Sobre Imagens de Escultura

95

Esclarecendo sobre imagens de escultura:

Não existe problema algum em ter ou fazer imagem de escultura desde sempre. O problema é prestar culto, rezas, veneração ou qualquer tipo de adoração às imagens.

Esculturas são obra de arte a serem apreciadas. O próprio Senhor colocou arte em seu tabernáculo. Moisés levantou uma serpente de bronze (fazendo prefiguração a Cristo em Jo 3.14) e posteriormente esta mesma serpente foi destruída na reforma promovida por Josias quando se tornou objeto de veneração e adoração pelos israelitas (II Re 18.4).

Neste caso, como obra de arte não existe problema algum em se ter imagens. O grande erro é achar que um objeto inanimado, feito por mãos humanas, que tem boca mas não fala; que tem olhos mas não vê; que tem ouvidos mas não ouve; que tem nariz mas não sente cheiro; que tem mãos mas não pode apalpar e pés mas não podem andar, pensar que algo deste tipo pode fazer qualquer coisa por qualquer pessoa. (Sl 115.4-7)

Tampouco ninguém que não tenha os atributos de onisciência, onipotência, onipresença e infinitude que SÓ DEUS tem, pode receber ou intermediar orações. Por acaso o braço de Deus encurtou e ele está ocupado demais para que precise de ajuda de seres tão limitados? Ou o sacrifício de Jesus ficou menor de forma que precisemos de mais intermediários?

Lembre-se que idolatria é colocar qualquer coisa acima de Deus em sua vida. E o risco não é de apelas ídolos, mas também dinheiro, poder, etc.

Deus abençoe você!

COMPARTILHAR
Um pecador salvo pela graça de Deus. Casado com Marina e pai do Davi. Graduado em Economia pela UFJF, pós-graduado em Estatística pela UFJF. Graduando em Teologia pelo Seminário JMC e Mestre em Teologia pelo Seminário Servo de Cristo.

95 COMENTÁRIOS

  1. Tampouco ninguém que não tenha os atributos de onisciência, onipotência, onipresença e infinitude que SÓ DEUS tem, pode receber ou intermediar orações. Por acaso o braço de Deus encurtou e ele está ocupado demais para que precise de ajuda de seres tão limitados? Ou o sacrifício de Jesus ficou menor de forma que precisemos de mais intermediários?

    • Uma única pergunta: seu pastor ora por você? Você ora por outras pessoas?
      Como é que ninguém pode receber ou intermediar orações?
      Algo meio dúbio, não acha?

      • Exatamente Marcelo, podemos sim orar uns pelos outros. E se os santos já tiverem sido ressuscitados e levados para juntos de Jesus, eles podem também interceder por nós. O que não pode é um santo, um anjo, ou qualquer ser espiritual, que também tem limitações quanto a estar em vários lugares ao mesmo tempo, receber orações ou se comunicar com milhões de pessoas ao mesmo tempo. Colocar a fé que o santo está te ouvindo naquele momento, significa ter fé de que ele é onisciente, e que sonda os corações e as intenções das orações, coisas que só Deus faz, afinal, há outras milhões de pessoas orando para ele.

          • Se o santo lá no Céu está me ouvindo, há comunicação. Eu escrevo cartas para você, te pedindo algo. Você não responde as minhas cartas, mas atende os meus pedidos, não houve comunicação entre nós?

          • Eu escrevo uma carta para você, te pedindo algo, você não me responde, mas atende o meu pedido, houve comunicação entre nós certo? Eu te pedi, vc respondeu me atendendo. O mesmo se dá com os santos, você pede, crendo que ele está te ouvindo, sondando a intenção do seu coração, e ele te responde, intercede por você, para Deus atender o seu pedido. Então, é sim comunicação com os mortos.

      • Marcelo mais é claro que oramos uns pelos outros!!
        mais quando ha morte não tem como a pessoa que morreu orar por nos, por mais que achamos que ela estar ao lado do PAI(NO CÉU SÓ JESUS PODE MEDIAR)
        LEIA Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem.
        1 Timóteo 2:5!!

        Lembre-se a morte não nos separa de de Deus mais dos humano sim!!

      • Claro que podemos orar UNS PELOS outros.
        O problema é você fazer orações a pessoas que não podem fazer nada por nós !!
        O Senhor é o único que pode.. Ele é onisciente e onipresente. E os santos não!
        é bem melhor fazer a oração direta a Jesus que é o único que intercede por nos ao pai!

    • Mateus 19:21 – Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me.
      JÁ FIZESTES ISTO? ESTÁ NA BÍBLIA…

      • Esse jovem já era um homem que cumpria os mandamentos do Senhor, mas queria se salvar de acordo com as suas obras, com a sua justiça, e isso é impossível para o homem. Jesus só fez isso para mostrar aquele jovem que o seu coração estava nas riquezas, e por isso, ele jamais seria perfeito, como nenhum homem pode ser, pois nenhum homem pode se salvar, depender da sua própria justiça para a salvação. Por isso ele disse que para o homem é impossível a salvação, mas para Deus nada é impossível. E por isso devemos crer que não pela nossa justiça, mas pela Graça de Deus é que encontramos a salvação. Tanto é que ele não mandou todos os seus apóstolos venderem tudo e dar aos pobres (por exemplo, Pedro ainda tinha seu barco, pescava, tinha família para sustentar).

        O mesmo aconteceu com Abraão. O coração de Abraão não estava em Isaque, mas em Deus. A prova disso foi que ele estava disposto a entregar sua maior riqueza (Isaque), em sacrifício a Deus, crendo que Deus não deixaria de cumprir sua promessa (a sua descendência através de Isaque). Ou seja, nem que Deus ressuscitasse Isaque depois, mas ele não deixaria de cumprir sua promessa. Se o jovem estivesse disposto a fazer isso, se livrar de todas as suas riquezas, Jesus poderia ter dito como Deus fez a Abraão: não precisa. A intenção de Jesus era mostrar para ele, onde estava o seu coração (pois Jesus, que sonda os corações, já sabia). Assim como Deus, queria mostrar a todos nós, e a Abraão, onde estava o coração de Abraão, e deixar um exemplo de fé, pois antes de pedir, ele já sabia o que Abraão faria.

  2. O teólogo e historiador luterano Martin N. Dreher, sustenta uma posição bem favorável ao uso das imagens. Seguem alguns trechos em sua obra, em especial do capítulo 5, entitulado “Palavra e Imagem”:

    “Na primavera de 1522 aconteceu, em Wittenberg, o início de uma das maiores catástrofes na história da humanidade. O conselho da cidade determinara a retirada das imagens das igrejas. Quando se começou a executar a decisão dos conselheiros municipais, a multidão reunida na frente da igreja da cidade invadiu o templo, arrancou as imagens das paredes, quebrou-as e terminou por queimar tudo do lado de fora. Em questão de minutos, uma paixão brutal destruiu o que para gerações de cristãos fora objeto de veneração religiosa. Onde os iconoclastas passaram, os templos ficaram como lavouras após uma chuva de granizo. Igual a uma epidemia o iconoclasmo se alastrava por todas as regiões. E o mais interessante é que são poucos os historiadores que se referem a ele, permitindo que o iconoclasmo continue a ser praticado até os nossos dias. O terrível disso tudo é que cristãos, munidos de machados e martelos, se levantaram contra objetos sacros, em locais consagrados, ante os quais até há pouco se haviam ajoelhado. Cristãos destruíram a linguagem da imagem que durante séculos havia orientado os cristãos. E o culpado pela destruição não foi o povo, mesmo que ele tenha realizado a ação; os culpados foram os pregadores que, a partir do púlpito, incitaram ao iconoclasmo. O mentor intelectual do iconoclasmo em Wittemberg foi Andreas Bodenstein, de Karlstadt. Ardoroso em sua maneira de ser, mas falho no tocante à reflexão sobre a consequência de seus atos, Karlstadt assumiu a direção do movimento reformatório em Wittemberg enquanto Lutero se encontrava no Wartburgo. No inverno de 1521/22, Karlstadt escreveu e publicou livreto com o título ‘Da Eliminação das Imagens’. O livro é diminuto, tem poucas páginas, mas teve grandes consequências, provocando a destruição de muitas obras-de-arte. Segundo Karlstadt, não se pode tolerar imagens nas igrejas, pois afrontam o primeiro mandamento. Os ‘ídolos de óleo’ colocados sobre os altares, são invenção do demônio. Karlstadt tomou posição não somente contra esculturas, mas contra pinturas, a nova tendência na arte do Renascimento e da Reforma. Há autores que consideram Karlstadt o primeiro puritano. Assim, o emergente puritanismo seria responsável pelo iconoclasmo. Um outro momento parece ser importante para entender a onda iconoclasta: o biblicismo. Na Reforma se expressou a convicção de que somente a palavra havia de vencer. Para o mundo da Reforma, que tomava o cristianismo primitivo como norma e exemplo, não podia haver lugar para a imagem. Não é de se admirar que parte considerável do protestantismo tenha assumido as concepções de Karlstadt e que Calvino tenha em sua ‘Institutas’ um capítulo dedicado a todos os argumentos que podem ser usados contra as imagens. Quais as consequências desse fato? O século XVI não mais entendeu a linguagem das imagens e, por isso, as destruiu, produzindo consequências caóticas e cegueira. […] Com a retirada das imagens do interior das igrejas protestantes destruiu-se o pensamento simbólico tão constitutivo para o cristianismo. E o pensamento simbólico é pensamento religioso propriamente dito. É na linguagem simbólica que se expressa a experiência do espiritual. Quando essa forma de pensamento não-conceitual deixa de ser usada ou é ridicularizada, produz-se a destruição de uma das disposições religiosas do ser humano. Quando se destruíram as imagens, destruiu-se o elemento que deixa o que é cristão transformar-se em sentimento. A imagem provoca e confirma o pensamento simbólico, sem o qual não se pode imaginar religiosidade viva. Observando imagens religiosas aprendemos a sentir simbolicamente. A melhor forma de introduzir crianças no mundo de concepções cristãs é através de imagens. Quando aprendemos a ver a imagem apenas como ‘ídolo’, destruímos a percepção para o pensamento simbólico. […] Quando o ser humano não é mais capaz de pensar e de ver símbolos em uma tradição cristã viva, sua consciência religiosa fica esclerosada. […] No início, Lutero tinha dificuldades com as imagens e afirmava que seria melhor se não existissem. […] Mas quando Karlstadt deu início à onda iconoclasta, nela nada mais viu do que vandalismo, que estava prestes a destruir a liberdade evangélica e a reintroduzir a lei. Por isso, Lutero passou pouco depois a afirmar que imagens são memoriais e testemunhos e como tais devem ser toleradas. Além disso, chegou a afirmar que, se pudesse, mandaria pintar toda a Bíblia dentro e fora das casas. Sua postura em favor da pintura e das imagens tornou-se mais do que evidente desde a publicação dos catecismos (1529). As imagens movem a fé das crianças e dos simples. A fé cristã não se dirige, para ele, apenas aos ouvidos, mas também aos olhos das pessoas. A arte sacra deve ser meditada, e meditação não é pensamento lógico. Meditar é silenciar para que Deus possa falar. Nos últimos 500 anos, em razão do iconoclasmo, o pecado humano não tem deixado Deus falar; só fala o homem”.

