Relativismo social: a escravidão dos desejos e a manipulação da ética

8

Sobre o tema apontado na manchete acima, me permito utilizar o pensamento de Alasdair MacIntyre, filósofo Britânico conhecido principalmente por suas contribuições para a moral e pela filosofia política, mas também reconhecido por suas obras no campo da história da filosofia e teologia. Ele é pesquisador Sênior do Centro de Estudos Contemporâneo Aristotélicos em ética e política (CASEP) na Universidade Metropolitana de Londres, e Professor Emérito da Universidade de Notre Dame – bastante estudado atualmente na academia, no seu famoso livro “Depois da virtude”, que mostra as raízes histórico-filosóficas da fragmentação ética que contemplamos atualmente no cenário mundial, que está segundo o autor nos trazendo muitos conflitos éticos e quero dividir alguns pontos com vocês.

Na abordagem de Macintyre, a filosofia moral contém uma série de características complexas das sociedades contemporâneas. Esta “compressão peculiar contemporânea” em grande parte diz respeito a abordagem de MacIntyre acerca dos problemas e disputas morais

Segundo os ensinamentos de Alasdair Macintyre, devemos analisar a fundo o que está nos acontecendo em nossa sociedade, pois estamos sendo reflexos de uma série de filosofias de pensamento e de vida, oriundas de correntes filosóficas como iluminismo europeu e que chegaram até aos nossos dias nos induzindo a acreditar que tudo é relativo que importa é realização do prazer pelo prazer. Na verdade   esses pensamentos estão condenando a humanidade há uma busca desenfreada pela realização de desejos. Algo impossível de ser alcançar visto que tem causando mais angústias do que prazer propriamente dito seja individual como social, mais conflitos em todas as esferas e dimensões do ser humano.

Essas correntes filosóficas afirmam em minha opinião de forma, contundente, porém perniciosa, alienista, que não é possível acudir as razões objetivas para justificar os princípios éticos que cada qual deve utilizar nas suas escolhas. Isso me parece um acordo, velado, subliminar, implícito de que os princípios são uma questão de preferências pessoais. Ou seja que você pretender outra coisa, ou tiver outra opinião, seja por convicção, ética, religião, ou princípios, equivaleria a incorrer num crime, como se lesássemos  a humanidade impondo nossa preferência ao outro o que nessa educação relativista seria crime pois cada qual tem sua ética, sua moral sua escolha?!! Como viver sem conflito numa sociedade que busca conflitar priorizando o relativismo radical ideológico? Vamos analisar o que diz o autor do Livro “A Alma da Escola do Século XXI sobre ética e relativismo social.

João Malheiro autor do livro “A Alma da Escola do Século XXI” nos ensina   “Quem profere um juízo ético deve usar uma linguagem pretendidamente impessoal e deve ocultar suas pessoais motivações. Tal coisa é eticamente má e significaria, na prática, ‘não quero que faças tal coisa, porque não me agrada’. Notem que essa corrente, segundo autor, chamada emotivista, ensina que não existem critérios universais que sirvam para definir, um parâmetro, entre posturas éticas rivais. Ou seja, qualquer atitude seria igualmente digna e admissível desde que o ser humano estivesse feliz com elas”.

Pergunto-me, quais as consequências práticas desta corrente que se diz ética, esta, tem sido a preocupação de muitos estudiosos da educação, e professores que convivem com crianças na prática diária, em minha opinião é uma postura extremamente perigosa, pois quem saberá os limites? Como arbitrar posturas diferentes? Como defender a própria liberdade de opinião e expressão neste contexto se, a luta por “liberdade” fere a liberdade do outro justamente na sua subjetividade, que direitos relativistas são estes que ferem os direitos de todos em sua essência? Ser relativista é passar por cima do contraditório que não lhes serve como liberdade? E me pergunto: liberdade de que? Para que? Ser feliz a que preço?

Nesta imposição da imposição de correntes relativistas é exatamente a compreensão racional da verdade. Como saber quem está com a razão, se tudo é relativo?  O maior perigo, concorda o estudioso, é a verdadeira guerra civil, guerra santa, guerra de valores. Guerras estas que estão sendo geradas e que serão vencedores os que tiverem mais poder.

“Uma teoria ética que provoca a injustiça social não parece, portanto, ser a mais adequada. É preciso buscar algo mais isento e transcendente, que dê luz a duas vontades opostas ou diferentes para viverem em paz”, pondera João Malheiro.

Se questionarmos mais a fundo o porquê de a sociedade atual pensar assim da ética verificaremos que ela acredita que a tentativa, passada ou presente, de prover de justificação racional a moral objetiva fracassou de fato. Mas, será que as pessoas já se questionaram por que fracassou?

