Os Templos e a Arca – II Parte

0

Introdução: Os Templos e a Arca da Aliança que foi o assunto do meu texto editado em 1 de Julho de 2012, é agora confrontado, hermeneuticamente com a visão de Manuel Simões, segundo o pensamento judaico, como segue:

“O Templo define um espaço sagrado e um tempo sagrado. E a sacralização de um espaço e de um tempo, ligada ao lugar e ao momento da revelação e da Aliança, situa espaciotemporalmente o tipo e o modo de relação com o divino.

Esta situação assume importância singular no judaísmo, no qual a hiero-História se antepõe a uma qualquer abordagem teológica.

No judaísmo, doutrina e prática religiosa inscrevem-se na tipologia e na História da sacralização do povo de Israel, através do paradigma sacral da residência divina (Êxodo, 25:8-9).

Num tal contexto hiero-histórico, o Templo  situa-se no “umbigo da Terra” (tabbur haares), centro e eixo do mundo lugar da visão reveladora que institui o povo de Israel.

Símbolo axial, símbolo cósmico e símbolo de duração, o Templo judaico, presentificação divina pela invisível presença de Sechiná, identifica-se com a Torah, na manifestação da sua plenitude.

O Templo, o Templo único, surge aqui, e por isso mesmo, como a figuração arquetipal do povo de Israel e das suas peregrinações. Do povo de Deus – Deus uno e invisível – guia unificador da comunidade peregrina. Figuração arquetipal que acrescenta à simbolização já referida, o símbolo escatológico que insere a comunidade judaica num tempo aberto, conferindo-lhe um sentido messiânico”.

Conclusão: A interpretação do Templo de Ezequiel ganha assim, no meu entendimento, uma confirmação reveladora.

Também confirma a teologia paulina de que na escatologia do Cristo, nós somos o Templo de Deus e não mais faz sentido a construção do templo em Jerusalém, como  os judeus pretendem erguer e isto em razão de não terem acreditado que Jesus de Nazaré é o Messias.

Fraternalmente,
Amílcar e Isabel Rodrigues,
um casal com uma missão.

COMPARTILHAR
Amilcar Rodrigues foi ordenado pastor em 1978 na "Apostolic Faith Mission" na República da África do Sul, onde fez estudos teológicos. Como missionário em Portugal, fundou três igrejas e foi Presidente Nacional da Comissão de Programas da Aliança Evangélica Portuguesa, para a televisão, RTP2. Foi formado produtor de televisão "Broadcast" pela "Geoffrey Connway Broadcast Academy" Toronto, Canadá, é filiado do "Crossroads Christian Comunication". Em 1998 veio para o Brasil convidado pelo Ministério Fé Para Todos, Rio de Janeiro. No ano 2000 fundou em Cabo Frio uma congregação do mesmo Ministério e foi nomeado Vice-Presidente do Conselho de Pastores até ao ano de 2004. Em 2006 ficou cego. Escreveu o livro "Deus da Aliança" , Evangelho dos Sinais aos Hebreus" e "Contos do Apocalipse". Foi convidado pelo Gospel+ para participar como colunista em Maio de 2012.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here