Os evangélicos e o punitivismo

6

Depois de alguns dias sem publicar nada por aqui (a última publicação foi um texto sobre o secularismo extremista e o uso do Burkini), voltamos para fazer uma breve análise de uma pesquisa conduzida por um grupo de pesquisadores das universidades USP e Unifesp sobre o perfil político do paulistano. Para desenvolver o perfil foram ouvidas 1.058 pessoas de todas as faixas etárias, gêneros e regiões da cidade de São Paulo, durante os últimos 3 anos.

Curta a nossa página no Facebook

Dentre vários temas abordados pelos pesquisadores, um merece atenção: punitivismo e evangélicos. Perguntados sobre se é correto punir os criminosos com mais tempo de cadeia, 73,8% dos entrevistados disseram acreditar que a medida é correta. A opinião é compartilhada por 87,9% das pessoas que se dizem “muito conservadoras”, 76,4% das que se dizem “pouco conservadoras”, e 46,2% das que “não se consideram conservadoras”, segundo reportagem publicada pelo jornal El País.

O posicionamento favorável ao punitivismo (e há grupos que chegam ao absurdo de defender práticas de tortura adotadas pelo regime militar brasileiro, linchamento público e pena de morte), vai de encontro ao que boa parte da população defende. É algo natural, mas há vários problemas que a grande massa não consegue detectar sem uma lente ajustada e um distanciamento necessário para uma compreensão mais ampla e correta do objeto.

É parte do que chamamos em Ciências Sociais de “senso comum”. Há uma grande diferença entre o que um cidadão comum pensa sobre determinado aspecto social, e o que um cientista concebe a partir de uma série de experiências e análises. A problemática da violência, da criminalidade e as formas de punição adotadas no Brasil envolvem uma série de outras questões, como pobreza, costumes, alienação não perceptíveis pela sociedade.

Em outras palavras, é preciso certo distanciamento e conhecimento para que se chegue a uma compreensão da problemática da criminalidade e de que maneira reduzi-la. O que se sabe de pesquisas conduzidas por especialistas é a que o modelo punitivista adotado por países como EUA, Rússia, China e Brasil não funciona a médio e a longo prazo. Além do mais, nestes países (que ocupam as quatro primeiras colocações no número de presos) há uma série de problemas sociais, como desemprego, pobreza e cerceamento ideológico.

A conclusão geral é a de que a situação social destes países conduzem a uma degeneração social não resolvida pelo sistema penitenciário. É claro que a pobreza não é uma desculpa para que jovens se envolvam com crimes, mas acaba influenciando e conduzindo indiretamente. Basta ver o perfil dos presos no Brasil e nos EUA: são, em sua maioria, negros e de famílias em situação de pobreza. Portanto, há um fator a ser considerado.

suicidio-em-cadeia

Mais tempo na cadeia não é a solução para a diminuição da criminalidade. Há que se desenvolver uma reforma do código penal brasileiro, e um ataque há outras problemáticas sociais como o desemprego, a subnutrição, a alienação social. Tem-se que, ao mesmo tempo, investir em educação e conduzir uma profunda reforma cultural no Brasil para que cheguemos ao patamar cultural de países como Suécia, Noruega, Finlândia e Holanda.

Nestes países a criminalidade é baixa em grande parte devido à política do Estado de bem-estar social, a um profundo investimento em educação e a códigos criminais modernos. Recente reportagem publicada pelo jornal BBC Brasil revelou: Holanda enfrenta ‘crise penitenciária’: sobram celas, faltam condenados. Somente nos últimos anos 19 prisões foram fechadas e outras estão em processo de fechamento. O mesmo acontece na Suécia, que em 2013 fechou quatro penitenciárias e um centro de detenção. Qual é o segredo?

Por que países que investem pesado em políticas públicas e conduzem uma profunda reforma penal vêem o número de crimes e presos cair enquanto países como EUA e Brasil vivem o oposto, com um crescente número de pessoas presas devido o envolvimento com alguma prática criminosa? É surpreendente o fato de que boa parte dos presos nestes dois países foram encarcerados devido algum tipo de envolvimento com o tráfico de drogas.

Menos presos e menos tempo de detenção significa menos gasto com a manutenção do sistema carcerário. Resultado: sobra mais dinheiro para investimento em outras áreas, como saúde e educação. É uma questão de lógica, de sustentabilidade do sistema. Apesar de não termos dados confiáveis sobre o custeio do sistema penitenciário brasileiro (apenas três estados enviam informações referentes ao custeio de suas detenções), sabe-se que gasta-se mais com a manutenção do sistema penitenciário do que com educação. Um grande erro.

Uma possível modernização do código penal brasileiro terá que passar por um novo entendimento do tráfico de drogas (compensa, por exemplo, continuar com a política de combate ao tráfico, direcionar recursos públicos para um problema que deveria ser visto como de saúde pública e não policial?), que tipo de crimes devem resultar em encarceramento, como diferenciar crimes hediondos e os demais crimes? Deve-se refletir.