Perdemos nosso referencial de valores, da moral objetiva da natureza humana como “O alcance do Bem, da Perfeição, do Amor real, da Felicidade esses valores foram se perdendo durante os tempos, foram sendo destruído, descartado em prol de uma sociedade consumista, o Ser humano, na tentativa de queres ser feliz a qualquer preço, buscou a maneira mais rápida e fácil, comprando este prazer, tudo para afastar o desprazer.

Querem estes pensadores relativistas que neguemos, a própria natureza humana arriscando, em outra natureza não humana, temos que ficar atentos pois destruindo a natureza, destruímos a verdade objetiva segundo João Malheiro.

A sociedade atual patrocinada pelo 4º poder (mídia) nos acusa de sermos “exigência sem sentido”, por causa dos valores éticos e morais, que pregamos que segundo eles, estão longe de alcançar a verdadeira felicidade, criando traumas, tolhendo a liberdade do sujeito, culpam-na de ser a origem de traumas, repressões etc.

“Se estamos perdendo nossa ética objetiva é por culpa do próprio homem em não aceitar a sua própria natureza humana, e não estou relativizando, estou falando concretamente, será?”, pergunta o autor, que a humanidade ficou mesmo mais feliz. Como psicóloga pergunto a lei do prazer, nos tornou muito mais felizes? Sem regras, sem nos colocarmos no lugar do outro, sem termos um norte na educação? Sem podermos decidir o que é melhor para nossos filhos, para nossa família? Sem sermos acusados de estarmos tolhendo a liberdade de outrem?

Estamos sendo, violentados em nossos, princípios, em nossa moral em nossa ética, em nossa fé, sem termos coragem de fazermos nada, pois fazer alguma coisa significa ir contra alguém e isso é tido como, ir contra a natureza deturpada humana.

Oras bolas, natureza humana, é a ligada à natureza biológica, não somente psicológica, não podemos perverter o que real para uma linha imaginária do nosso ser simplesmente ou cultivaremos uma sociedade esquizofrênica, daqui a pouco perderemos totalmente nosso referencial, de nossa sanidade e humanidade civilizada.

A evidência de que todo o ser humano fica ansioso e inseguro até encontrar-se como ser humano livre e responsável da sua felicidade, parece evidenciar que, por mais que o homem possa auto negar a própria natureza, só se sentirá feliz e em paz quando entender que, apesar do esforço, vale muito mais a pena auto afirmá-la do que viver como um triste animal. João Malheiro

Como diz o autor do livro A Alma da Escola do Século XXI, é preciso urgente, desmascarar, o brilho falso da ética relativista. Em que nossos jovens estão inseridos e recebendo formação, é preciso que todos nós segundo o autor entendamos que gerará grande destruição em nossos jovens, crianças, a questão é que relativizar pode não garantir o desenvolvimento como seres humanos, e tornarão nossas crianças como simples animaizinhos.

Me permito usar um versículo bíblico pertinente a esse tema: “Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas (2 Timóteo 4:3)”.

Marisa Lobo, psicóloga e especialista em Direitos Humanos

Referências:
João Malheiro, no livro “A Alma da Escola do Século XXI”;
Alasdair MacIntyre, filósofo escocês em “Depois da Virtude”.

COMPARTILHAR
Marisa Lobo é psicóloga clínica, escritora, pós-graduada em saúde mental, conferencista realiza palestras pelo Brasil sobre prevenção e enfrentamento ás drogas, e toda forma de bullying, transtornos psicológicos, sexualidade da familia, entre outros assuntos. Teóloga, ela é promoter e organizadora da ExpoCristo realizada no Paraná. Marisa é casada, tem dois filhos e congrega na IBB em Curitiba.

8 COMENTÁRIOS

  1. o mundo nao tem mais barreiras. vivemos em um mundo plural.
    para que possamos conviver eh preciso respeito a individualidade alheia.
    os que tem feh, que a mantenham, os que nao tem nao precisam viver em funcao dos que tem.
    liberdade eh para todos.
    inclusive para que nao sejamos cooptados por uma moral especifica, autoritariamente infundida em nossas cabecas.
    para ter a liberdade de escolha, precisamos ter respeito as escolhas.
    senao nao existe tal liberdade.

    • Em resumo, deste texto você quer dizer que os evangélicos devem perseguir as outras religiões e os homossexuais, como se tolerância religiosa fosse “ética relativista”?

      Da mesma forma pensam e pensaram todos os intolerantes e suas barbaridades históricas.

    • Parabéns pelo post

      O problema é bem simples Torreal. Se um deus dá a humanidade o livre arbítrio, religiões como o cristianismo e o islã, nos tiram esse livre arbítrio. Não entenda isso como sendo a fé que causa esse problema. Fé não faz isso. Mas RELIGIOSIDADE FAZ. Tem feito ao longo da história humana e é sem dúvida uma das maiores senão a maior inimiga do ser humano.

