Eu sou filho do Universo, irmão das estrelas e mereço o melhor!

5

Vivemos na onda de um mundo “pós-moderno” que transformou o egoísmo, a arrogância e a vaidade em autoestima; e os declarados humildes, reconhecidos de suas limitações, em depressivos que precisam de cura. Hoje, qualquer luta emocional ou psicológica não pode ser mais sentida, sofrida e combatida mediante a fé, as lágrimas e a oração; segundo Cotardo Calligaris: “goût de L’effort” sem “o gosto do esforço”.

Tudo se resolve com um remédio ou no analista. A ética ficou completamente relativizada e multidões aplaudem as vitórias e as conquistas com um sonoro “Yes!” não importa como se chegue lá. Steve Jobs é louvado como um semideus e poucas pessoas notam que um de seus primeiros e mais importantes aplicativos tinha a função de roubar sinais telefônicos da AT&T para oferecer chamadas nacionais e internacionais a baixo custo para os usuários.

No meu tempo de criança, em lar católico, os pais ensinavam seus filhos pequenos a rezarem: “Que com Deus eu durma e se não acordar, que eu esteja com Ele…” Hoje, isso seria uma violência infantil; “pode traumatizar”, as crianças não devem ter ou perceber qualquer vislumbre de tensão, frustração, medo – sofrimento, então, nem pensar – essas são coisas reservadas só aos pais e professores.

As crianças precisavam viver em clima de Disney com o super herói Jesus, nosso camarada, “Buddy Christ” que me entende do jeito que eu sou, seja eu quem seja, faça o que fizer. O velho sociólogo Zygmunt Bauman resumiu bem o estado atual: “No mundo líquido (como ele chama a pós-modernidade) eu me torno referência de tudo e as minhas vaidades são virtudes.”

Agora, vire para a pessoa que está do seu lado e diga: “Eu sou filho do Universo, irmão das estrelas e mereço o melhor!” Espero que você não tenha feito isso, a gente anda tão acostumado com esse tipo de mantra que qualquer pessoa que nos mandar falar algo que soa positivo a gente sai tagarelando até nos convencermos que a humildade já não é mais digna de acolhimento e honra, mas rejeitada, como um tipo de doença que precisa de cura.

Hoje, exigimos elogios para tudo que fazemos, e premiamos a todos. Há escolas que dão medalhas até para os últimos colocados de um torneio, pois não podem traumatizar, mesmo aqueles que não se esforçaram ou nem mesmo participaram das competições, apenas se inscreveram.

O mundo atual exige que se coloque acima de tudo e de todos o meu “Eu”; e, nesse ponto, concluindo, precisamos recuar muito na História, para um tempo antes da desobediência de Adão e Eva, e ao assassinato criado por Caim contra seu próprio irmão, a fim de entender o que motiva a arrogância e a vaidade no ser humano.

A resposta está num dos mais importantes livros do Antigo Testamento, em Isaías 14.12-14 KJA: “Como foi que caíste dos céus, ó estrela da manhã, filho d’alva, da alvorada? Como foste atirado à terra, tu que derrubavas todas as nações? Afinal, tu costumavas declarar em teu coração: ‘Hei de subir até aos céus; erguerei o meu trono acima das estrelas de Deus; eu me estabelecerei na montanha da Assembleia, no ponto mais elevado de Zafon, o alto do monte, o monte santo. Subirei mais alto que as mais altas nuvens; torna-me-ei semelhante ao Altíssimo!”

E, nesse momento, o Arcanjo Lúcifer, cujo nome em hebraico significa “Portador de Luz”, se achou, de fato, lindo e maravilhoso, individuado, muito mais que todos, e se declarou “Eu”, quebrando a ordem e o ritmo da criação estabelecida pelo próprio Deus: o “Nós”.
Mas o “Eu” de Lúcifer se tornou tão pesado que caiu nas profundezas do Sheol (Abismo de morte), e conta a tradição que fora derrubado pelo Arcanjo Miguel, curiosamente respeitado por judeus, cristãos e islâmicos (cujo nome em hebraico – Mikha El – significa: “Quem pode ser semelhante a Deus?”).

