A Cegueira de Israel

9
Deus não pode ser visto pelo homem e, no entanto, Ele se manifestou por sinais a Israel, como está escrito:”E, ainda que tinha feito tantos sinais diante deles, não criam nele; para que se cumprisse a palavra do profeta Isaías, que diz:

“Senhor, quem creu na nossa pregação? E a quem foi relevado o braço do Senhor? Por isso não podiam crer, pelo que Isaías disse outra vez: Cegou-lhes os olhos e endureceu-lhes o coração, a fim de que não vejam com os olhos, e compreendam no coração, e se convertam, e eu os cure, Jo 12:37-40“.

O povo de Israel  sempre foi dado à incredulidade porque procuraram conhecer a Deus com os olhos e não com o coração.
Aos Coríntios Paulo escreveu, o seguinte: “Porque os judeus pedem sinal, e os gregos buscam sabedoria,  I Co 1:22“.
Tomé, um discípulo de Jesus, ainda que tivesse ouvido o testemunho de seus condiscípulos de que Jesus tinha ressuscitado, afirmou com veemência  de que se não visse e não tocasse n’Ele, não acreditaria.
Israel é um povo religioso mas incrédulo. É capaz de se sujeitar a práticas de jejum, dizimar, seguir preceitos e tradições mas tem grande dificuldade em crer em Deus, muito embora fale d’Ele.
A cegueira de Israel tem a sua origem na interpretação das Escrituras , até ao dia de hoje. Anseiam pelo Messias semelhante ao rei Davi que reine sobre eles e os liberte dos incômodos vizinhos, entenda-se, os palestinianos, e  faça de Israel um país próspero.
O que está a obscurecer-lhes o entendimento, nos é revelado no texto, seguinte:
“E porei entre eles um sinal, e os que deles escaparem enviarei às nações, a Tarsis, Pul, e Lude, frecheiros, a Tubal e Javã, até às ilhas de mais longe, que não ouviram a minha fama, nem viram a minha glória; e anunciarão a minha glória entre as nações. E trarão todos os vossos irmãos, dentre todas as nações, por presente ao Senhor… Is 66:19-20“.
O Sinal aqui mencionado é o Filho de Deus que foi dado às nações a fim de reconciliar o mundo com Deus e de os converter em filhos de Deus a todos os que O receberam, que não nasceram nem da vontade da carne nem do sangue mas da de Deus, Jo 1:12; Rm 11:11-14.
A cegueira de Israel deve-se à incompreensão de que Deus é Amor e que não faz acepção de pessoas, raças e línguas  e recebe a todo aquele que n’Ele crê de todo o coração, porque sem fé é impossível agradar-Lhe, Hb 11:6.
Aos incrédulos de Israel que não creêm em Jesus, está Escrito:

“E, como ficaram entre si discordes, se despediram, dizendo Paulo esta palavra: Bem falou o Espírito Santo a nossos pais pelo profeta Isaías, dizendo: Vai a este povo, e dize: De ouvido ouvireis, e de maneira nenhuma entendereis; e, vendo, vereis, e de maneira nenhuma percebereis. Porquanto o coração deste povo está endurecido, e com os ouvidos  ouviram pesadamente, e fecharam os olhos, para que nunca com os  olhos vejam, nem com os ouvidos ouçam, nem do coração entendam, e se convertam e eu os cure, At 28:25-27“.

Deixo para refletir, o provérbio Etíope, seguinte: Se tu acreditas não precisas de ver e se não acreditas, porque queres ver?
Fraternalmente,
casal com uma missão,
Amílcar e Isabel Rodrigues
Amilcar Rodrigues foi ordenado pastor em 1978 na "Apostolic Faith Mission" na República da África do Sul, onde fez estudos teológicos. Como missionário em Portugal, fundou três igrejas e foi Presidente Nacional da Comissão de Programas da Aliança Evangélica Portuguesa, para a televisão, RTP2. Foi formado produtor de televisão "Broadcast" pela "Geoffrey Connway Broadcast Academy" Toronto, Canadá, é filiado do "Crossroads Christian Comunication". Em 1998 veio para o Brasil convidado pelo Ministério Fé Para Todos, Rio de Janeiro. No ano 2000 fundou em Cabo Frio uma congregação do mesmo Ministério e foi nomeado Vice-Presidente do Conselho de Pastores até ao ano de 2004. Em 2006 ficou cego. Escreveu o livro "Deus da Aliança" , Evangelho dos Sinais aos Hebreus" e "Contos do Apocalipse". Foi convidado pelo Gospel+ para participar como colunista em Maio de 2012.

