Globalização ou Massificação?

0

No século XV iniciaram-se as viagens de navegação marítima com o objectivo de descobrir novos mundos. Pouco se conhecia sobre o nosso planeta. As navegações não foram um acaso, mas sim um projeto científico que reuniu todos os saberes até então conhecidos. A força propulsora dos navegadores, além do comércio e de outras investigações era também a fé. António Vieira, referindo-se à epopeia marítima dos portugueses afirmou que eram as caravelas, luseiras do mundo. Portugal e Espanha dividiram o mundo e este tratado ficou conhecido como de Tordezilhas, ou seja, 370 léguas a oeste de Cabo Verde era território português e as demais terras eram da Espanha.

No século XXI não podemos deixar de sorrir por tanta ambição que moveu os irmãos Íberos. O português, Fernão de Magalhães, inicia a primeira viagem global e depois terminada por Del Cano e desta maneira se cumpriu a viagem de circunvalação. Tudo que aconteceu naquela época até ao século XIX, também com os ingleses e holandeses, resumia-se ao comércio. As culturas dos povos mantinham-se, salvo os territórios colonizados dos quais o Brasil foi grandemente afectado em vários domínios, como todos bem o sabem. No que respeita à fé, cumpria-se a grande missão de ir e pregar a todo o mundo a Obra Salvívica e Redentora do Rei da Glória e Senhor Jesus Cristo.

Homens de Deus viajaram por mundos desconhecidos e anunciaram o Evangelho e hoje são raros os países que não ouviram a mensagem dos embaixadores de Cristo, anunciando que Deus não mais inculpa o pecado ao homem e esta é a mensagem da reconciliação, por nosso Senhor Jesus Cristo, Carta aos Coríntios.

No século XX surge a massificação que é movida pela economia irresponsável pelo estado da presente crise financeira. Passamos de uma aldeia global para uma nova ordem, resultado de interesses vários. Os povos colonizados procuram imitar a cultura dos colonizadores, nas artes, na música, na moda e em tudo o mais, esvaziando-se a multiforma e prosseguindo num processo de massificação ou de unanimidade.

Gostaria de me concentrar mais no aspecto económico que é segundo o meu entendimento o responsável pela grande crise financeira que mantém cativas pessoas e nações. As fabulosas somas das dívidas públicas das nações, o zigue zague das bolsas, a frenética e selvagem capitalização, fez surgir no mundo, aquilo que já Jesus anunciara, no início do Evangelho, o deus Mamon.

Dir-se-ia que continua o duelo do Cristo de Deus e do rei das trevas que já lhe restando pouco tempo procura por meios da força bélica estabelecer o caos como também já foi previsto no Apocalipse dos Evangelhos, pela boca de Jesus. A hora é agora e as igrejas ao redor do mundo deverão vigiar e orar e não se deixarem envolver com o deus Mamon porque este dualismo não pode sobreviver pactuando, porque ninguém pode servir a dois senhores, como afirmou o Cristo de Deus.

Outrossim é o ecumenismo católico romano que procura aglutinar diferentes religiões e isto como o resultado de que existe uma centelha de Deus em cada homem. As visitas de alguns Papas a algumas mesquitas têm demonstrado ser possível uma aproximação entre o cristianismo e o islamismo.

Até mesmo a unidade cristã tem sido procurada numa base consensual e nunca foi alcançada e nem poderá ser porque existe uma só fé, um só batismo e um só Senhor. Qualquer união do cristianismo com outras crenças não passa de um simples sincretismo de fé e consequentemente uma massificação.

Fraternalmente,

casal com uma missão,
Amilcar e Isabel Rodrigues

 

COMPARTILHAR
Amilcar Rodrigues foi ordenado pastor em 1978 na "Apostolic Faith Mission" na República da África do Sul, onde fez estudos teológicos. Como missionário em Portugal, fundou três igrejas e foi Presidente Nacional da Comissão de Programas da Aliança Evangélica Portuguesa, para a televisão, RTP2. Foi formado produtor de televisão "Broadcast" pela "Geoffrey Connway Broadcast Academy" Toronto, Canadá, é filiado do "Crossroads Christian Comunication". Em 1998 veio para o Brasil convidado pelo Ministério Fé Para Todos, Rio de Janeiro. No ano 2000 fundou em Cabo Frio uma congregação do mesmo Ministério e foi nomeado Vice-Presidente do Conselho de Pastores até ao ano de 2004. Em 2006 ficou cego. Escreveu o livro "Deus da Aliança" , Evangelho dos Sinais aos Hebreus" e "Contos do Apocalipse". Foi convidado pelo Gospel+ para participar como colunista em Maio de 2012.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here