domingo.

    As outras passagens são as seguintes:

    Marcos 16:9
    Fala que Cristo ressuscitou no primeiro dia da semana e que apareceu para Maria Madalena.
    Neste texto também, nada há referente à santidade desse dia.

    João 20:19
    Diz que os discípulos estavam trancados em casa, com MEDO dos Judeus. Vale acrescentar que eles estavam reunidos desde Sexta-feira. Eles também temiam ser presos e julgados. Não era uma reunião religiosa.

    Atos 20:7
    Esta é a primeira passagem que menciona uma reunião religiosa no primeiro dia da semana, o Domingo. Paulo estava em

    Trôade há sete dias e iria partir para continua sua viagem no dia seguinte, a fim de dar as últimas mensagens.

    Por isso, convocou a reunião com os Cristãos.

    Não existe nada neste verso sobre a santidade do Domingo ou coisa que se assemelhe a isso.

    Era uma reunião religiosa, como a que hoje fazemos aos Domingos à noite, às Terças ou Quartas-feiras. O fato de nos reunirmos nesse dia não o torna mais ou menos santo.
    1 Coríntios 16:2
    Este verso diz que o primeiro dia da semana era o dia destinado à separação das coisas que iriam ser doadas aos necessitados. Note que o apóstolo ia de casa em casa fazer a coleta. Não era um dia de reunião, nem era considerado sagrado.

    Então, como vemos, não há nada nessas oito citações bíblicas que contenha algum mandamento indicando a guarda do

    primeiro dia no lugar do Sábado.

    Não há nada que fale da santidade do dia da ressurreição ou que deveríamos guardar o Domingo de alguma forma.E

    também não há nada que anule qualquer um dos Dez Mandamentos.

    Então, repito a pergunta:

    Se Jesus tivesse a intenção de mudar algum dos mandamentos, será que Ele não teria dito isso claramente?
    Teria ele se “esquecido” de um assunto desta importância e deixado a ordem apenas nas entrelinhas?

    Se acreditamos na Bíblia como fonte de toda verdade sobre Deus e Sua vontade, chegamos à conclusão de que nada foi dito

    ou escrito no sentido de provocar uma mudança do dia de guarda do sétimo dia, O SÁBADO, para o primeiro dia, O DOMINGO.

    Além do mais, Cristo afirmou que sua Lei não mudaria, e que Ele veio cumpri-la mas não revogá-la.

    Além do mais, Cristo afirmou que sua Lei não mudaria, e que Ele veio cumpri-la mas não revogá-la.

    “Não penseis que vim revogar a Lei ou os profetas; não vim para revogar, vim para cumprir.”
    Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra.”

    Mateus 5:17,18

    Então, chegamos a uma pergunta crucial:

    Quem, quando, como, e com que autoridade mudou o Santo Dia do Senhor DO Sábado PARA o Domingo?

    A Mudança:

    O primeiro dia da semana era considerado, pelos antigos Babilônicos, como dia de culto ao Sol.

    No ano de 274 depois de Cristo, o Imperador romano Aureliano adotou o culto ao Sol como religião oficial. O imperador instituiu o primeiro dia da semana, o Domingo, como o venerável dia do Sol, ou DIES SOLIS no Latim.

    Ainda hoje, em algumas línguas, o Domingo mostra suas origens: SUNDAY (em Inglês) e SOONTAG (em Alemão) querem dizer “Dia do Sol”.
    Sábado em Hebraico quer dizer “descanso”.

    Em 321 D.C, o Imperador Constantino, baixou um decreto obrigando a todos os que viviam sob seus domínios a honrar o dia do Sol:

    “ Que os juízes e o povo das cidades,bem como os comerciantes, repousem no venerável dia do Sol. Aos moradores dos campos, porém, conceda-se atender, livre e desembaraçadamente, aos cuidados da lavouraConvém lembrar que, desde aproximadamente o ano 100 D.C, a religião Cristã era veementemente perseguida por Roma, e que milhares perderam suas vidas defendendo sua fé diante dos leões e das labaredas de fogo.
    Esta perseguição só teve fim com a “conversão” do imperador Constantino ao Cristianismo.
    Esta “conversão” política tinha o claro objetivo de apaziguar as perseguições, bem como o de conceder poder à ascendente e poderosa religião Cristã.