9 COMENTÁRIOS

  1. Os apóstolos de Jesus não eram israelitas? Paulo não era israelita? As primeiras congregações não eram israelitas? Quem escreveu o Novo Testamento? Foram gentios? Os profetas (inclusive Isaías que escreveu essa profecia) não eram judeus? Não eram zelosos da Lei?

    “E, havendo-os saudado, contou-lhes por miúdo o que por seu ministério Deus fizera entre os gentios.
    E, ouvindo-o eles, glorificaram ao Senhor, e disseram-lhe: Bem vês, irmão, quantos MILHARES de judeus há que crêem, e todos são ZELADORES DA LEI”. (Atos 21:19-20).

    Israel não creu “como um todo”, e o que você está criticando de Israel, está acontecendo hoje novamente no Mundo (a incredulidade, o legalismo, as heresias, tradições de homens acima dos mandamentos de Deus, falsas doutrinas etc.). “Muitos são chamados mas poucos escolhidos”. O judeu é tão humano, pecador e falho quanto qualquer povo. Agradeça a Deus por ter “cegado-lhes os olhos e endurecido seus corações”, pois sem isso você não teria sido enxertado na Videira de Israel:

    “Digo, pois: Porventura tropeçaram, para que caíssem (ou seja, para que os judeus fossem condenados ou que Israel “como um todo” – e não os hipócritas como os fariseus – fosse rejeitado por Deus)? De modo nenhum, mas pela sua queda veio a salvação aos gentios, para os incitar à emulação (ou seja, Deus os cegou não para rejeitá-los como povo, mas para salvar gentios como você e eu).
    E se a sua queda é a riqueza do mundo, e a sua diminuição a riqueza dos gentios, quanto mais a sua plenitude (quando um dia, depois que a cota de gentios estiver completa, Deus lhes abrir os olhos e vir o julgamento sobre o Mundo)! (Romanos 11:11-12).

    E não se gabe disso:

    “E se alguns dos ramos foram quebrados, e tu, sendo zambujeiro, foste enxertado em lugar deles, e feito participante da raiz e da seiva da oliveira,
    Não te glories contra os ramos; e, se contra eles te gloriares, não és tu que sustentas a raiz, mas a raiz a ti.
    Dirás, pois: Os ramos foram quebrados, para que eu fosse enxertado.
    Está bem; pela sua incredulidade foram quebrados, e tu estás em pé pela fé. Então não te ensoberbeças, mas teme.
    Porque, se Deus não poupou os ramos naturais, teme que não te poupe a ti também”. (Romanos 11:17-21).

    Deus tem o poder de lhes abrir os olhos um dia e os resgatar novamente, como os resgatou do Egito, da Babilônia, da Medo-Pérsia, dos Selêucidas:

    “E também eles, se não permanecerem na incredulidade, serão enxertados; porque poderoso é Deus para os tornar a enxertar.
    Porque, se tu foste cortado do natural zambujeiro e, contra a natureza, enxertado na boa oliveira, quanto mais esses, que são naturais, serão enxertados na sua própria oliveira!”
    (Romanos 11:23-24).

    “Porque não quero, irmãos, que ignoreis este segredo (para que não presumais de vós mesmos): que o endurecimento veio em parte sobre Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado (E quando isso acontecer, o que virá? a condenação de Israel? Não, continue lendo).
    E assim todo o Israel será salvo, como está escrito: De Sião virá o Libertador, E desviará de Jacó as impiedades.
    E esta será a minha aliança com eles, Quando eu tirar os seus pecados”. (Romanos 11:25-27).

    “Pode Deus rejeitar Israel, mentir, e descumprir sua aliança eterna com eles?

    Digo, pois: Porventura rejeitou Deus o seu povo? De modo nenhum; porque também eu sou israelita, da descendência de Abraão, da tribo de Benjamim.
    Deus não rejeitou o seu povo, que antes conheceu”. (Romanos 11:1-2).

    Salmo 94.14: “Pois o SENHOR não rejeitará o seu povo, nem desamparará a sua herança.”

    “Pois o SENHOR, por causa do seu grande nome não desamparará o seu povo; porque aprouve ao SENHOR fazer-vos o seu povo”. (1º Samuel 12.22).

