1
A fé é uma força criativa e propulsora capaz de realizar obras extraordinárias. Também podemos definir a fé como uma lei, porque embora não sabendo como age o certo é que funciona. É o caso da lei da gravidade ou da atração universal e de tantos outros princípios que permitem ao homem realizar grandes feitos.

A fé nada tem a ver com a religião, porque acima de tudo é um conhecimento que se adquire pela experiência. Por esta razão, o incrédulo não passa de um ignorante porque é neófito e vive no obscurantismo.
Sabemos que Arquimedes gritou “eureka” quando experimentou que um corpo mergulhado num líquido de acordo com o seu volume recebia um impulso vertical de baixo para cima capaz de o fazer flutuar. A partir desta descoberta, grandes naus cruzam os oceanos e se encurtaram as distâncias de costa a costa.
A fé é por consequência uma certeza absoluta de factos comprovados pela experiência adquirida.
Um bebê, recém nascido, tem a certeza absoluta de que bebe o leite da mama da mãe e que deste ato depende a sua existência.
Nunca aprendeu mas a sua natureza a isso o inclina.
Na busca de quem somos, de onde viemos e para onde vamos, o homem experimentou uma angustiante incerteza que o conduziu  ao imaginário e inventou toda a sorte de crenças resultantes da incapacidade e do desespero sobre o seu existencialismo e da impossibilidade de entender a sua própria morte.
Certo dia, um amigo, convidou-me para ir visitar um pai de santo e para eu lhe falar de Jesus. Disse-lhe que iria vê-lo se ele me quisesse receber. Durante o percurso até à casa dele lá me foi confidenciando que era preciso estar bem preparado porque íamos lidar com o poder das trevas e lá me foi explicando tudo o que ele sabia sobre o que se denomina da Umbanda e da Kimbanda.
Enquanto falava comigo lembrei-me dos meus tempos de criança quando vivi em África e assisti a batuques e a certas manifestações de transe e de incorporações às quais nós chamávamos de folclore africano. Também pensei que as religiões cristãs eram dadas a certas experiências e rituais de mística, com o objectivo de se justificarem diante do Deus criador para o acalmar e ganharem o favor de serem ouvidos, como quem mercadeja oferta em troca de alguma coisa, seja a cura, emprego ou até a conquista de uma garota.
Entramos na casa “do pai de santo” e lá estava o homem sentado numa cama e depois das apresentações , comecei a falar-lhe  da minha fé em Jesus Cristo, seguindo o evangelho, ou seja, de que Ele morreu pelos nossos pecados, foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia e apareceu aos Seus discípulos, I  Co 15:1-5.
Quando terminei de anunciar o Evangelho verifiquei que o homem tinha acreditado no que eu disse pelo que o convidei a  receber Jesus pela fé e de imediato pedi-lhe que me desse todos os objetos de culto que ele tivesse em casa pois que já não eram necessários. Verifiquei, por momentos uma certa dificuldade e então disse-lhe que ele não se preocupasse que eu mesmo os recolheria num saco de lixo que me providenciaram e lá fui eu pela casa, conduzido pelo Espírito Santo, colocando objetos vários que estavam atrás de portas e em outros lugares e por derradeiro perguntei-lhe o que ele tinha mais para me entregar e isto porque era necessário que ele desejasse libertar-se e assim sucedeu.
Convidei-o a estar na igreja no dia seguinte com a sua família e assim aconteceu.
Contei esta narrativa para que o Leitor refletisse que a fé em Jesus Cristo é uma certeza que não confunde e que por ela temos  acesso, ao que está escrito:
 “Porque a lei do espírito de vida, em Cristo Jesus, me livrou da lei do pecado e da morte, Rm 8:2“.
Finalmente, dir-se-á que existe a fé natural e a fé em Deus e que o homem pode com confiança nelas crer.
Fraternalmente,
casal com uma missão,
Amílcar e Isabel Rodrigues
Amilcar Rodrigues foi ordenado pastor em 1978 na "Apostolic Faith Mission" na República da África do Sul, onde fez estudos teológicos. Como missionário em Portugal, fundou três igrejas e foi Presidente Nacional da Comissão de Programas da Aliança Evangélica Portuguesa, para a televisão, RTP2. Foi formado produtor de televisão "Broadcast" pela "Geoffrey Connway Broadcast Academy" Toronto, Canadá, é filiado do "Crossroads Christian Comunication". Em 1998 veio para o Brasil convidado pelo Ministério Fé Para Todos, Rio de Janeiro. No ano 2000 fundou em Cabo Frio uma congregação do mesmo Ministério e foi nomeado Vice-Presidente do Conselho de Pastores até ao ano de 2004. Em 2006 ficou cego. Escreveu o livro "Deus da Aliança" , Evangelho dos Sinais aos Hebreus" e "Contos do Apocalipse". Foi convidado pelo Gospel+ para participar como colunista em Maio de 2012.

1 COMENTÁRIO

  1. ME LEVOU LONGE NO TEMPO ESTA PASSAGEM DO PAI DE SANTO, TEMPO EM QUE PREGAVA MAIS NAS RUAS QUE DENTRO DA IGREJA, QUANTOS MACUMBEIROS DEIXARAM OS DEMONIOS, QUANTOS CONGAS COLOQUEI ABAIXO, QUANTAS FOGUEIRAS COM A IDOLATRIA, FICO PENSANDO QUE DEVERIA ARRUMAR MAIS TEMPO, E FAZER COMO DISSE SALMISTA, Ensina-nos a contar os nossos dias de tal maneira que alcancemos corações sábios.
    Salmos 90:12

  2. [quote]Wasn’t it the rightwingers who ran this gnrnvomeet for most of the last 8 years who screwed this economy up?And if not, who did?[/quote]When you say “Ran The Government” do you mean:The Federal Government?Your State Government in Maryland?Your Municipal gnrnvomeet in PGC and Bowie?What are you talking about?When you say “the economy got screwed up by those gnrnvomeet forces that were in power” what are you talking about?When I see that the city of Philadelphia had to do drastic cuts because their tax revenues are down and that they’ll have a $2 billion deficit in the next 5 years – is this due to the FEDERAL GOVERNMENT actions?When I hear people like Dr Marc Lamont Hill give credit to Clinton for the “Internet Boom Economy” do YOU think that Dr Hill LIKED Morgan Stanley, Bear Stearns, Merril Lynch and Goldman Sachs when they financed the key pillars of that economic boom?Or did he start hating them when they moved over to the secondary market in REAL ESTATE? They made credit available to poor people for mortgage loans by packaging them and selling them as a component of the derivative market.You see Cigarettes and Coffee would NEVER be able to explain anything beyond the POLITICAL domain.He/she would rather me join in with the “Chorus of Ignorance”. See I told you Filled Negro – you and others would prefer a person who AGREES WITH YOU but could not substantiate their views in a broad manner than to have someone DISAGREE WITH YOU. Not only disagree with you but explain WHY they believe as they do and show you YOUR strategic flaws.The main strategic flaw of UptownSteve is that he is unable to tell us WHY his preferred economic ideology has thus far failed to work at the local level and thus needs to expand nationally for it to finally kick in.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here