    • Muito interessante a sua explanação! Mas inútil, diante da Palavra de Deus!
      Impressionante como o catolicismo se vale de estéril verborréia para justificar sua idolatria!

      • terça-feira, 20 de novembro de 2012
        Evangelista Billy Graham Afirmou muitos evangélicos idolatram poder e dinheiro

        Um dos homens mais respeitados nosEstados Unidos da América, Billy Graham aos 92 anos recentemente afirmou em sua coluna no site Chicago Tribune que evangélicos adoram a ídolos o dinheiro, o poder e as posses, em respoSta a uma pergunta feita por uma leitora ele não exitou em responder.

        O evangelista foi mais além e comparou a idolatria à preocupação contemporânea com dinheiro e bens materiais, já em sua fala Billy Graham disse: “Ambos podem facilmente tornar-se “ídolos” que seguimos servilmente e deixamos de lado as coisas mais importantes em nossas vidas.

        Em vez de servir a Deus, servimos ao dinheiro e às coisas”, ressaltou, citando em seguida o trecho do evangelho de Mateus no qual Jesus advertiu: “Ninguém pode servir a dois senhores …. Vocês não podem servir a Deus e aoDinheiro”.
        Mas isso não significa que nós (evangélicos ) não temos nossos próprios ‘ídolos’ hoje. Ou seja, temo que ainda servimos a coisas com a mesma devoção que eles tinham”. o evangelista Billy Graham terminou dizendo: “Certifique-se de seu compromisso com Jesus Cristo, e procure segui-Lo todos os dias. Não se deixe influenciar pelos falsos valores e objetivos deste mundo, mas coloque Cristo e Sua vontade em primeiro lugar em tudo que você faz”.

        Acredito que mediante a tudo que Billy falou devemos cada um de nós como parte integrante da igreja de Cristo fazer uma auto análise para ver a quem temos servido de fato a Deus ou a mamom ?!

      • Ubiratan

        a declaração de um protestante foi só para embasar o pensamento, deferentemente do que se observa por aqui, postamos outras opiniões para que os usuários do fórum possam amadurecer sobre determinados temas que ainda sofrem uma certa manipulação.

        • Ora, estes eram mais nobres do que os de Tessalônica, porque receberam a palavra com toda avidez, examinando diariamente as Escrituras para ver se estas coisas eram assim (Atos 17:11).

    • João 21,24-25 – “Este é o discípulo que testifica destas coisas e as escreveu; e sabemos que o seu testemunho é verdadeiro. Há, porém, ainda muitas outras coisas que Jesus fez; e se cada uma das quais fosse escrita, cuido que nem ainda o mundo todo poderia conter os livros que se escreveriam”.

      Meu caro, o cristianismo não parou na Bíblia, querendo ou não Ela está presa a questão temporal.

      A Igreja fundada por cristo foi uma, ou está lá nas escrituras as mais de 20.000 denominações evangélicas para os mais diversos gostos e desejos ?

      • Só vc mesmo p/ ñ entender o q João quis dizer aí…
        É claro q, se ele contasse a vida toda de Jesus ali, ele estaria escrevendo até hoje… rsrsrs! Mas nos dá a entender q o necessário foi escrito…

        • Claro que entendi, o que o Apóstolo nos explica aqui é simples: o Evangelho foi escrito para revelar, não para registrar. A Bíblia não é um documento histórico destinado a perpetuar a memória do Povo de Deus. Ocasionalmente, livros como Reis e Crônicas possuem registros cronológicos, mas nem todos os escritores da Bíblia foram inspirados para assim atuar.

          • Concordo plenamente com vc! E com isso, vcs acabam de fazer arapuca p/ vcs mesmo caírem! “o Evangelho foi escrito para revelar, não para registrar.” Olha q frase maravilhosa! Então, vc ñ acha q tudo q foi revelado nos Evangelhos JÁ Ñ É MAIS DO Q SUFICIENTE p/ vc professar a Cristandade?
            Vc acabou me ajudando meu irmão! Responda isso p/ o leandro tb…

          • “Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema”.
            Gálatas 1:8

            “Ora, estes eram mais nobres do que os de Tessalônica, porque receberam a palavra com toda avidez, examinando diariamente as Escrituras para ver se estas coisas eram assim” (Atos 17:11).

            Está certo que nem tudo se encerrou na Bíblia. Novos ensinamentos até podem ser ensinados. Desde que não estejam em contradição com o Evangelho. Devemos examinar como os bereanos antes de aceitar novas doutrinas de homens.

      • Olha Mauro a Bíblia foi feita e não há Nela nada mais nada que justifique os cultos a seres humanos(imagens) não ha falando que eles depois que morresem iriam virar onicientes onipresente e onipotente!!

        Parece que vcs não sabe do significados UM E de Todos(1Timóteo 2 e Romanos 3: 23)
        comece a ler a BíBLIA SEM PRECISAR DE TEOLOGIA, PEÇA AO ESPIRITO SANTO PRA TE DAR ENTENDIMENTO!!

  3. Antes de explorar o título da única mediação de Cristo, seria prudente definir os termo. A palavra mediador geralmente possui dois significados. Em um estrito e primário sentido, refere-se à figura que se interpõe entre duas partes opostas para reconciliá-las. Há 4 componentes para esta definição: 1- intervenção pessoal; 2- de um princípio; 3- a intenção de efetivar uma reconciliação; 4- entre duas ou mais partes alienadas.

    Em relação à nossa redenção a única pessoa que se adequa à definição estrita é Jesus Cristo. Somente Jesus se interpõe efetivamente entre as duas partes, Deus e todo o gênero humano. Somente Jesus foi capaz de alcançar a reconciliação com Deus. Como escreve São Paulo Porque há um só Deus e há um só mediador entre Deus e os homens: Jesus Cristo, homem (1Tm 2,5). Esta é a fé da maioria dos cristãos e o ensino oficial da Igreja Católica.

    Há, entretanto, um sentido menor que os cristãos sempre compreenderam sobre a idéia de mediação. É a idéia de uma mediação subordinada na qual participamos da mediação de Jesus Cristo. É uma mediação que é feita através, com e em Cristo. O mediador subordinado nunca está isolado, mas sempre dependente de Jesus. Examinemos as fundamentações bíblicas deste entendimento, com especial referência a 1Tm 2,5.

    Devem sempre se aplicar alguns princípios quando se interpreta a Bíblia. Por exemplo, a Escritura tem um único divino autor, mas vários autores humanos diferentes. Por essa razão, cada livro canônico forma apenas uma harmonia, cada parte concordando com a anterior e a sucessora. Assim, por exemplo, um ensinamento em Gênesis não pode ser contraditório a um ensinamento do Evangelho de João, ou vice-versa. Em adição, o corpo completo da verdade revelada em toda a Bíblia freqüentemente lança uma luz no entendimento de um livro ou de um texto específico. Por isso livros adiante nos explicam e aumentam nosso conhecimento sobre o livro de Gênesis, por exemplo. Em segundo lugar, para tentar se entender um texto particular, deve-se acima de tudo considerar o seu contexto. Voltemos à primeira carta de Paulo a Timótio e ver como estes princípios se aplicam.

    Se considerarmos o versículo em questão Porque há um só Deus e há um só mediador entre Deus e os homens: Jesus Cristo, homem fora do contexto, facilmente iremos interpretá-la mal. Será que “um só mediador” não significa apenas um, sem exceção? Por isso pedir a intercessão dos santos pode parecer anti-bíblico se visto por esta perspectiva. Contudo, esta interpretação não é precisa. A passagem não está isolada, mas é um versículo em um livro maior, chamado Epístola. Qual é, então, o correto sentido do que Paulo está falando? Como esta passagem se adequa ao contexto apresentado na Bíblia? Vamos considerar esta questão analisando o contexto imediato deste versículo.

    Paulo está rejeitando a idéia de mediadores subordinados a Cristo? Não, muito pelo contrário! O capítulo 2 se inicia com a seguinte exortação:

    Acima de tudo, recomendo que se façam súplicas, pedidos e intercessões, ações de graças por todos os homens, pelos reis e por todos os que estão constituídos em autoridade, para que possamos viver uma vida calma e tranqüila, com toda a piedade e honestidade

    “Súplicas, pedidos e intercessões” são atos de mediação. Paulo está explicitamente instruindo Timótio para que os cristão assumam seu papel de mediadores subordinados entre Deus e aqueles que estão listados, todos os homens, pelos reis e por todos os que estão constituídos em autoridade. O princípio teológico que Paulo usa para dar apoio à este comando é a passagem já citada no versículo 5, a mediação única, e primária, de Cristo.

    Assunto tão prático é o fato de os cristãos orarem uns pelos outros. Estabelecem grupos de orações exatamente para este propósito. Qual seria, então, a objeção de pedir aos cristão que estão no céu para orarem por nós na terra? Muitas pessoas são beneficiadas pelas orações fervorosas de muitos parentes e amigos. Uma vez no céu devemos supor que estes não mais se importam com nosso bem-estar, ou que Deus se ofenderia se nós pedíssemos que intercedessem por nós? Esta idéia certamente não encontra base em 1Tm 2,5. Indubitavelmente, a rejeição à intercessão dos santos se fundamenta no desejo de enfatizar a sublime e infinita capacidade da única mediação de Cristo. Esta louvável motivação leva, infelizmente, a um conhecimento inadequado da grandeza imensurável do poder mediador de Jesus. Em outras palavras, cai em conflito com importantes ensinos bíblicos.

    Um importante tema que cerca a maioria dos livros da Bíblia é a idéia da aliança. A aliança é o pacto da parte de Deus que faz do seu povo a sua família. Certamente, os vários exemplos bíblicos que mostram a imperfeição do homem e sua falha sucessivas vezes de cumprir a aliança em nada diminui o poder de Deus, mesmo que seja sempre Deus quem dê todo o auxílio ao seu povo. A bíblia amplamente mostra que nosso Deus quer incluir os seus fracos e pecadores filhos nos assuntos da família, a salvação das almas. Dessa forma, Paulo, seguindo seu apelo para “súplicas, pedidos e intercessões” está instruindo Timótio que esta mediação é agradável a Deus.

    Isto é bom e agradável diante de Deus, nosso Salvador, o qual deseja que todos os homens se salvem e cheguem ao conhecimento da verdade (1Tm 2,3-4)

    • Exato Mauro, mas falamos isto aqui direto e de nada ou quase nada adianta.

      Temos muitos doutores da Biblia e servos do Esp Santo com tantas versões dispares entre si que temo que o supracitado “Espirito” já sofra desvios de multipla personalidade ou seja uma metamorfose ambulante.

      Nem conseguem chegar a um minimo de consenso entre si. No veritatis se garimpar acha uma seção chamada “Obra raras do catolicismo”: um livro como “A igreja,a Reforma e a Civilização” do pe Leonel Franca, bem como acha “Legitima Interpretação da Biblia” cujo compilador foi Lucio Navarro. Uma pena, diga-se de passagem, que livrarias catolicas como a Vozes e a Paulinas não vendam mais tais obras(preferem vender O Código da Vinci).

      No livro do padre Leonel ele relata ainda no século XIX, uma tentativa das igrejas evangelicas de então em unificar seu “credo básico”. Iam começar com 12 ou 30 artigos minimos. Depois de amplas divergências baixaram pra 8 ou 10. No fim a reunião nem ocorreu, visto que nem os 3 ultimos artigos restantes eram consenso.