    Israel se arrependerá e chorará, e será convertida não pela pregação de homens, mas o próprio Deus abrirá seus olhos:

    “E sobre a Casa de Davi e sobre os habitantes de Jerusalém derramarei o Espírito de graça e de súplicas; e olharão para mim, a quem traspasaram (Jesus); e o prantearão como quem pranteia por um unigênito; e chorarão amargamente por ele, como se chora amargamente pelo primogênito” (Zc 12.10).

    Deus jamais passaria por mentiroso ou quebraria sua aliança, por causa do seu grande nome ele resgata Israel:

    “Não é por amor de vós que eu faço isto, ó casa de Israel, mas pelo meu santo nome” (Ezequiel 36.22). “Tu és o meu servo, és Israel por quem hei de ser glorificado” (Isaías 49.3).

    Portanto, a “cegueira” de Israel não é porquê os judeus são “dados à incredulidade”, mas porquê como Jesus pagou pelos pecados do mundo, Israel como “Filha” de Deus também “suporta” os pecados do mundo, eles foram “cegos” para que você seja salvo, como disse Paulo, e não para que você os julgue de incrédulos.

    “Então disse a Abrão: Saibas, de certo, que peregrina será a tua descendência em terra alheia, e será reduzida à escravidão, e será afligida por quatrocentos anos (e porquê os descendentes de Abraão sofreriam tanto? Por causa da incredulidade e os pecados deles?)” (Gênesis 15:13).

    “E a quarta geração tornará para cá; porque a medida da injustiça dos amorreus não está ainda cheia (ou seja, Israel sofreu no Egito porquê Deus teve misericórdia dos amorreus, não os exterminou antes que alcançassem uma medida inaceitável de injustiças)”. (Gênesis 15:16).

    Assim também, o povo de Israel vem sofrendo perseguição ao longo de 2000 anos, “cegos”, para que os gentios creiam e sejam “enxertados”. Mas nem Roma, nem a Igreja Católica, nem a Inquisição, Hitler ou Stálin os fez deixar de guardar a Lei ou de seguir o Deus de Israel, não conseguiram calá-los, apagar suas velas, e depois de ninguém ter conseguido destruir esse povo tão pequeno que milagrosamente atravessou 2000 anos em terras estrangeiras sem se contaminar, em um único dia foi criado o Estado de Israel e Deus os leva novamente para a terra que prometeu a Abraão, para a Glória do seu Nome.

    Portanto, nossa preocupação deveria ser com a nossa Igreja, pois está perto o dia de Deus abrir seus olhos. Como Deus esperou pelos amorreus, ele está aguardando por nós, mas está chegando perto a cota de injustiças do mundo.

    Deus julga Israel, nós não, ele castiga, pune Israel, porquê ele é pai e pune por amor. Mas dizer que o povo de Israel é “dado à incredulidade” é um grande preconceito e um falso julgamento a homens como Paulo, Tiago, João, outros apóstolos e judeus que guardam a Lei e são justos e espirituais. A “legalidade”, a “Letra que mata”, a “Lei para a morte” não existe só na Lei dos Judeus, existe no cristianismo também.

    Deixa o julgamento para Deus.

  2. Caro Leitor,
    Val Him,

    Agradeço o seu comentário o que muito contribui para o aprofundamento das Escrituras.

    As citações que apresentou para provar que Israel não é incrédulo e que a cegueira deve-se ao
    facto que Deus para salvar o mundo, Jo 3:16, precisou de os incapacitar, não deixa também de
    ser um estranho procedimento e revelador de um nacionalismo que não admite a universalida-
    de de outros povos.

    Junto ao poço de Jacob Jesus encontrou-se com a samaritana e deu-lhe a Boa Nova de que
    os verdadeiros adoradores são aqueles que adoram o Pai em espírito e em verdade e desta
    maneira desprezou a Jerusalém terrena, Jo 4:21.

    Saudações cristãs,
    Amílcar

    • Agradeço os elogios Amilcar, mas os créditos são do Apóstolo Paulo, foi ele quem disse claramente isso.

      “As citações que apresentou para provar que Israel não é incrédulo e que a cegueira deve-se ao facto que Deus para salvar o mundo, Jo 3:16, precisou de os incapacitar, não deixa também de ser um estranho procedimento e revelador de um nacionalismo que não admite a universalidade de outros povos”.