    Nessa ocasião, muitos dos costumes da religião oficial de Roma, o culto ao Sol, foram mescladas ao Cristianismo com o

    objetivo de atingir mais facilmente os pagãos.

    Um desses costumes foi a guarda do Domingo junto com a do Sábado, ou seja, a criação do nosso final de semana.

    Tiveram origem, a partir dessa data, várias festas religiosas, que utilizaram motivos e datas pagãos, para converter os incrédulos:

    A Páscoa Cristã no lugar do ritual de fertilidade

    O Natal de Jesus no lugar do sostício de outono.

    lCerca de 40 anos mais tarde, a Igreja Cristã, já mais poderosa e organizada,

    pelos Bispos, realizou o Concílio de Laodicéia, onde, oficialmente e sem

    nenhuma intervenção Divina, mudou o Santo dia de guarda do Sábado para o Domingo:

    l“ Os cristãos não devem judaizar,ou estar ociosos no Sábado, mas

    trabalharão nesse dia; o dia do Senhor (Domingo), entretanto, honrarão

    especialmente, e, como Cristãos, não devem, se possível, fazer qualquer

    trabalho nele. Se, porém, forem achados judaizando, serão separados de Cristo.”

    (Cânon 29, do Concílio de

    Laodicéia, em 364 d.C.).

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Domingo

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Conc%C3%ADlio_de_Laodiceia

    http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%89dito_de_Constantino

    Este surpreendente decreto nos apresenta duas verdades:

    A primeira é que, ao contrário do que muitos afirmam, o Sábado era observado e honrado pelos Cristãos até o quarto século depois de Cristo.
    Se não fosse o caso, não haveria necessidade de um decreto para desobrigá-lo.

    Não houve qualquer base bíblica para a mudança do dia de adoração.
    O objetivo aqui era que os Cristãos não fizessem nada que lembrasse o Judaísmo, ou seja, o povo que matou o Senhor Jesus Cristo.

    Este ato revela o grande sentimento anti-semita vigente na época, e a ânsia, a qualquer preço, de distinguir os Cristãos desse povo.
    Notem que a ordem do concílio é guardar o Domingo “se possível”, enquanto é bem enérgico
    em dizer que quem guardar o Sábado “será separado de Cristo”.

    Como vemos, a mudança foi gradativa do Sábado verdadeiro para o Domingo.
    Foi também forçada e sem qualquer base nas Escrituras.
    Veja o que disse o Cardeal Gibbons, arcebispo de Baltimore e primaz da Igreja Católica nos Estados Unidos:“Podereis ler a Bíblia de Gênesis ao Apocalipse, e não encontrareis uma única linha que autorize a santificação do Domingo. As escrituras ordenam a observância religiosa do Sábado, dia que nós nunca observamos.”
    Faith of our fathers, Pg. 89, 1896.

    Advertências

    “Eu sei que, depois da minha partida, entre vós penetrarão lobos vorazes, que não pouparão o rebanho. E que, dentre vós mesmos, se levantarão homens falando coisas pervertidas para arrastar os discípulos atrás deles.”
    Atos 20.29-30

    “Todo aquele que nega o Filho, esse não tem o Pai; aquele que confessa o Filho tem igualmente o Pai. Permaneça em vós o que ouvistes desde o princípio. Se em vós permanecer o que desde o princípio ouvistes, também permanecereis vós no Filho e no Pai.” I João 2.23-24

    “Proferirá palavras contra o Altíssimo, magoará os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a Lei; e os santos lhe serão entregues por um tempo, dois tempos e metade de um tempo.” Daniel 7.25

    “O exército lhe foi entregue, com o sacrifício diário, por causa das transgressões; e deitou por terra a verdade; e o que fez prosperou.”
    Daniel 8:12.

    A quem você obedecerá?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here