      • Leandro, nem mesmo entre os cristãos primitivos havia consenso. Veja a carta aos Coríntios, onde Paulo fala das divisões que estavam acontecendo naquela congregação. Na época de Paulo já haviam os cristãos judaizantes. Quando João ainda era vivo, Cristo se dirigiu às congregações, e repreendeu algumas por estarem seguindo ensinos contrários à sua doutrina. Já haviam falsos profetas, falsos apóstolos. Sempre houve divisão nas congregações. Por exemplo, na congregação de Pérgamo haviam os que seguiam a doutrina de Balaão, e uns que seguiam a doutrina dos nicolaítas, enquanto a congregação de Éfeso odiava os nicolaítas. Ora, se houvesse um papa, uma liderança central nessa época, as duas congregações estariam sob a mesma autoridade, e não teriam posturas diferentes. Esses homens foram discípulos diretos dos apóstolos, e muitos talvez até tenham conhecido Jesus. Ora, muitos eram perseguidos pelo nome de Jesus, mas isso não justificava seus ensinos contrários ao Evangelho.

        O Evangelho de Jesus é simples, ao ponto de ele se surpreender da forma como o Pai revelava suas coisas aos pequeninos. E são os sábios que se confundem. Quem complica o Evangelho são os homens, querendo entender coisas que Jesus não se interessou em explicar.

        • Sim sempre houve divisões mais ai eles obedeciam aos apóstolos e epíscopos por estes consagrados. Ainda em 90 DC, Clemente I bispo de Roma interveio em Corinto e foi obedecido.

          Ainda em 200 DC, o papa Zeferino I enviou instruções precisas aos bispos da África mostrando como cuidar do patrimônio da igreja em favor dos fieis.

          • Mateus 19:21 – Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me.
            JÁ FIZESTES ISTO? ESTÁ NA BÍBILIA…

    • O porem é que vcs rodam rodam pra tentar explicar contrario a B´blia!!

      oq a palavra 1(UM) SIGNIFICA PRA VCS?

      há UM só homem que nos pode mediar entre Deus e os homens: JESUS CRISTO HOMEM!

      • Interessante!
        Dayana simples como uma criança, com apenas dois caracteres: ‘U e M’; desmonta todo amontoado de palavras! Parabéns Dayana pela singeleza de seu profundo conhecimento!

    • Sinceramente, essa é uma da PIORES explicações q já vi de um católico… Comparar a oração q nós fazemos uns pelos outros com ORAÇÃO A UM SANTO MORTO, PARA ELE INTERCEDER POR NÓS JUNTO A CRISTO, por favor… Eduardo Nobre está sendo muito “nobre” com essa galera católica…
      O mal dos católicos é fazer teorias sem, ao menos, consultar a Bíblia direito…

      • E o seu mal é ficar neste discurso de que tudo que vcs tiram da Biblia é santo e correto(embora nem cheguem a um consenso entre si mesmos) e ficar repetidamente desqualificando os demais que não concordam com o que vc diz.

        Ser nobre e educado com que esta se portando da mesma maneira é uma obrigação de cidadania e de criação moral. E isto vale em dobro pra qualquer um que se considere cristão.

        • Leandro, sendo você tão entendedor do catolicismo, pode responder às minhas questões por favor? Pode ser o ponto de vista do catolicismo mesmo, só gostaria de saber qual o raciocínio de vocês em relação às questões que apresentei. Agradeço desde já.

          • Mateus 19:21 – Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me.
            JÁ FIZESTE ISTO? ESTÁ NA BÍBLIA…

          • Eis o texto de Alessandro Lima:
            A Doutrina

            Sobre a doutrina da intercessão dos santos, o Catecismo da Igreja Católica ensina:

            “Pelo fato que os do céu estão mais intimamente unidos com Cristo, consolidam mais firmemente a toda a Igreja na santidade… Não deixam de interceder por nós ante o Pai. Apresentam por meio do único Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, os méritos que adquiriram na terra… Sua solicitude fraterna ajuda, pois, muito a nossa debilidade.” (CIC 956)

            Por tanto para a Igreja Católica, os santos intercedem por nós junto ao Pai, não pelos seus méritos, mas pelos méritos de Cristo Nosso Senhor, o único Mediador entre Deus e os homens.

            Objeções

            Os adeptos do fundamentalismo bíblico normalmente apresentam uma série de objeções à doutrina da intercessão dos santos. Neste artigo iremos confrontar as principais:

            1a. objeção: Cristo é o único mediador entre Deus e os homens.

            Esta é a principal objeção à doutrina da intercessão dos Santos. Os adeptos desta objeção fundamentam sua posição em 1 Tim 2,5 onde lemos: “Pois há um só Deus, e um só mediador entre Deus e os homens, um homem, Cristo Jesus”. Para eles, a Sagrada Escritura não deixa dúvidas de que só Jesus pode interceder pelos homens junto a Deus.

            Se isto é verdade, por que São Paulo ensinaria que nós cristãos devemos dirigir orações a Deus em favor de outras pessoas? Vejam 1Tim 2,1: “Acima de tudo, recomendo que se façam súplicas, pedidos e intercessões, ações de graças por todos os homens, pelos reis e por todos os que estão constituídos em autoridade, para que possamos viver uma vida calma e tranqüila, com toda a piedade e honestidade.”

            No exposto acima não está São Paulo nos pedindo para que sejamos intercessores (mediadores) junto a Deus por todas as pessoas da terra? Estaria então o Santo apóstolo se contradizendo? É claro que não. A questão é que a natureza da mediação tratada no versículo 1 é diferente da do versículo 5.

            A mediação tratada em 1Tm 2,5 refere-se à Nova e Eterna Aliança. No AT a mediação entre Deus e os homens se dava através da prática da Lei. No NT, é Cristo que nos reconcilia com Deus, através de seu sacrifício na cruz. É neste sentido que Ele é nosso único mediador, pois foi somente através Dele que recuperamos para sempre a amizade com Deus, como bem foi exposto por São Paulo: “Assim como pela desobediência de um só homem foram todos constituídos pecadores, assim pela obediência de um só todos se tornarão justos.”(Rom 5,19)

            Por tanto, a exclusividade da medição de Cristo refere-se à justificação dos homens. A mediação da intercessão dos santos é de outra natureza, referindo-se à providência de Deus em favor do nosso semelhante. Desta forma, o texto de 1Tm 2,5 dentro de seu contexto não oferece qualquer obstáculo à doutrina da intercessão dos santos.

            2a. objeção: os santos não podem interceder por que após a morte não há consciência

            Os defensores desta objeção usam como fundamento as palavras do Eclesiastes: “Com efeito, os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem mais nada; para eles não há mais recompensa, porque sua lembrança está esquecida” (Ecl. 9,5) e ainda “Tudo que tua mão encontra para fazer, faze-o com todas as tuas faculdades, pois que na região dos mortos, para onde vais, não há mais trabalho, nem ciência, nem inteligência, nem sabedoria” (Ecl. 9,10).

            Já que a Bíblia é um conjunto coeso de livros, não podemos aceitar a doutrina da ?dormição? ou ?inconsciência? dos mortos simplesmente pelo fato de que há versículos claros na Sagrada Escritura que mostram que os mortos não estão nem “dormindo” e nem “inconscientes” (cf. Is 14, 9-10; 1Pd 3,19; Mt 17,3; Ap 5,8; Ap 7,10; Ap 6,10); o que faria alguém pensar que há contradições na Bíblia.

            A questão é que os versículos citados do Eclesiastes não fazem referência a um estado mental dos mortos, mas sim ao infortúnio espiritual em que se encontram por causa do lugar onde estão. Os mortos os quais os textos se referem são aqueles que morreram na inimizade de Deus, e não a qualquer pessoa que morreu. Vejamos os versículos abaixo:

            “Ignora ele que ali há sombras e que os convidados [da senhora Loucura] jazem nas profundezas da região dos mortos” (Prov 9,18)

            “O sábio escala o caminho da vida, para evitar a descida à morada dos mortos” (Prov 15,24)

            Os versículos acima mostram que a região dos mortos é um lugar de desgraça, onde são encaminhados os inimigos de Deus. Isto é ainda mais evidente em Prov 15,24. O sábio é aquele que guarda a ciência de Deus, este quando morrer não vai para a “morada dos mortos?. As expressões ?morada dos mortos? ou ?região dos mortos? fazem alusão a um lugar de desgraça, onde os inimigos de Deus estão privados da Sua Graça.

            Voltando aos versículos do Eclesiastes, o escritor sagrado ao escrever que para os mortos ?não há mais recompensa?, ?não há mais trabalho, nem ciência, nem inteligência, nem sabedoria?, refere-se unicamente ao infortúnio que existe ?na região dos mortos, para onde? eles vão. Eles quem? Os que estão mortos para Deus.

            Por tanto, dentro de seu contexto, os versículos do Eclesiastes também não oferecem qualquer imposição à doutrina da intercessão dos santos.

            3a. objeção: os santos não podem ouvir as orações dos que estão na terra porque não são oniscientes e nem onipresentes

            São Paulo nos ensina que a Igreja é o corpo de Cristo . Desta forma, os que estão unidos a Cristo através de seu ingresso na Igreja, são membros do Seu corpo. Isso quer dizer que tantos nós que estamos na terra, quanto os que já morreram na amizade do Senhor, todos somos membros do Corpo Místico de Cristo, onde Ele é a cabeça. Vejam:

            Ø São Paulo ensina que a Igreja é corpo de Cristo: “Agora me alegro nos sofrimentos suportados por vós. O que falta às tribulações de Cristo, completo na minha carne, por seu corpo que é a Igreja” (Col 1,24)

            Ø São Paulo ensina que somos membros do corpo de Cristo e por isto os cristãos estamos ligados uns aos outros: “assim nós, embora sejamos muitos, formamos um só corpo em Cristo, e cada um de nós é membro um do outro” (Rom 12,5)

            Ø São Paulo ensina que Cristo é a cabeça do seu corpo que é a Igreja: “Ele é a Cabeça do corpo, da Igreja” (Col 1,18)

            Isso quer dizer que nós e os santos (que estão na presença de Deus) estamos ligados, pois somos membros de um mesmo corpo, o corpo de Cristo, que é a Igreja.

            Assim como minha mão direita não pode se comunicar com a esquerda sem que esse comando tenha sido coordenado pela minha cabeça (caso contrário seria um movimento involuntário), da mesma forma, no Corpo de Cristo os membros não podem se comunicar sem que essa comunicação aconteça através da cabeça que é Cristo. Desta forma, quando nós pedimos para que os santos intercedam por nós junto a Deus (comunicação de um membro com o outro no corpo de Cristo), isso acontece através de Cristo. Assim como a nossa cabeça pode coordenar movimentos simultâneos entre os vários membros de nosso corpo, Cristo que é a cabeça da Igreja e é onisciente e onipresente possibilita a comunicação entre os membros do Seu corpo.

            Por tanto, a falta de onipresença e onisciência dos santos não apresenta qualquer impedimento para que eles conheçam ou recebam nossos pedidos e então possam interceder por nós junto a Deus.