      Sim, um estranho procedimento, pois os caminhos de Deus são diferentes dos nossos, por isso não vamos duvidar e nos vangloriar, mas aceitar, obedecer e temer:

      “Porque não quero, irmãos, que ignoreis este segredo (para que não presumais de vós mesmos): que o endurecimento veio em parte sobre Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado (está aí o motivo do “estranho procedimento”). E assim todo o Israel será salvo, como está escrito: De Sião virá o Libertador, E desviará de Jacó as impiedades.
      E esta será a minha aliança com eles, Quando eu tirar os seus pecados”. (Romanos 11:25-27).

      “Junto ao poço de Jacob Jesus encontrou-se com a samaritana e deu-lhe a Boa Nova de que os verdadeiros adoradores são aqueles que adoram o Pai em espírito e em verdade e desta maneira desprezou a Jerusalém terrena”, Jo 4:21.

      “Nossos pais adoraram neste monte, e vós dizeis que é em Jerusalém o lugar onde se deve adorar.
      Disse-lhe Jesus: Mulher, crê-me que a hora vem, em que nem neste monte nem em Jerusalém adorareis o Pai”. (João 4:20-21). – Jesus já profetizou que o Templo e Jerusalém seriam destruídos.

      E ele não desprezou Jerusalém e os judeus, ao contrário:

      “Vós (samaritanos) adorais o que não sabeis; nós (os judeus, incluindo ele, que era judeu) adoramos o que SABEMOS (ou seja, eles adoravam da maneira certa permitida por Deus ATÉ aquele momento) porque a salvação vem dos judeus (João 4:22).

      Entretanto, ao contrário daqueles dias, em que a adoração era restrita a Jerusalém e aos judeus, Jesus profetizou que ela se estenderia a todos que quisessem adorar a Deus em espírito e verdade:

      “Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem” (João 4:23).

      Portanto ele não desprezou a Jerusalém terrena (Deus não mente e não volta atrás com sua palavra), mas a estendeu espiritualmente a TODOS, e não só aos judeus. Naqueles dias o lugar de adoração era o Templo, foi assim que Deus determinou (e não cabe a nós julgarmos o seu “procedimento”, Jesus disse claramente que os judeus adoravam o que conheciam), mas logo o Templo seria destruído, aquela “maquete” da adoração verdadeira (em Espírito e Verdade) não existiria mais, a adoração passaria a ser como agrada a Deus, em Espírito e Verdade, e não limitada à paredes de um Templo. Mas até aquele momento, o Templo serviu como “Aia” para conduzir à adoração verdadeira (como Paulo explica também sobre a Lei). Portanto, Jesus disse que os judeus obedeciam à Aia (ao contrário dos samaritanos), mas logo a criança cresceria (e já chegara a hora) e não precisaria mais da Aia.

      Deve-se ler o texto completo, e entender o contexto. Jerusalém física seria castigada (Deus sempre castiga e pune o seu povo quando necessário, como um pai para educar seus filhos), mas somente até ela “aprender”:

      “Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas os que te foram enviados! Quantas vezes Eu quis reunir os teus filhos como a galinha reúne os seus pintinhos debaixo das suas asas, mas vós não o aceitastes! Eis que a vossa Casa vos ficará desabitada! E, com toda a certeza vos asseguro, que não mais me vereis (o Messias) até (até que aconteça o quê?) que venhais a proclamar: ‘Bendito o que vem em nome do Senhor!”

      E será que isso encontra embasamento nas profecias? Claro:

      “E sobre a Casa de Davi e sobre os HABITANTES DE JERUSALÉM derramarei o Espírito de graça e de súplicas; e olharão para mim, a quem traspasaram (Jesus); e o prantearão como quem pranteia por um unigênito; e chorarão amargamente por ele, como se chora amargamente pelo primogênito” (Zc 12.10).

      “E acontecerá naquele dia que farei de Jerusalém uma pedra pesada para todos os povos; todos os que a carregarem certamente serão despedaçados; e ajuntar-se-á contra ela todo o povo da terra”. (Zacarias 12:3).

      Tudo o que Jesus e Paulo pregaram estava de acordo com as profecias:

      “E se alguém lhe disser: Que feridas são estas nas tuas mãos? Dirá ele: São feridas com que fui ferido em casa dos meus amigos (como Jesus que foi ferido e morto por seu próprio povo, por seus irmãos).