O escritor do séc.17, John Milton, apimenta o assunto em sua ficção “Paradise Lost” ao narrar um possível diálogo entre Lúcifer caído e seu auxiliar mais próximo que lamentara o acontecimento. E Lúcifer teria respondido algo que passou para o comportamento das gerações até hoje: “Prefiro ser senhor no inferno a escravo no céu.”

Bem, it’s up to you (a escolha é sua). Eu sugiro que sejamos como o bom e velho apóstolo Paulo: “Paulo e Timóteo, servos (escravos) de Cristo, a todos os santos…” (Fl 1.1 KJA).

Por Oswaldo Paião

COMPARTILHAR
Raquel Elana, formada em Teologia, Pós Graduação em Jornalismo Político/ (Jornalista – MTb 15.280/MG) e Ministérios Criativos pelo IBIOL de Londres, é autora de 3 livros, entre eles: Anjos no Deserto - uma coletânea de testemunhos de mais de 10 anos de trabalho no Oriente Médio. Desde 2012 está envolvida com o trabalho de atendimento aos refugiados da guerra civil da Síria.

5 COMENTÁRIOS

  1. FALATORIO INUTIL. UM AMONTOADO DE PALAVRAS COM CUNHO DE SABEDORIA,MAS SEM VIDA DO ESPIRITO.NAO PSSA DE UM EXERCICIO MENTAL E VERBAL. A BIBLIA JA FAL DESTES NOSSOS TEMPOS QUE TEM O ESPIRITO JA SABE DISSO,E TAMBEM SABE QUE VAI PIORAR.NAO ADIANTA FALAR DOS PROBLEMAS TEM QUE MOSTRAR A SOLUÇAO E ESTA E JESUS CRISTO A ROCHA.OU SE EDIFICA SOBRE A ROCHA QUE E CRISTO OU NA AREIA QUE E O MUNDO E SUA CORRUPÇAO. A ESCOLHA E INDIVIDUAL E INTRANSFERIVEL. 2015 VAI SER O ANO DA PROVA DAS EDIFICAÇOES,ENTAO VEJAM ONDE EDIFICAM.

  2. Esse texto retrata o que de fato esta acorrendo a alguns anos nas igrejas cristas evangelicas, quando trocaram o simples e puro evangelho do Senhor Jesus Cristo pela teologia da prosperidade, a teologia do triunfalismo e tantas outras doutrinas de demonios que nada mais e do que a mesma mentira que satanas disse a Eva no Paraiso ” sereis deus “, e mister que se condene a todo instante essas palestras e pregacoes de motivacoes, de triunfalismo e de prosperidade travestido de cristianismo e de evangelho, ao qual e muito diferente do que o primo carnal do Senhor Jesus, o Joao Batista pregava , quando ele afirmava “importa que eu diminua e que ELE cresca”, fazendo assim que o Senhor Jesus declarasse a respeito dele quando diz ” Nunca havera um profeta tao grande como Joao Batista.”

    Mais uma vez irma Raquel, seu texto nos traz a reflexao e meditacao dos absurdos que vivemos hoje.

  3. Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina. 2 Timóteo 4:2
    É simples, Pregue o evangelho,faça missões ganhe Almas para o Reino de Deus.

  4. Que balela. Chega desse negócio de “santidade pré fabricada”! Quem é verdadeiramente sincero ou que não faça uso do Ego exarcebado , em várias ocasiões na vida? Nenhuma Religião torna alguém melhor ou pior. Não importa qual seja a crendice que estiver em moda. Além do Ego, a hipocrisia religiosa também está “em alta”! Esse pseudo e vergonhoso papo furado de perfeição na fé, ninguém aguenta mais. Entretanto, parece que se esconder atrás do livro das mentiras (Bíblia), é doença incurável para os milhões de idiotas que o seguem.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here