            4a. objeção: nós não podemos dirigir nossa orações aos santos pois isto caracteriza evocação dos mortos que é severamente proibida na Bíblia.

            Esta objeção baseia-se principalmente nos versículos abaixo:

            “Não se ache no meio de ti quem pratique a adivinhação, o sortilégio, a magia, o espiritismo, a evocação dos mortos: porque todo homem que fizer tais coisas constitui uma abominação para o Senhor” (Dt 18, 9-14) (grifos nossos).

            “Se uma pessoa recorrer aos espíritos, adivinhos, para andar atrás deles, voltarei minha face contra essa pessoa e a exterminarei do meio do meu povo. (…) Qualquer mulher ou homem que evocar espíritos, será punido de morte” (Lev 20, 6 – 27). (grifos nossos).

            Conforme vimos, Deus abomina a evocação dos mortos. No entanto, há uma diferença tremenda entre evocar os mortos e dirigir nossos pedidos de orações aos santos.

            A evocação dos mortos é caracterizada pelo pedido de que o espírito do defunto se apresente e então se comunique com os vivos como se ainda estivesse na terra. Esta prática é condenada por Deus, pois em vez de confiarmos na Providência Divina quanto ao futuro e às coisas que necessitamos, deseja-se confiar nas instruções dos espíritos. Conforme a Sagrada Escritura dá testemunho em I Samuel 28.

            Na intercessão dos santos, não estamos pedindo que o santo se apresente para ?bater um papo? a fim obter qualquer tipo de informação, mas sim, dirigimos a eles nossos pedidos de oração, como se estivéssemos enviando uma carta solicitando algo (o que é bem diferente de evocar mortos). Na intercessão dos santos continuamos confiando na Providência Divina, pois os santos são apenas mediadores, logo, quem atende aos nossos pedidos é Deus.

            Desta forma, as proibições divinas quanto à prática de espiritismo não se aplicam à doutrina da intercessão dos santos.

            5a. objeção: não há sequer uma única referência bíblica em relação à intercessão dos santos

            Há diversos versículos bíblicos que mostram que os santos oram na presença de Deus. Vejamos:

            “Quando abriu o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos homens imolados por causa da palavra de Deus e por causa do testemunho de que eram depositários. E clamavam em alta voz, dizendo: Até quando tu, que és o Senhor, o Santo, o Verdadeiro, ficarás sem fazer justiça e sem vingar o nosso sangue contra os habitantes da terra? Foi então dada a cada um deles uma veste branca, e foi-lhes dito que aguardassem ainda um pouco, até que se completasse o número dos companheiros de serviço e irmãos que estavam com eles para ser mortos” (Ap 6,9-11).

            No trecho acima, os santos estão clamando a Deus por Justiça. Alguém poderia dizer: ?mas eles estão intercedendo por eles mesmos e não pelos que ficaram na terra?. Ora, e o que impede que o façam pelos que estão na terra? São Paulo mesmo não recomenda que oremos pelos outros? (cf. 1Tm 2,1). Por alguma razão estariam os santos incapazes de continuarem orando pelos que estão na terra? Ora, alguém que esteja no seu juízo perfeito, há de convir que, o fato dos santos estarem na presença de Deus, não é motivo impeditivo para que intercedam pelos outros, muito pelo contrário, não há melhor lugar e momento para fazê-lo. Veja ainda:

            “Os quatro viventes e os vinte e quatro anciões se prostraram diante do Cordeiro. Tinha cada um uma cítara e taças de ouro cheias de perfumes, que são as orações dos santos” (Ap 5,8). “A fumaça dos perfumes subiu da mão do anjo com as orações dos santos, diante de Deus.? (Ap 8,4).

            Nos versículos acima os santos oram para Deus. Por que estariam orando, já que estão salvos e gozando da presença do Senhor? Oram em nosso favor, para que os que estão na terra também possam um dia estar com eles na presença do Senhor.

            No livro do profeta Jeremias lemos:

            “Disse-me, então, o Senhor: Mesmo que Moisés e Samuel se apresentassem diante de mim, meu coração não se voltaria para esse povo. Expulsai-o para longe de minha presença! Que se afaste de mim!? (Jr 15,1).

            No tempo do profeta, ambos Moisés e Samuel estavam mortos. Que sentido teria este versículo caso não fosse possível que os dois intercedessem por Israel?

            O Testemunho dos primeiros cristãos

            Vejamos agora o que professava os cristãos no tempo em que não havia divisão na Cristandade, em relação à doutrina da intercessão dos santos:

            “O Pontífice [o Papa] não é o único a se unir aos orantes. Os anjos e as almas dos juntos também se unem a eles na oração” (Orígenes, 185-254 d.C. Da Oração).

            “Se um de nós partir primeiro deste mundo, não cessem as nossa orações pelos irmãos” (Cipriano de Cartago, 200-258 d.C. Epístola 57)

            “Aos que fizeram tudo o que tiveram ao seu alcance para permanecer fiéis, não lhes faltará, nem a guarda dos anjos nem a proteção dos santos”. (Santo Hilário de Poitiers, 310-367 d.C).

            “Comemoramos os que adormeceram no Senhor antes de nós: patriarcas, profetas, Apóstolos e mártires, para que Deus, por suas intercessões e orações, se digne receber as nossas.” (São Cirilo de Jerusalém, 315-386 d.C. Catequeses Mistagógicas).

            “Em seguida (na Oração Eucarística), mencionamos os que já partiram: primeiro os patricarcas, profetas, apóstolos e mártires, para que Deus, em virtude de suas preces e intercessões, receba nossa oração” (São Cirilo de Jerusalém, 315-386 d.C. Catequeses Mistagógicas).

            “Se os Apóstolos e mártires, enquanto estavam em sua carne mortal, e ainda necessitados de cuidar de si, ainda podiam orar pelos outros, muito mais agora que já receberam a coroa de suas vitórias e triunfos. Moisés, um só homem, alcançou de Deus o perdão para 600 mil homens armados; e Estevão, para seus perseguidores. Serão menos poderosos agora que reinam com Cristo? São Paulo diz que com suas orações salvara a vida de 276 homens, que seguiam com ele no navio [naufrágio na ilha de Malta]. E depois de sua morte, cessará sua boca e não pronunciará uma só palavra em favor daqueles que no mundo, por seu intermédio, creram no Evangelho?” (São Jerônimo, 340-420 d.C, Adv. Vigil. 6).

            “Portanto, como bem sabem os fiéis, a disciplina eclesiástica prescreve que, quando se mencionam os mártires nesse lugar durante a celebração eucarística, não se reza por eles, mas pelos outros defuntos que também aí se comemoram. Não é conveniente orar por um mátir, pois somos nós que devemos encomendar suas orações” (Santo Agostinho, 391-430 d.C. Sermão 159,1)

            “Não deixemos parecer para nós pouca coisa; que sejamos membros do mesmo corpo que elas (Santa Perpétua e Santa Felicidade) (…) Nós nos maravilhamos com elas, elas sentem compaixão de nós. Nós nos alegramos por elas, elas oram por nós (…) Contudo, nós todos servimos um só Senhor, seguimos um só Mestre, atendemos um só Rei. Estamos unidos a uma Cabeça; nos dirigimos a uma Jerusalém; seguimos após um amor, envolvendo uma unidade” (Santo Agostinho, 391-430 d.C. Sermão 280,6)

            “Por vezes, é a intercessão dos santos que alcança o perdão das nossas faltas [1Jo 5,16; Tg 5,14-15] ou ainda a misericórdia e a fé” (São João Cassiano. 360-435 d.C. conferência 20).

            Conclusão

            Como pudemos ver, a doutrina da intercessão do santos, não é invenção do catolicismo (como pensam alguns), mas sim, uma legítima doutrina cristã, embasa tanto nas Sagradas Escrituras, quanto na Tradição Apostólica. Os primeiros cristãos jamais tiverem dúvidas quanto a ela (note que este tema jamais foi centro de disputas conciliares). Esta doutrina confirma o Amor de Deus para conosco e Seu plano de que sejamos uns para outros instrumentos deste Amor.

        • O meu mal é achar q tudo da Bíblia é santo e correto???? E p/ vcs católicos, ñ é ñ? kkkkkk! Q cristianismo é esse? Era p/ ser p/ vcs tb, ñ acha? P/ q vcs leem a Bíblia então? Pare de inventar teorias p/ interpretação dela, e leia-a simplesmente. Vc verá q ñ falamos nada de errado… mas, se eu falei, prove!
          Ser duro e incisivo com o q acreditamos ñ é falta de educação e nobreza. Até o momento ñ surgiu nenhuma falta de classe aki…

          • Iraumundo
            Vc nos acusa de manipular a biblia como vc tenta manipular minha fala. Olha o falso testemunho. Eu disse TUDO QUE VCS TIRAM DA BIBLIA( OU SEJA O MODO COMO INTERPRETAM O QUE LÊEM), claro que a Biblia é santa e correta. E alias, tendo seu canon escolhido pela ICAR nem poderia ser diferente.

          • Continuo com a mesma pergunta: Me prove onde nós estamos errados? E quem falou q a ICAR q fez escolheu o Cânon? Ela preservou os escritos, mas o livros do VT já tinham sido reunidos a tempos, e o do NT, como os evangelhos, já eram usados por muitos nos primeiros séculos. A ICAR só teve o cuidado de reuní-los…

          • Ja respondi isto para o Wagner, na coluna “Sobre o Papa e a Ig Catolica”.
            Se toda verdade está na Bilbia me mostre nela, em quais dos livros dela, esta o canon explicitado. Vc ou vai fugir da pergunta, ou me cita fonte EXTRABIBLICA.
            ou seja va ter que desmoralizar sua crença sola Biblia.

          • Leandro:
            Meu filho, mas é obvio q ñ têm o Cânon Bíblico explícito na Bíblia. Isso é muito claro, apesar de lermos em diversas partes sobre a leitura do Pentateuco e os Profetas, qdo falamos sobre o Velho Testamento. Agora o novo, Cristo nos trouxe a nova aliança através do seu EVANGELHO, e sobre este q nós devemos nos pautar. Mas tb é obvio q o Evangelho (os 4 Livros) ñ estava pronto na época dos Atos dos Apóstolos, consequentemente eles viviam o evangelho segundo o testemunho dos Apóstolos. Agora eu te pergunto:
            – se existisse algo importante sobre a liturgia q eles seguiam, sobre o q Jesus pregou, eles colocariam nos escritos sagrados do NT? A minha resposta: MAS É CLARO Q SIM!
            Outra pergunta:
            – Há outra coisa q podemos seguir, além do Santo Evangelho de Cristo? A minha resposta: MAS É CLARO Q NÃO, VEJA OS VERSÍCULOS Rm 1.16, Rm 10. 13-17, 1 Co 4. 15, 2 Co 4. 3-4, 2 Co 11. 4, Gl 1.8 e etc, etc, etc… O Evangelho É MAIS DO Q SUFICIENTE para nos guiarmos e pautarmos nossa vida cristã.
            Vc sabe q os evangelhos foram escritos APÓS AS CARTAS PAULINAS, então a última pergunta: Se o evangelho era tão importante assim, como foi pregado por Paulo e tantos outros, PQ DEIXARIAM DE COLOCAR A ADORAÇÃO A SANTOS, PURGATÓRIO, SUPREMACIA DO PAPA E A VIRGINDADE DA MARIA no Evangelho, nas cartas Paulinas ou seja lá onde dentro dos livros do NT?????????????????? Claro, pq, além de ser totalmente herético, ñ falavam sobre isso na época da igreja PRIMITIVA, logo, Jesus NUNCA FALOU sobre isso, então seria IMPOSSÍVEL ABORDAR sobre esses assuntos nas SANTAS ESCRITURAS!
            .
            .
            Sobre meu penúltimo post, desculpas, realmente te interpretei errado…

          • Iramundo

            Te perguntei sobre o canon explicito, pois isto é verdade de FÉ PARA OS PROTESTANTES. VCS DIZEM TODA A VERDADE ESTA SOMENTE NA BIBLIA. ELA CONTEM TODO O DEPÓSITO DA FÉ.