      Ó espada, desperta-te contra o meu pastor, e contra o homem que é o meu companheiro, diz o Senhor dos Exércitos. Fere ao pastor, e espalhar-se-ão as ovelhas; mas volverei a minha mão sobre os pequenos.

      E acontecerá em toda a terra, diz o Senhor, que as duas partes dela serão extirpadas, e expirarão; mas a terceira parte restará nela.

      E farei passar esta terceira parte pelo fogo, e a purificarei, como se purifica a prata, e a provarei, como se prova o ouro (2000 anos que os judeus estiveram no Exílio sendo perseguidos pelas nações). Ela invocará o meu nome, e eu a ouvirei; direi: É meu povo; e ela dirá: O Senhor é o meu Deus (Zacarias 13:6-9).

      Mas é um assunto complexo. Mas o fato Amilcar, é que não devemos questionar os “estranhos procedimentos” de Deus, e muito menos nos vangloriar de algo, pois pela cegueira deles, e pela prova de ouro que eles passaram, nós estamos sendo enxertados na Oliveira:

      “E se alguns dos ramos foram quebrados, e tu, sendo zambujeiro, foste enxertado em lugar deles, e feito participante da raiz e da seiva da oliveira, não te glories contra os ramos; e, se contra eles te gloriares, não és tu que sustentas a raiz, mas a raiz a ti.

      Dirás, pois: Os ramos foram quebrados, para que eu fosse enxertado.

      Está bem; pela sua incredulidade foram quebrados, e tu estás em pé pela fé. Então não te ensoberbeças, mas teme.

      • Caro Leitor,
        Val Him,

        Contrariamente ao que afirma eu não me glorio na minha fé em desmérito do povo de Israel.

        A cegueira de Israel, no meu entendimento, deve-se ao facto de eles não terem a-
        creditado que Jesus da Nazaré era o verdadeiro Messias e por esta razão O rejei-
        taram. Quando afirmo que o rejeitaram não quero com isto dizer que todos os ju-
        deus O rejeitaram porque sem dúvida que a primeira comunidade cristã foi a de
        Jerusalém.

        Reitero que há uma cegueira espiritual quanto ao conhecimento de que Jesus é
        o Messias. Também devo de referir que Deus não vai salvar os judeus só por se-
        rem judeus porque até das pedras Deus pode fazer filhos a Abraão. A salvação
        é assim um ato pessoal tanto para os israelitas como para os gentios.

        Eu também não afirmei no meu texto aquilo que você procura dizer de que não
        existe salvação para os judeus. Não me acuse pois de coisas que eu não disse.

        A Nova Aliança que o Senhor estabeleceu foi feita com melhores promessas tan-
        to para judeus, gregos e gentios e isto porque Ele não faz acepção de pessoas.

        Também não creio que os judeus são as raízes da Nova Aliança mas sim o pai
        Abraão, Gl 3: 16.

        Saudações cristãs,
        Amilcar

  3. Agradeço os esclarecimentos, e peço perdão pelos “pensamentos equivocados” atribuídos a você.

    “Também não creio que os judeus são as raízes da Nova Aliança mas sim o pai
    Abraão”, Gl 3: 16.

    Abraão é o pai do povo judeu, mas também é pai dos árabes (Ismael) e dos edomitas (Esaú), por meio dele Deus abençoou todas as famílias da Terra, mas a Nova Aliança veio do povo judeu (somente dos descendentes de Isaque e Jacob).

    “Para que a bênção de Abraão chegasse aos gentios por Jesus Cristo, e para que pela fé nós recebamos a promessa do Espírito” (Gálatas 3:14). – Por Cristo nos tornamos também descendentes de Abraão, somos “enxertados” nas promessas feitas a ele e à sua descendência. Aqui não há nada sobre a Nova Aliança, que só foi prometida posteriormente (para Israel e Judá), depois da “quebra” da “Velha Aliança” pelos israelitas:

    Portanto, Abraão não é a raíz da Nova Aliança, por intermédio dele todas as famílias da Terra são abençoadas, e pela descendência dele (Jesus Cristo) somos “enxertados” em todas as alianças que Deus fez a ele, inclusive a Nova Aliança, que foi feita inicialmente com Israel e a Casa de Judá:

    “Estão chegando os dias”, declara o Senhor, “quando farei uma NOVA ALIANÇA com a comunidade de ISRAEL (frisando a descendência que passa por Isaque e Jaco) e com a comunidade de JUDÁ (frisando que o broto, raíz – Jesus – viria da Casa de Judá, Davi)”.