      O deus da religiosidade é um DITADOR. Lembre-se, somos nós que criamos o conceito dos deuses. Nós é que dizemos como os deuses são e alguns povos descreveram deuses que são verdadeiros TIRANOS. Os hebreus são o maior exemplo disso.

      • Slash é simples em que você baseia seu argumento , pois se DEUS não existe não ha valores morais tudo é relativo mesmo , tando sua opinião como a de Torrel não é valida nem deveria ser expressa pois vocês estão defendendo algo , os pluralistas são liberais mas desde que se aceite o pluralismo ou o relativismo são exclusivistas em relação ao pluralismo , pergunto vocês acham que é errado estuprar ou é uma questão de pluralismo relativismo ou evolucionismo ou de gosto ou estamos dançando conforme nossos genes . Eu respeito sim as diferenças mas assim como vocês opinaram também opino isso é liberdade de expressão vocês estão a usando aqui , bom acredito que você esta falando é do fundamentalismo , e ele existe sim ,agora me prove que Deus é tirano porque as pessoas acha que DEUS tem quer ser conforme elas determina, tudo mundo quer um deus papai noel e bom meu caro, livre arbítrio não é fazer tudo o que ele nos proporciona . UM ABRAÇO

  2. DUAS COISAS ME DEIXARAM CURIOSO
    1= NÃO FALOU OU CITOU A BÍBLIA COMO FONTE DE CONHECIMENTO, LOGO OS PENSADORES SEJAM ELES QUEM FOR, SE PERDEM EM DESVANEIOS, E ISTO ACONTECEU ATÉ COM O MAIOR DELES CHAMADO SALOMÃO, ACABANDO SUA VIDA SACRIFICANDO A DEUSES ESTRANHOS DE SUAS MULHERES, LOGO SUA SABEDORIA NÃO LHE SERVIU PARA NADA.
    SEGUNDO TODO SER HUMANO FOI CRIADO PARA SER SOCIAVEL E VIVER EM GRUPOS, A FAMÍLIA, CLARO QUE SEMPRE VAI PROCURAR SE ASSOCIAR A ALGO QUE LHE ATRAIA, OU FAVOREÇA SEU CRESCIMENTO OU AJUDA PARA MELHORAR, ISTO NÃO PRECISA SER DR. PARA SABER

  3. Alguém percebeu que o texto tem uma série de erros de edição que dificultam a compreensão em certos pontos?
    Como faço para ajudar o Gospel Mais na edição dos textos? Estou me disponibilizando.

  4. Psicólogos pessoas desequilibradas e confusas muito boas em dar conselhos que eles mesmos não seguem.
    Uma coluna inteira de besterias intelectuais que podem ser refutadas como esterco.
    E quanto ao texto bíblico que você, em sua presunção usou completamente fora do contexto e se permitiu usa-lo de forma tão néscia, vou lhe esclarecer o seguinte: E só você ler o antes e depois.

    2Timoteo 3:12-17
    3.12 Ora, todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos.
    3.13 Mas os homens perversos e impostores irão de mal a pior, enganando e sendo enganados.
    3.14 Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste e de que foste inteirado, sabendo de quem o aprendeste
    3.15 e que, desde a infância, sabes as sagradas letras, que podem tornar-te sábio para a salvação pela fé em Cristo Jesus.
    3.16 Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça,
    3.17 a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.

    1Timoteo 4:1-5
    4.1 Conjuro-te, perante Deus e Cristo Jesus, que há de julgar vivos e mortos, pela sua manifestação e pelo seu reino:
    4.2 prega a palavra, insta, quer seja oportuno, quer não, corrige, repreende, exorta com toda a longanimidade e doutrina.
    4.3 Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos;
    4.4 e se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregando-se às fábulas.
    4.5 Tu, porém, sê sóbrio em todas as coisas, suporta as aflições, faze o trabalho de um evangelista, cumpre cabalmente o teu ministério.

    Estas passagens são para a Igreja Verdadeira do Senhor e não para o mundo.
    Querer usar das palavras inspiradas pelo Espirito de Deus para apoiar teorias frutos de sabedoria corrupta humana se encaixa em outra passagem:

    Mateus 7
    7.23 E, então, lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade.

    E A MAIOR ESCRAVIDÃO QUE EXISTE HOJE E A QUE ESTÁ DOMINANDO AS CONSCIÊNCIAS DO POVO NAS IGREJA COMERCIAIS, QUE CADA DIA QUE PASSA ESTÃO MAIS CAUTERIZADAS E DEPENDENTES DE HOMENS REPROVADOS NA FÉ QUE SE CERCAM DE SEUS BAJULADORES E DOUTORES INÍQUOS QUE OS AJUDAM NA MANUTENÇÃO DOS SOFISMAS.

DEIXE UMA RESPOSTA