            Pois bem, se isto é uma verdade é necessário que tenha o canon explicitado.
            E este é o nó górdio do sola scriptura.
            Todo protestante crê (é um ponto de sua fé) que todos os livros que compõem a sua Bíblia (Gênesis, Êxodo… Apocalipse) são inspirados por Deus. Crê, igualmente, que todos os outros livros produzidos pela humanidade não o são.
            O Cânon biblíco é, portanto, e indiscutivelmente, um ponto de fé dos protestantes. Ponto este, diga-se de passagem, de suma importância, pois, dele, dependem todos os demais.
            E, no entanto, não há qualquer respaldo bíblico para o Cânon protestante (e, de resto, para qualquer outro Cânon). Não há sequer um versículo bíblico que, explícita ou implicitamente, afirme algo do tipo: “São considerados como livros inspirados: ‘Gênesis, Êxodo … Apocalipse'”.
            A definição dos livros bíblicos requer, inexoravelmente, uma autoridade extra-bíblica. E tal necessidade inexorável desmonta, por completo, a sola scriptura. Afinal, por que cargas d’água a Tradição seria idônea apenas para a definição do ponto de fé primordial de todo o cristianismo, não o sendo para definir qualquer outro menos importante? Por que razão a Tradição se corrompeu com relação a tudo mais, mas manteve-se imaculada apenas no tocante ao cânon bíblico? Por que motivo, por exemplo, a mesma não é confiável quando afirma (baseada, indiretamente, em alguns trechos bíblicos) que Maria foi assunta aos céus, mas é confiável ao proclamar que o Apocalipse é livro inspirado pelo Espírito Santo (sem possuir,sustentando tal afirmação, sequer uma única base bíblica indireta?
            Se a Tradição é confiável para a definição do cânon bíblico (e todos os protestantes com quem tenho debatido afirmam que ela o é), então, existe uma autoridade extra-bíblica e o sola scriptura não passa de uma demoníaca esparrela.
            Somente o cego não vê.
            Que os cegos sejam em número inferior ao dos que gostam de serem enganados…

          • leandro
            Demoníaca é a sua idolatração a Maria e aos Santos q nada veem e nada falam… Depois vc quer falar q eu sou intolerante com católicos. Mas deixa pra lá, q estou vendo q isso tá indo p/ o pessoal… Vamos ao q interessa:
            Eu vou tentar explicar frase por frase, p/ ñ entrarmos em tantos devaneios aki. Vale ressaltar q eu ñ sou nada, vou explicar conforme o meu entendimento:
            “Te perguntei sobre o canon explicito, pois isto é verdade de FÉ PARA OS PROTESTANTES. VCS DIZEM TODA A VERDADE ESTA SOMENTE NA BIBLIA. ELA CONTEM TODO O DEPÓSITO DA FÉ.”
            – Eu já falei. Ñ tem, realmente, o Cânon explicadinho, timtim por timtim na Bíblia. Mas isso é obvio. Nossa fé ñ está no Cânon explícito, mas sim no q ele diz, seu conteúdo. Tudo q está na Bíblia É MAIS DO Q NECESSÁRIO P/ UM CRISTÃO! Responda as minhas perguntas do post anterior, q será o suficiente p/ essa sua frase…
            “Pois bem, se isto é uma verdade é necessário que tenha o canon explicitado.”
            – Pq? O q contém dentro da mesma já é o suficiente! P/ q eu quero mais? O q vier, será apenas confirmação de tudo q já está lá dentro. Os diversos concílios, os apóstolos, os profetas, escritores ñ seriam IDIOTAS o suficiente p/ deixar uma coisa de suma importância fora do Livro de fé da Cristandade… Por favor, responda as perguntas feitas anteriormente… Me mostre EXPLICITADO tudo o q vc crê!
            “Todo protestante crê (é um ponto de sua fé) que todos os livros que compõem a sua Bíblia (Gênesis, Êxodo… Apocalipse) são inspirados por Deus. Crê, igualmente, que todos os outros livros produzidos pela humanidade não o são.”
            – Opa, opa, opa! Cremos sim, q todos os livros bíblicos são inspirados por Deus, mas tb damos créditos a outros autores, MAS PORÉM: Tem ser de acordo com as Sagradas Escrituras, veja em Gl 1.8, 1 Co 15. 1-4.
            “E, no entanto, não há qualquer respaldo bíblico para o Cânon protestante (e, de resto, para qualquer outro Cânon). Não há sequer um versículo bíblico que, explícita ou implicitamente, afirme algo do tipo: “São considerados como livros inspirados: ‘Gênesis, Êxodo … Apocalipse’”.”
            – Já foi explicado acima.
            “A definição dos livros bíblicos requer, inexoravelmente, uma autoridade extra-bíblica. E tal necessidade inexorável desmonta, por completo, a sola scriptura. Afinal, por que cargas d’água a Tradição seria idônea apenas para a definição do ponto de fé primordial de todo o cristianismo, não o sendo para definir qualquer outro menos importante? Por que razão a Tradição se corrompeu com relação a tudo mais, mas manteve-se imaculada apenas no tocante ao cânon bíblico? Por que motivo, por exemplo, a mesma não é confiável quando afirma (baseada, indiretamente, em alguns trechos bíblicos) que Maria foi assunta aos céus, mas é confiável ao proclamar que o Apocalipse é livro inspirado pelo Espírito Santo (sem possuir,sustentando tal afirmação, sequer uma única base bíblica indireta?”
            – Precisa de autoridade extrabíblica? O Pentateuco já tinha sido formado a anos, os Profetas tb. Sobre o conteúdo do VT ñ há o q se discutir sobre a autoridade: Os próprios heróis da fé transcreveram e transmitiram de geração em geração! A Septuaginta ou a Bíblia Hebraica só reuniram os escritos. O evangelho era pregado com o testemunho dos apóstolos, as Igrejas da época usavam as epístolas Paulinas. Nenhuma autoridade precisou afirmar: Esse é um livro Bíblico! Como disse, historia ñ é o meu forte, ñ me questione pq não tem um e tem outro, mas uma coisita já basta p/ mim e qq outro protestante: O CONTEÚDO Q TEM NA BÍBLIA É MAIS DO QUE SUFICIENTE P/ AGARRAMOS NOSSA FÉ! E sobre tradição, é isso q tb me pergunto: pq? mas Jesus mesmo nos alertou sobre a “tradição” seguida sem propósito algum, no capítulo 15 de Mt. O EVANGELHO É MAIOR Q QQ TRADIÇÃO!

      • terça-feira, 20 de novembro de 2012
        Evangelista Billy Graham Afirmou muitos evangélicos idolatram poder e dinheiro

        Um dos homens mais respeitados nosEstados Unidos da América, Billy Graham aos 92 anos recentemente afirmou em sua coluna no site Chicago Tribune que evangélicos adoram a ídolos o dinheiro, o poder e as posses, em respoSta a uma pergunta feita por uma leitora ele não exitou em responder.

        O evangelista foi mais além e comparou a idolatria à preocupação contemporânea com dinheiro e bens materiais, já em sua fala Billy Graham disse: “Ambos podem facilmente tornar-se “ídolos” que seguimos servilmente e deixamos de lado as coisas mais importantes em nossas vidas.

        Em vez de servir a Deus, servimos ao dinheiro e às coisas”, ressaltou, citando em seguida o trecho do evangelho de Mateus no qual Jesus advertiu: “Ninguém pode servir a dois senhores …. Vocês não podem servir a Deus e aoDinheiro”.
        Mas isso não significa que nós (evangélicos ) não temos nossos próprios ‘ídolos’ hoje. Ou seja, temo que ainda servimos a coisas com a mesma devoção que eles tinham”. o evangelista Billy Graham terminou dizendo: “Certifique-se de seu compromisso com Jesus Cristo, e procure segui-Lo todos os dias. Não se deixe influenciar pelos falsos valores e objetivos deste mundo, mas coloque Cristo e Sua vontade em primeiro lugar em tudo que você faz”.

        Acredito que mediante a tudo que Billy falou devemos cada um de nós como parte integrante da igreja de Cristo fazer uma auto análise para ver a quem temos servido de fato a Deus ou a mamom ?!

  4. OS evangélico não tem que ter estas imundícias em casa para não dar mal exemplo, como fica uma pessoa católica chegar na casa de um crente e encontrar estas merdas em sua casa, ora qual e qui e quem gosta destas coisas são os católicos, então nem pensar em imaginar ter algo assim em casa, elas não prestam para nada não esta nelas fazer o bem nem tampouco fazer o mal

  5. Mauro, sua explicação é a melhor que já vi até agora. Está de parabéns. Concordo plenamente com a questão de orarmos uns pelos outros. Só tenho algumas dúvidas, e gostaria que esclarecesse, se pudesse. Claro que não pretendo me converter ao catolicismo, como não me converteria a nenhuma religião. Mas estou pelo menos inclinado a entender a questão da oração que os católicos fazem para os santos, com apenas algumas dúvidas que você não esclareceu.

    Paulo pede a Timóteo para orar e interceder, certo. Você pode pedir para os irmãos da congregação orarem e intercederem por você e pelos reis, e por quem mais você quiser. Certo, você pede, eles ouvem, e te atendem. Em relação a isso, nenhuma dúvida. Mas e os santos, podem ouvir milhões de pessoas orando a eles por intercessão?

    Você concorda comigo que até os seres espirituais tem algumas limitações? Veja o caso de Jesus expulsando uma legião de demônios para os porcos. Eles estavam confinados a um local específico. Veja em Daniel, o relato do deslocamento de um anjo até Daniel, que em certo momento foi impedido pelo “Príncipe da Pérsia”, provavelmente uma entidade espiritual oposta a Deus, mas de grande poder, pois atrasou em muitos dias a chegada do anjo até onde estava Daniel, de modo que o anjo precisou da invervenção de Miguel para continuar sua jornada. Sendo assim, você concorda que os santos no Céu, também teriam suas limitações?

    Pois bem. Concordo que os santos podem até interceder por nós. Na verdade, não podemos supor muitas coisas sobre o plano espiritual, pois não sendo observável por nossos sentidos, esse plano foge ao nosso raciocínio e a nossa lógica, de modo que Deus precisa simbolizar as coisas que lá ocorrem com elementos que conhecemos, como tronos, carruagens, asas etc.. Tal como para explicar a um cego de nascença como é a aparência do céu, você vai precisar utilizar de comparações com os sentidos que ele tem, mas ele jamais vai conseguir imaginar como é a aparência do Céu.