    “Não será como a aliança que fiz com os seus antepassados quando os tomei pela mão para tirá-los do Egito; porque quebraram a minha aliança, apesar de eu ser o Senhor deles”, diz o Senhor. (Jeremias 31:31-32).

    “Vós (samaritanos) adorais o que não sabeis; nós adoramos o que sabemos porque a salvação vem dos JUDEUS (João 4:22).

    “E se alguns (E não todos) dos ramos foram quebrados, e tu, sendo zambujeiro, foste ENXERTADO (na Nova Aliança, que inicialmente era com Israel e a Cada de Judá) em lugar deles (dos ramos que foram quebrados, e não de Israel como um todo), e feito participante da raiz (Israel) e da seiva da oliveira (que procede de Deus), Não te glories contra os ramos (indivíduos que foram quebrados, e não a raíz como um todo); e, se contra eles te gloriares, não és tu que sustentas a raiz (Israel), mas a raiz a ti (nós estamos inseridos em Israel e todas as promessas feitas a ela)”.

    Parece que Jeremias, Jesus e Paulo pensam diferente, que a Nova Aliança é com os judeus (Israel e a Casa de Judá), e que nós fomos “beneficiados” por ela (como Paulo explica, “enxertados” nela), tanto que primeiro ela se estendeu para os judeus (os apóstolos e todos os primeiros discípulos, testemunhas oculares da vida, morte e ressurreição de Cristo, bem como escritores cânon cristão – a nenhum gentio se estendeu todo esse conjunto de privilégios), depois aos prosélitos (em Pentecostes) por último aos gentios (o próprio Jesus disse que a salvação vem dos judeus – afinal ele mesmo era judeu – teria ele se expressado mal?).

    Quem estará certo, você, ou Jeremias, Jesus e Paulo, só o futuro poderá dizer.

    Quanto ao critério de salvação, há dois tipos: a salvação física e a espiritual.

    A salvação física se estende a todo um grupo de pessoas, a salvação espiritual é pessoal.

    Noé era justo, mas a Bíblia nada diz sobre seus filhos, sua esposa e suas noras. No entanto, pelo mérito de Noé todos foram “salvos fisicamente”. Se permaneceram “firmes na fé” para serem salvos espiritualmente, é uma questão individual, entre o indivíduo e Deus.

    No Egito haviam milhares de hebreus, e certamente nem todos eram justos, mas a “salvação física” alcançou a todos, independente de serem bons ou maus, pelo mérito dos patriarcas e pelas promessas feitas aos mesmos. Agora, se permaneceram firmes depois disso, é outra história (muitos inclusive tropeçaram no caminho e poucos daquela geração alcançaram a Terra Prometida). A “salvação espiritual” (da alma) é outra história.

    A salvação de Jesus Cristo está aberta a todos, mas abraçar essa salvação é uma questão individual. Tal como você pode ser salvo (como ser tirado da terra do Egito), e fraquejar no caminho e não chegar à Terra Prometida (como aconteceu com os que pereceram no Deserto).

    Nesse sentido, é que pelo mérito do seu próprio “nome” (“Não é por amor de vós que eu faço isto, ó casa de Israel, mas pelo meu santo nome” – Ezequiel 36.22), Deus abrirá os olhos de Israel que ele mesmo cegou, para que vejam aquele que eles transpassaram:

    “Porque não quero, irmãos, que ignoreis este segredo (ele está falando conosco, os irmãos cristão dele): que o endurecimento veio em parte sobre Israel, até (e não para sempre) que a plenitude dos gentios haja entrado (Glória a Deus porquê por isso fomos “enxertados” na Nova Aliança). E assim todo o Israel será salvo (não a salvação espiritual que será individual e dependerá não só da escolha deles, mas de se manterem firmes no caminho até o fim, mas a salvação de um modo geral estará aberta para todos eles que antes estavam “cegos”), como está escrito: De Sião virá o Libertador, E desviará de Jacó as impiedades.
    E esta será a minha aliança com eles (com Israel e a Casa de Judá), Quando eu tirar os seus pecados”. (Romanos 11:25-27).