Concluímos com a ideia de que o apoio evangélico ao punitivismo é um erro, e por dois motivos: (1) não é uma política com resultados positivos a médio e longo prazos; (2) é uma contradição com alguns posicionamentos progressistas de Jesus, que protegeu uma adúltera ao ser ameaçada de apedrejamento, e restabeleceu uma nova análise da Lei de Talião (veja, por exemplo, seu posicionamento sobre o “olho por olho” e o “dente por dente”). Jesus é um modelo progressista a ser seguido por seus discípulos e uma inspiração para outras pessoas.

___________________________________

Faça parte do grupo de discussão Cristãos Progressistas.

O grupo tem como objetivo propor discussões sobre temas progressistas. É indispensável que o membro seja cristão, tenha algum posicionamento político-ideológico, e, acima de tudo, seja progressista. Há temas importantes a serem discutidos, como a participação da Igreja em questões sociais, a política como forma de diálogo com a sociedade, além de temas espinhosos, a serem discutidos neste grupo de forma democrática.Vale ressaltar a importância de os membros terem participação ativa, com postagens, comentários. Acesse.

COMPARTILHAR
Johnny Bernardo é jornalista, socialdemocrata, pesquisador da religiosidade brasileira e das relações entre religião e sociedade e colunista do Núcleo Apologético de Pesquisas e Ensino Cristão (NAPEC). É editor dos blogs papoprogressista.blogspot.com.br e jtbernardo.blogspot.com. Contato: johnnybernardo65@gmail.com

6 COMENTÁRIOS

  1. Bom dia. A conclusão, o último parágrafo faz menção ao título do artigo, porém em contradição com todo o seu conteúdo. Citam-se países bem sucedidos nos programa de redução da criminalidade, com medidas como revisão do seu código penal que implica um enrijecimento das leis e não sua atenuação, de modo que a punição acontece para desincentivar atos ilícitos. Jesus, nosso Senhor e Salvador oferece o perdão mediante o arrependimento, sem livrar contudo a ser humano das consequências de seus atos. Cabral e tantos outros eu espero que se arrependam e clamem a Deus a partir de suas celas sem contudo deixar de cumprir pena. O estado é preventivo quando também pune com rigor os crimes, assegurando ampla defesa.

  2. O mal é que ninguém ou quase ninguém acredita nas Palavras Bíblicas. Se tá bem, tá bem se tá mal está mal. O importante é que poucas pessoas não estão nem aí para os problemas dos outros. Juízes, Psicólogos ou Terapeutas temos milhares e não resolvem a questão. Eu simplesmente observo e vejo se cumprindo tudo o que está escrito. Enfim, nenhum homem terreno dará solução a estes casos, “SÓ JESUS CRISTO”. As iniquidades estão se alastrando e com ela a descrença, falta de amor ao próximo e sobretudo a violência. Portanto devemos “ENTREGAR NOSSOS CAMINHOS AO SENHOR, CONFIAR NELE E O MAIS ELE FARÁ.”Ou será que a Palavra que nos diz que no mundo teremos aflições, mas que tenhamos bom ânimo pois com Cristo somos mais que vencedores. Onde está a Fé do Povo de Deus?

  3. Não misture Jesus com seus posicionamentos políticos de esquerda. Me causa repulsa toda vez que alguém fala “posicionamentos progressistas de Jesus”. Jesus está muito acima de sua militância política e teologia fajuta de libertação. Você como todos teóricos assim como acadêmicos ficam de seus escritórios, apartamentos criando teorias, lendo teorias mas distantes da realidade do povo brasileiro comum. E porque será que os brasileiros querem mais punição? será que não é porque não há? mas suas teorias não deixarão que você perceba a realidade como ela é e isso o deixa intrigado. porque as pessoas pensam assim? diferente de mim? a resposta é…..você está distante demais das pessoas comuns para entender.

  4. “A cristandade inventou tanto as torturas medievais como inventou a tortura chinesa; pelo contrário, ela herdou-as de um império tão pagão como o chinês. A Igreja, numa hora infeliz, imitou o uso comum da crueldade.
    Mas se olharmos com atenção, a grande diferença entre a Igreja e o Estado é abissal e simples.
    O Estado, em todas as épocas e nações, criou uma maquinaria de punição, mais sangrenta e brutal em certos locais do que em outros, mas sangrenta em toda a parte.
    A Igreja é a única instituição que tentou criar uma maquinaria de perdão. A Igreja é a única coisa que sempre tentou por sistema identificar e descobrir crimes, não de modo a vingá-los, mas de modo a corrigi-los e perdoá-los.”
    Chesterton, O Detective Divino, A MIscellany of Men

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here