    Assim, ninguém pode afirmar que os santos, no Céu, podem ouvir a oração de milhões de pessoas na Terra. Dizer isso, significa dizer que eles tem onisciência, ou no mínimo que podem estar em vários lugares ao mesmo tempo, ouvindo várias pessoas ao mesmo tempo. Que podem sondar as mentes e os corações. Isso pode acontecer? Quem pode dizer que não? A minha pergunta é: você acha que eles podem ouvir milhões de orações ao mesmo tempo? Se sim, tem alguma base bíblica para isso? Os santos podem, assim como Deus, sondar os corações dos homens e ver suas intenções quando pedem algo? De milhões de pessoas?

    A minha segunda pergunta é. Não havendo nenhum ser humano capacitado a definir se existe ou não limitação dos santos de estarem em vários lugares ao mesmo tempo, e nem havendo respaldo bíblico de que eles podem fazer isso, o mais sensato não seria orar somente como Jesus nos mostrou (observando como ele orava e se relacionava com Deus), e como ele nos ensinou? Visto que ele veio do Plano Espiritual, acho que ele está mais capacitado a nos ensinar como orar não?

    A Paz

    • eficácia da mediação subordinada dos cristãos descansa solenemente na mediação única de Cristo:

      Eu sou a videira; vós, os ramos. Quem permanecer em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. Se alguém não permanecer em mim será lançado fora, como o ramo. Ele secará e hão de ajuntá-lo e lançá-lo ao fogo, e queimar-se-á. Se permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis tudo o que quiserdes e vos será feito (Jo 15,5-7)

      Os cristãos são criados em grande solidariedade uns com os outros por causa desta união com Cristo (cf. Cl 1,18; Gl 3,28; Rm 7,4; 12, 4-8; 1Cor 6,15; 10,16; 12,12.27; Ef 4,11-12.16; 5,23; Hb 10,10). É esta relação que garante a potência que torna nossa intercessão uns pelos os outros eficaz, estejamos na terra ou no céu.

      Bom Eduardo, vou postar está resposta aqui que pertence a um artigo de Alessandro Lima( ex -protestante), alem do que vc questiona vou dar algumas respostas a POSSIVEIS DUVIDAS ADICIONAIS, que vc possa apontar. Depois disto vou pedir ;

      1) não poste outras, pois já viu que tirando sua postura respeitosa e civilizada, já temos uns aqui que querem degenar esta conversa pra insultos e falso testemunho. Como tambem recomendo que entre para maiores informações nos sites: central de obra do cristianismo primitivo, no google catolico(ai tem que digitar a palavra ou pergunta do que pretende saber), ou no veritatis que é do Alessandro Lima.

      Eu sempre fui catolico, mas teve um perido de minha vida que busquei coletar todas as objeções de ateus, Testemunhas de Jeova, protestantes e o que quer fosse. Não vou negar, cheguei perto de me tornar agnóstico ou deista. No entanto, certos livros, como os que citei acima, bons catequistas e sites como os que assinalei me ajudaram a chegar a uam conclusão favoravel a doutrina cristã catolica.

      Não desprezo a lógica das teologia mais antiga do Protestantismo( apesar de minha reserva quanto a moral e atos de Lutero e Calvino, é inegavel que eram teologos capazes). Mas se comparado a tudo que vi e li é notorio é uma visão “cristã” datada do sec XVI.

      Dificilmente um cristão dos 4 primeiros seculos, devidamente versado nos ensinos apostolicos, reconheceria como Igreja de Cristo o que a Reforma propôs. NÃO QUERO FICAR AQUI POLEMIZANDO COM NINGUEM MAS FOI UMA SIMPLES COMPARAÇÃO QUE FIZ DE ENSINOS E VERDADES DE FÉ.

      Talvez se um dia ler e comparar tambem pode ser que tire conclusão semelhante as minhas. Tem até uma outra coisa que precebi ao longo dos meus estudos, mas não posso contar, não devo estragar a “surpresa”. E se um dia seguir o caminho que segui, tente se esvaziar ao maximo de seus conceitos sobre o que era ou deveria ser ensino biblico. Como disse Francis Bacon: “Aquele que começa com certezas terminará em dúvidas, e aquele que começa com duvidas chegará as certezas”.

      Mas eis o texto:

  6. Sua explicação é a melhor que já vi até agora. Está de parabéns. Concordo plenamente com a questão de orarmos uns pelos outros. Só tenho algumas dúvidas, e gostaria que esclarecesse, se pudesse. Claro que não pretendo me converter ao catolicismo, como não me converteria a nenhuma religião. Mas estou pelo menos inclinado a entender a questão da oração que os católicos fazem para os santos, com apenas algumas dúvidas que você não esclareceu.

    Paulo pede a Timóteo para orar e interceder, certo. Você pode pedir para os irmãos da congregação orarem e intercederem por você e pelos reis, e por quem mais você quiser. Certo, você pede, eles ouvem, e te atendem. Em relação a isso, nenhuma dúvida. Mas e os santos, podem ouvir milhões de pessoas orando a eles por intercessão?

    Você concorda comigo que até os seres espirituais tem algumas limitações? Veja o caso de Jesus expulsando uma legião de demônios para os porcos. Eles estavam confinados a um local específico. Veja em Daniel, o relato do deslocamento de um anjo até Daniel, que em certo momento foi impedido pelo “Príncipe da Pérsia”, provavelmente uma entidade espiritual oposta a Deus, mas de grande poder, pois atrasou em muitos dias a chegada do anjo até onde estava Daniel, de modo que o anjo precisou da invervenção de Miguel para continuar sua jornada. Sendo assim, você concorda que os santos no Céu, também teriam suas limitações?

    Pois bem. Concordo que os santos podem até interceder por nós. Na verdade, não podemos supor muitas coisas sobre o plano espiritual, pois não sendo observável por nossos sentidos, esse plano foge ao nosso raciocínio e a nossa lógica, de modo que Deus precisa simbolizar as coisas que lá ocorrem com elementos que conhecemos, como tronos, carruagens, asas etc.. Tal como para explicar a um cego de nascença como é a aparência do céu, você vai precisar utilizar de comparações com os sentidos que ele tem, mas ele jamais vai conseguir imaginar como é a aparência do Céu.

    Assim, ninguém pode afirmar que os santos, no Céu, podem ouvir a oração de milhões de pessoas na Terra. Dizer isso, significa dizer que eles tem onisciência, ou no mínimo que podem estar em vários lugares ao mesmo tempo, ouvindo várias pessoas ao mesmo tempo. Que podem sondar as mentes e os corações. Isso pode acontecer? Quem pode dizer que não? A minha pergunta é: você acha que eles podem ouvir milhões de orações ao mesmo tempo? Se sim, tem alguma base bíblica para isso? Os santos podem, assim como Deus, sondar os corações dos homens e ver suas intenções quando pedem algo? De milhões de pessoas?

    A minha segunda pergunta é. Não havendo nenhum ser humano capacitado a definir se existe ou não limitação dos santos de estarem em vários lugares ao mesmo tempo, e nem havendo respaldo bíblico de que eles podem fazer isso, o mais sensato não seria orar somente como Jesus nos mostrou (observando como ele orava e se relacionava com Deus), e como ele nos ensinou? Visto que ele veio do Plano Espiritual, acho que ele está mais capacitado a nos ensinar como orar não?

    • Pois os vivos sabem que morrerão, mas os mortos nada sabem; para eles não haverá mais recompensa, e já não se tem lembrança deles.

      6 Para eles o amor, o ódio e a inveja há muito desapareceram; NUNCA MAIS TERAO PARTE EM NADA DO QUE ACONTECE DEBAIXO DO SOL.
      Eclesiastes 9 5-6

  7. OH seus catulico ate quando vances vai ficar nesse lero lero tenha a santa paciência imagem de escultura E PROIBIDO POR DEUS larga de teima vocês querem ser chamados de seguidores de JESUS mas andam torto em suas doutrinas erradas vocês pode falar ate babar que nenhuma pessoa ou ser humano que tem conhecimento bíblico vai concordar sobre este assunto com vocês, ficam querendo mostrar pela bíblia que estão certos, que loucura e esta de vocês e loucura mesmo isaias 44 diz a loucura da idolatria afora esta teima em achar que maria e a mae de DEUS como se Deus tem mae afora esta teimosia de estar rezando para gente morta e envocando os mesmo que que e isso espiritismo, nem todo espirita e católico mas todo católico e um espirita em potencial,me desculpem da palavra mas puta caraia vai interpretar a bíblia ruim assim la nas cucuias, ate um crente seme analfabeto sabe as verdades bíblicas e vocês que são letradas so falam merda, UM SER HUMANO SOMENTE TEM CAPACIDADE PARA EMTERPRETAR AS VERDADES BIBLICAS QUANDO O MESMO TEM O DISCENIMENTO E COM O ESPIRITO DO DEUS VIVO DO COMTRARIO e isto que vemos nos católicos nos espiritas e todas as outras que querem usar a bíblia como instrumento de fe e de religião mas o convencimento verdadeiro e genuíno não tem e tenho dito

  8. Entendes o que lê na Bíblia? O porque dos ornamentos no templo? Qual o simbolismo deles?
    A serpente tipificava Cristo levantado no madeiro. A partir do momento em que a serpente passou a ser idolatrada, ela foi destruída. Você pode me perguntar: Mas, então, por que Deus ordenou a Moisés que a esculpisse?
    Deixo a resposta com você. Faça como os crentes de Beréia, medite na Palavra de Deus, e Ele o esclarecerá.

  9. A questão das imagens nas igrejas de Cristo. Bom, isto é um ponto de vista que os católicos defendem, mas só defendem porque a Igreja Católica sempre fez questão de cultuar as imagens e isso é muito dificil sair da cabeça dos catolicos. Já faz parte dos seus cultos e abulir isso é muito difícil, já faz parte deles. Em nenhuma passagem de Jesus por aqui nós não vimos nada sobre adoração de imagem. Quando Jesus chamou Pedro, ele abandonou tudo, até o barco e os peixes, tudo que mais gostava, para que? Para segui-lo é claro. E muitos de nós que antes eramos catolicos, o que fizemos? Abandonamos as imagens e procuramos seguir somente a Jesus, fizemos o mesmo que Pedro fez, abandonou o seu barco (imagem) para seguir com Jesus. Pensem, não existe razão disso. É só Jesus, o único que salva.

  10. Gostei do Post. Ter Imagens em Casa é normal, O anormal é se prostrar diante deles… Somente a Deus Jeová devemos prestar culto e adoração

  11. terça-feira, 20 de novembro de 2012
    Evangelista Billy Graham Afirmou muitos evangélicos idolatram poder e dinheiro

    Um dos homens mais respeitados nosEstados Unidos da América, Billy Graham aos 92 anos recentemente afirmou em sua coluna no site Chicago Tribune que evangélicos adoram a ídolos o dinheiro, o poder e as posses, em respoSta a uma pergunta feita por uma leitora ele não exitou em responder.

    O evangelista foi mais além e comparou a idolatria à preocupação contemporânea com dinheiro e bens materiais, já em sua fala Billy Graham disse: “Ambos podem facilmente tornar-se “ídolos” que seguimos servilmente e deixamos de lado as coisas mais importantes em nossas vidas.