    “E sobre a Casa de Davi e sobre os HABITANTES DE JERUSALÉM derramarei o Espírito de graça e de súplicas; e olharão para mim, a quem traspasaram (Jesus); e o prantearão como quem pranteia por um unigênito; e chorarão amargamente por ele, como se chora amargamente pelo primogênito” (Zc 12.10).

    Portanto, eu acredito que as promessas de Deus nunca falham, e que suas palavras não voltam sem cumprimento, e se como Ele disse que tiraria os hebreus do Egito, ele disse que tiraria Israel de sua “cegueira”, ele vai fazer. Agora, depois dos olhos abertos quais permanecerão na fé, é um assunto individual de cada um, tal como todos nós cristãos também temos muito “deserto” para percorrer antes da “Terra Prometida” (embora Deus já saiba de antemão quem são os “eleitos antes da fundação do mundo”, sejam gregos, romanos, gentios ou judeus, pois ele não faz acepção de pessoas).

    A questão da discussão foi o principal equívoco do seu texto de que “O povo de Israel sempre foi dado à incredulidade porque procuraram conhecer a Deus com os olhos e não com o coração” (quando ao contrário de você, Paulo disse que Deus usou um estranho caminho de “cegá-los” para nos “enxertar”. Se você ou Paulo está certo, eu não sei). Dizendo assim que Moisés, Josué, Gideão, Jeremias, Isaías, Daniel, João Batista, Maria (mãe de Jesus), José, todos os profetas do “Antigo Testamento”, discípulos e apóstolos de Jesus (pois todos não são parte do “Povo de Israel”?) procuram conhecer Deus com os olhos, e não com o coração. Você julgou o povo como um todo (O povo de Israel sempre foi dado..), quando sempre existiram pessoas religiosas e zelosas da Lei que viam Deus com o coração.

    Saudações cristãs.

    • Caro Leitor,
      Val Him,

      Agradeço o seu comentário e concordo em absoluto com a sua exposição.

      O meu texto procurou mostrar que os judeus, hiperbolicamente falando precisam de ver sinais para crerem, De acordo com Jo 20:30 e 31.

      Quanto às raízes serem Abraão,o meu entendimento é que foi por ele que Deus fez Ali-
      ança com todos aqueles que crerem. Poderá ler aqui em “Colunas”, a “Fé dos Homens”,
      Abraão I, Abraão II e Abraão III.

      O descendente de Abraão é Cristo e no entanto para chegar até ao nascimento de Jesus
      duas Alianças Deus fez com os homens, a Aliança do Sinai e com o rei Davi. Por esta ra-
      zão é que Jesus é chamado Filho de Davi. O reinado de Davi foi o Governo de Israel geo-
      gráfico e o descendente de David espiritualmente é Jesus de Nazaré, o Rei dos reis e o Senhor dos senhores.

      Deus não rejeitou os judeus embora tivessem condenado Jesus à morte At 2:14-21.

      Também poderá encontrar aqui em “Colunas” “A Fé dos Homens”-“A lLiança do Sinai” e
      a “Aliança com Davi”.

      Finalmente convém esclarecer que segundo o meu entendimento quando Paulo falou
      sobre a salvação dos judeus e dos gentios ele usou dum critério de esperança para os
      de Israel e de respeito para com os gentios, num intrincável labirinto que o Irmão citou
      textos da Antiga Aliança.

      Melhores saudações cristãs,
      Amílcar Rodrigues

      • Caro Amilcar,

        Toda discussão saudável e desprovida de arrogância gera bons frutos. Obrigado pelas informações, e pode ter certeza que irei ler todos os seus artigos recomendados. Obrigado pelas sugestões e saudações cristãs.

  4. I recently atdtneed the Deeper Level 2012 UNconference and there are only two words to describe it Supernatural Phenomenon . God spoke to me in such a powerful way, a gift I had not focused on since I was a child (I’m 29) was brought to my attention in a way I had never seen before. I have perfect pitch and can get on the piano and pretty much play the basics of what I hear. I took it for granted and buried my talent.. God told me What are you doing here?? and by the end of the conference I felt a fresh anointing over my hands. I came home and today I got on the piano to play one of my favorite songs Jesus At The Center . I learned it and now I’m going to study the charts to perfect the gift God has given me! I can go and on, giving one testimony after another. Keep doing you Israel. I’m spreading the word to Southern California and supporting your ministry 100%. We need more worshipers like you and your family. Praying for you all always! May God overflow you only how He can! Jennifer Croce

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here