    Em vez de servir a Deus, servimos ao dinheiro e às coisas”, ressaltou, citando em seguida o trecho do evangelho de Mateus no qual Jesus advertiu: “Ninguém pode servir a dois senhores …. Vocês não podem servir a Deus e aoDinheiro”.
    Mas isso não significa que nós (evangélicos ) não temos nossos próprios ‘ídolos’ hoje. Ou seja, temo que ainda servimos a coisas com a mesma devoção que eles tinham”. o evangelista Billy Graham terminou dizendo: “Certifique-se de seu compromisso com Jesus Cristo, e procure segui-Lo todos os dias. Não se deixe influenciar pelos falsos valores e objetivos deste mundo, mas coloque Cristo e Sua vontade em primeiro lugar em tudo que você faz”.

    Acredito que mediante a tudo que Billy falou devemos cada um de nós como parte integrante da igreja de Cristo fazer uma auto análise para ver a quem temos servido de fato a Deus ou a mamom ?!

  12. Esses católicos são teimosos como que o sujeito esta lendo o que esta escrito e não enxerga, mas isto e bíblico quem mexe com adorar e e ora olhando uma imagem se torna como ela cegos, no enxergam a verdade do que se esta lendo, em ISAIAS 44 ver 9 a 20, o versículo 20 diz TAL HOMEM SE APASCENTA DE CINZA, O SEU CORAÇAO ENGANADO O ILUDIO, DE MANEIRA QUE NAO PODE LIVRAR A SUA ALMA, NEM DIZER NAO E MENTIRA AQUILO EM QUE CONFIO? esta vendo ai o coração enganado, mas os católicos não consegui enxergar por que estão na idolatria, vemos que todo católico ao se converter ele passa a enxergar a verdade, pois se o filho vus libertar verdadeiramente seres livre, quem testifica para o crente que o que ele esta lendo e a verdade? ora O ESPIRITO SANTO DO DEUS VIVO este nos testifica que o que estamos lendo na bíblia e a verdade, como os católicos não obedecem a DEUS em seus estatutos em reconhecer a JESUS CRISTO como UNICO e suficiente SALVADOR os mesmos não tem de forma alguma o discernimento do ESPIRITO, eles teimam em dizer que tem, ora sera que DEUS e um mentiroso? mas e claro que não, o ESPIRITO SANTO DO DEUS VIVO não abita no meio da idolatria e por isso que os mesmos não entendem, EU FAÇO UM DESAFIO aos católicos, se vocês não acha que e verdade o que estou falando aqui através da escrita, então vao em uma igreja ASSEMBLEIA DE DEUS MM e confira vocês mesmo aceitando a JESUS COMO UNICO E SUFICIENTE SALVADOR em três meses você sera batizado pois e o tempo para ser evangelizado verdadeiramente pois para ser batizado tem que frequentar a escola dominical e ser doutrinado na verdadeira doutrina Evangelica, assim que você for batizado, você voltara a este site, se você não estiver defendendo a JESUS E O VERDADEIRO EVANGELHO eu coloco fogo na minha bíblia e volto para a católica quem topa esta parada tem algum valente ai quero ver EU DESAFIO EU DESAFIO EU DESAFIO, VEM E A VERDADE VOCE A TERA

  13. Prezado Leandro,

    Você tem razão, e é uma pena que não podemos ter aqui uma discussão saudável, pois logo vem alguns com insultos e posturas iradas. Mas ultimamente, devido aos seus posts, tenho tido a curiosidade de estudar a doutrina católica. E esteja certo de que estou pesquisando as suas referências.

    Entendi a sua colocação em relação à intercessão dos santos. Não digo que não podem fazer isso, e nem que podem.

    Mas, em relação à comunicação com os santos no Céu, a explicação que me deu não tem sentido. Não é só porque somos parte de um mesmo corpo, que podemos nos comunicar diretamente através de Cristo. Já sabemos que na Terra isso não é possível. Eu não posso me comunicar com você através de Cristo, a não ser que seja diretamente, frente a frente, ou por cartas etc., tal como Paulo, que pode enviar uma carta pedindo que intercedam pelos santos e pelos apóstolos. Por exemplo, Paulo pode interceder por mim lá no Céu (diretamente com Jesus, supondo que ele já esteja vivo lá), e eu posso interceder por um santo (orando diretamente para Deus), mas nós não podemos falar diretamente um com o outro (eu e Paulo), pois estamos em lugares diferentes. Quanto a isso, não há embasamento bíblico e nem lógico.

    Assim, eu posso estar ligado a Paulo através de Cristo, pois temos um mesmo propósito, um mesmo pensamento, nós dois nos tornamos cada vez mais parecidos ao ponto de que nos aproximamos da personalidade de Cristo. Eu posso chegar até Paulo orando para que Jesus toque o coração dele, intercedendo por ele, e Paulo pode fazer isso por mim. Mas eu não posso orar e me comunicar diretamente com Paulo, pedindo para que ele peça a Jesus por mim. Talvez você até possa afirmar que se tornando espírito ele pode se deslocar até onde estou, mas nem os anjos podem estar em vários lugares ao mesmo tempo.

    A Paz.

    • Eduardo

      Procuro ser mais ou menos otimista em relação a todos.Um dia (quando eu tinha uns 12 anos, tambem já fui radical catolico). Felizmente um padre, a frase de um parente e os escritos de Moris West(as Sandalias do Pescador, A Salamandra) ,me fizeram mudar de ideia.

      Fico feliz com o que aprendi. E julgo que fiquei mais consciente e humilde depois de tudo que li. Por ficou pra sempre em mim um leve gosto de desilusão com tudo que esta ai hoje em dia. Noutro sentido notei que tudo que se passou nos tempos antigos esta parcialmente destruido e ninguem mais irá recuperar isto(aquele espirito de convicção e proposito) aqui na terra. No paraiso talvez voltemos a sentir isto.

      Neste mundo onde a cada dia mais se dissolve o respeito pelos alicerçes e simbolos cristãos minha esperança decresce. Quando vejo o espetaculo triste da Europa tenho certeza que voltaremos pras catacumbas cedo ou tarde. Não há lugar pra nos nesta sociedade moderna. Nosso velho mundo desaba e poucos de nos são capazes de perceber o como tais discussões dogmáticas onde o jogo final e de soma zero: Ou seja UM CONTENTOR SÓ SE SATISFAZ COM A PLENA DERROTA E NEGAÇÃO DO DIVERGENTE, só nos empurram ladeira abaixo.

      Sobre suas duvidas talvez acho algo definitivo onde indiquei. Eu mesmo nunca questionei tal mecanismo. Não sei se poderemos um dia responder a natureza desta comunhão, como diria Paulo: ” agora vejo em parte”.
      Pra mim o mais dificil foi a SS Trindade, ate hoje não entendo completamente como é a interação-união Pai. Filho e Esp Santo. Penso que entendi os conceitos que explicam o que a SS Trindade NÃO É.

      • Também já me desiludi da religião Leandro, e cheguei a me tornar um ateu muito cético durante grande período da minha vida, ainda mais porque trabalho com ciência e pesquisa. Mas foi justamente na simplicidade do Evangelho que me reencontrei com Jesus. Esse é o ponto. O Evangelho é simples, e Jesus revelou tudo que precisamos saber a respeito de Deus, afinal, somente ele esteve com Deus e conhece os pensamentos de Deus. Ele não só nos explicou, mas deu o exemplo, e tudo que precisamos saber a respeito de Deus está em Jesus, basta observarmos seus passos. Em qualquer situação, basta pensar em como Jesus agiu, para saber como nós devemos agir. Por isso Leandro, não precisamos estudar rolos e mais rolos de livros para entender como funciona as coisas nos Céus, para sabermos se devemos orar ou não pela intercessão dos santos. É simples, basta seguir os passos de Jesus, orar como ele orou e nos ensinou a orar.

        Imagine uma situação. E se você estiver errado? Diante do Tribunal de Deus, vai argumentar que errou porque sua inteligência e consciência lhe mostraram que o caminho era confiar na interpretação dos primeiros epíscopos? Vai confiar neles a sua fé? Nesse caso, sua confiança (fé, crenças e doutrinas) estão depositadas na santidade de outros homens. E se os evangélicos estiverem errados? Vão argumentar que confiaram na interpretação do pastor? Pois os evangélicos, ao contrário do que Jesus ensinou, berram suas orações até ficarem roucos, quando o Mestre recomendou discrição e poucas palavras. Eles, estarão confiando sua fé e crenças a outro homem, e este, responderá por eles?

        Eu acho que seria mais sensato seguir os passos de Jesus, e dizer: fiz como o mestre fez. Então, não é melhor, na dúvida, orarmos como ele orou? Nesse caso, estarei depositando minha fé, e minhas crenças, em Jesus, confiando na santidade dele, crendo que ele é o Filho de Deus e o exemplo a ser seguido. Jesus foi tão simples, precisa de interpretação para algo tão simples como o exemplo que ele deu de oração?

        Você tem dúvidas da S Trindade, porque fica tentando entender o que é a S. Trindade. Mas é simples, basta seguir os passos de Jesus, que nos ensinou a chamar Deus de Pai, e a ele de Senhor. Crer que ele é o Messias e o Filho de Deus. Basta crer que o Espírito Santo está no nosso meio. Não precisa ficar se preocupando se Jesus é literalmente Deus que ao mesmo tempo é três que somado dá um, ou que está um sentadinho do lado do outro como acontece aqui na Terra.

        Creio que essas coisas ficam no plano das curiosidades. Jesus é simples, Deus é impetuoso, mas se faz leve como uma brisa para entrar no coração dos humildes, mas nós, é que em nossa sabedoria mundana queremos complicar, e explicar coisas que o próprio Jesus não se preocupou em explicar.

        • Eduardo

          Há uma resposta para a pergunta que vc me fez sobre o que poderei falar na hora do julgamento se caso a opinião dos mártires estiver errada sobre o que Cristo ensinou.

          E por incrível que pareça quem me deu foi um antigo protestante do século XVII, Thomas Hobbes ( o leviatã e duvido que ele mesmo tenha percebido a mãozinha que deu aos católicos) em seu livro encontrei uma ótima resposta pra isto. Mas não posso te adiantar qual é. Leia o Livro.

          Sobre a SS Trindade, já tinha chegado a uma opinião parecida com a sua. So quis apontar como foi difícil.

          • Vou ler o livro. Obrigado pela recomendação.

            Somente lembre-se Leandro, pois vejo que tem muita consideração pelo ensino de homens, que Paulo (um apóstolo e santo) não ensinou nada que esteja em contradição com o Evangelho. Pois, por exemplo, se Paulo tivesse ensinado algo que estivesse em contradição com o Evangelho, deveria ser anátema (segundo ele mesmo recomendou). E ele mesmo nos exortou a sermos seus imitadores, tal como ele foi de Cristo. Sendo assim, deveríamos, sendo imitadores de Cristo, orar como Jesus orou, diretamente ao Pai. Nenhum homem, por mais sábio que seja, tem mais autoridade que o próprio Jesus, nenhum homem pode dizer que é certo orarmos de uma forma que Jesus não orou. Ele conhece o Pai, e sabe como devemos proceder para agradá-lo. Esses homens interpretam, Jesus mostra com autoridade. Pense nisso.

      • Leandro respeito sua opinião, mas como a Bíblia mesmo diz os mortos não podem ouvir e nem sentir, como podem interceder por alguém.

        no antigo testamento fala do tabernáculo onde ficava a arca do SENHOR, que representava a presença do senhor no meio do seu povo, o sacerdote entrava nesse tabernáculo através do véu uma vez ao ano para fazer expiação dos pecados do povo de Israel, o sacerdote deveria estar “limpo” sem nenhum pecado para que ao entrar na presença do SENHOR não morresse instantaneamente, ninguém mais podia entrar através do véu a não ser o sacerdote, nesse sacerdote era amarrada uma corda e em suas vestes eram colocados sinos, caso não ouvissem os sinos tocando era sinal de que o sacerdote havia morrido, então era puxado pela corda para fora do tabernáculo. Resumindo havia uma separação entre DEUS e os Homens, essa separação era simbolizada pelo véu do tabernáculo, o mesmo véu que se rasgou quando Jesus Morreu por nos, ou seja, hoje temos livre acesso a Deus graças ao Sacrifício do Senhor Jesus.

        O quero dizer e porque pedir algo a quem já morreu, se hoje podemos pedir diretamente a Deus????

        Jesus morreu para que nos pudéssemos nos aproximar de Deus, para que pudéssemos nos reconciliar com Deus, e nos dobrarmos a imagens de Homens por mais Abençoados que tenham sido não nos trará salvação, apenas pelo sangue de Jesus e que somos sarados, toda honra, toda gloria e toda adoração pertence somente a ele, nos ajoelharmos ante estatuas feitas de gesso pra mim e desvalorizar o sacrifício de Jesus, e dizer que o seu sacrifício não foi suficiente,

        homem nenhum pode ser salvo por méritos próprios, somos salvos única e exclusivamente pela misericórdia de DEUS.

        e que DEUS tenha misericórdia de todos nos.

        • senhor sobre ser salvo por méritos propios vc apenas enunciou a mesma opinião da ICAR sem saber talvez. Nunca dissemos que um sujeito se salva por ser bonzinho e praticar boas obras. Nem que a intercessão dos santos é salvitica como a de Cristo.

          Sobre isto não estar na Biblia já postei o suficiente para mostrar que é um dogma protestante BEM QUESTIONAVEL.

          Não se precisa de uma imagem pra pedir a intercessão dos anjos e santos.

          • “Ora, estes eram mais nobres do que os de Tessalônica, porque receberam a palavra com toda avidez, examinando diariamente as Escrituras para ver se estas coisas eram assim” (Atos 17:11).

            Veja Leandro, que o escritor de Atos chamou de nobres esses homens, porque não aceitavam os ensinos de Paulo simplesmente por este ser apóstolo e fazer prodígios (poderia ser um falso profeta, seus prodígios podiam ser de Satanás), mas antes, examinavam as escrituras para confirmar os ensinos de Paulo. Ou seja, também, se Paulo tivesse pregado algo que não tivesse embasamento nas antigas escrituras, seria anátema. Veja, que Jesus durante o seu ministério também usou as antigas escrituras em suas pregações, e mostrou que o que ele fazia, foi profetizado, estava nas Escrituras Hebraicas.

            Na época de Paulo, talvez nem todos tivessem acesso aos evangelhos escritos, mas o Evangelho de Jesus era passado de boca em boca, pois os homens que foram testemunhas daquelas coisas ainda estavam vivos. E mesmo assim, já haviam falsos ensinos nesses tempos. Assim, em certo momento se achou necessário escrever e registrar aquelas coisas, pois logo as testemunhas oculares do ministério de Jesus não estariam mais na Terra, e as pessoas estariam sujeitas aos ensinos de homens que não presenciaram tais fatos, e poderiam deturpar o Evangelho.

            O fundamento da nossa Fé é Jesus Cristo, e os alicerces são os apóstolos, mas esses eram testemunhas oculares da ressurreição de Jesus (até Paulo), e sua autoridade era confirmada com o poder de liberarem o Espírito Santo, e de fazer grandes prodígios. Deus é quem dava testemunho deles, tal como deu de Jesus. Assim Leandro, lançado o fundamento da fé, começa-se a se construir o edifício, do qual todos nós somos parte. Mas fundamento, só tem um. A fundação de uma obra, não muda. Para se mudar a fundação, deve-se demolir todo o edifício.

            Mas mesmo esses homens, que foram o fundamento, não ensinavam nada que fosse diferente ao ensino de Jesus, ou que estivesse em contradição com as antigas escrituras, pois Paulo várias vezes confirma seus ensinos através das antigas escrituras. Assim, nós também, devemos sim considerar nossas interpretações de acordo com os evangelhos que foram escritos para nós, e de acordo com as antigas escrituras, e tal como os bereanos, analisar se os ensinos que temos hoje estão de acordo.

        • Eduardo

          Sobre os bereanos , vc encontra um ótimo texto no veritatis mostrando que eles não são exemplo de Sola Biblia.

          Não sei se vai acreditar mas transcrevo o mesmo aqui:

          Agora vamos seguir Paulo até Beréia… “Quando estava escuro os irmãos imediatamente enviaram Paulo e Silas para Beréia, onde visitaram a sinagoga assim que chegaram” (At 17,10). Temos uma situação paralela à visita em Tessalônica. Novamente Paulo vai à sinagoga para encontrar os líderes, como de costume.

          Mas desta forma as coisas dão mais certo: “Estes eram de sentimentos mais nobres do que estavam em Tessalônica, e receberam a Palavra de Deus com toda a avidez, examinando todos os dias as Escrituras para ver se estas coisas eram assim. E muitos judeus creram, também muitas mulheres gregas vindas das altas classes e não poucos homens” (At 17,11-12).

          Qual é a diferença que conta para um melhor resultado em Beréia? Muitos protestantes diriam que esta é se baseia na confiança dos bereanos somente nas Escrituras como regra de fé. Isto é verdade?

          Nas duas cidades Paulo ensinou em sinagogas a judeus e judaizantes gregos. Podemos admitir que em Beréia ele “desenvolveu os argumentos pelas Escrituras para eles, explicando e provando como o Cristo deveria sofrer e voltar dos mortos” assim como ele fez em Tessalônica. Então não há como chegar à conclusão de que as duas cidades possuíam um profundo conhecimento das Escrituras. Falar e debater sobre o significado das Escrituras era um costume comum nas sinagogas.

          A verdadeira diferença é que os judeus de Beréia “receberam a palavra de bom grado”. Que palavra? O testemunho oral. Seus corações estavam abertos à proclamação de Paulo. Os Tessalonicenses, por outro lado, rejeitaram a interpretação de Paulo e seu testemunho de que Jesus é o Messias.

          Se os bereanos tivessem empregado as Escrituras da mesma forma que os defensores da Sola Scriptura propõem que faziam, teriam agido da mesma forma que a maioria dos judeus em Tessalônica. Enquanto muitas das afirmações que Paulo fez sobre as profecias em relação ao Messias seriam facilmente checadas pelo exame dos textos, havia um fato que eles não poderiam comprovar nos próprios textos: que “o Cristo é este Jesus que eu vos proclamo!” Este fato central acabaria com a boa vontade deles em aceitar as palavras de Paulo. As Escrituras suportam o testemunho de Paulo, mas a leitura franca dos textos não poderiam verificar tal doutrina.

          “Buscar nas Escrituras” não é em si suficiente para os bereanos. Eles foram diferente porque “receberam a palavra de bom grado”. Uma pessoa de coração endurecido poderia buscar em toda a Escritura e nunca teria a boa vontade de receber a palavra que Paulo trazia. Como Paulo falou aos Gálatas: “Deixem-me fazer-vos uma pergunta: recebestes o Espítiro pelas obras da lei (torah) ou porque vós acreditastes no que fora ensinado a vocês?” (Gal 3,2) Uma boa pergunta também aos bereanos…e para nós!

          Os bereanos não eram nobres somente porque buscavam as Escrituras. Eles possuíam algo extra; “receberam a Palavra de bom grado”. Eles aceitaram o testemunho de Paulo! Eles não tinham vontade de serem mal orientados (por isso testaram as palavras de Paulo nas Escrituras), mas eles estavam dispostos a serem guiados (aceitaram sua autoridade para revelar o que estava na Escritura)

          Os bereanos não eram adeptos da Sola Scriptura. Se assim fossem, rejeitariam o testemunho de Paulo quando disse “Este Cristo é este Jesus que vos proclamo!”. A doutrina que Paulo trouxe para ensinar não se encontrava nas Escrituras, ainda que se harmonizava com elas. Certamente, assim como os discípulos na estrada para Emaús, como o eunuco que encontrou Felipe, como o próprio Timótio, discípulo de Paulo, eles aceitaram a Boa Nova com base na Escritura e na autoridade oral, que provém de Jesus pela Sua Igreja.

          • Certo Leandro, claro que “somente” examinar as escrituras para ver se as coisas eram assim, não eram suficientes, porque Jesus entra pela porta do coração. Mas veja que eles examinavam para ver se as coisas eram realmente assim. Ora, se Paulo ao pregar, afirma que Jesus era o Messias profetizado nas Escrituras, e que serve ao Deus de Israel, poderia ele ser levado à sério se pregasse algo contra os princípios das Escrituras? Qualquer estudioso, e você como curioso deve saber disso, sabe que os bereanos não receberam simplesmente o que Paulo pregava, mas ouviam com atenção, E examinavam as escrituras para ver se o que ele falava tinha confirmação nas Escrituras, afinal, se eles simplesmente recebessem de bom grado, não haveria a necessidade de se escrever que eles exeminavam as escrituras para ver se realmente era assim. Está bem claro no texto, que além de receberem de bom grado, eles procuravam confirmar o que lhes era dito.

            Durante sua pregação, o próprio Jesus anunciava que muito do que ele fazia fora profetizado. Jesus tinha o embasamento dos profetas para o que ele fazia. E foi utilizando as Escrituras que ele debateu com o Diabo.

            Se tiver dúvidas Leandro, já que você tem tanto respeito por “homens”, principalmente pelos “pais da Igreja”, leia Gálatas, com atenção, receba de bom grado, e veja o que Paulo fala sobre a autoridade do Evangelho. Não há dúvidas, de que o Evangelho está acima de toda autoridade humana e até angélica.

          • Eduardo

            Não dou valor a autoridade dos “pais ” da Igreja pela personalidade deles em si mesma. Embora os considere bem melhores que eu, quando mais nada por que morreram por declarar Cristo como seu Senhor.

            Dou valor a sua exegese enquanto voz de Cristo em forma humana e continuadores dos ensinos apostolicos cristãos.

            Nem espero que todos comungem da visão catolica sobre a Biblia e ensinos de Jesus.
            Mas se temos que respeitar o principio do Livre Exame que faz da palavra de Deus uma constante mudança de “verdades”, se devemos aceitar que divorcio deixou de ser sacramento para tornar-se mero contrato civil divorciavel ( dai que Jesus ou mentiu ou “mudou de ideia” via Lutero), se depois de ser usafo pelos apostolos e cristãos durante séculos coube a um padre rebelde o poder de descartar 7 livros da Biblia.
            E depois disso tudo ainda temos que reconhecer que o protestantismo esta certo e não precisa mudar(já estão na Luz), então ainda que não concordem conosco, muitos aqui podiam baixar sua bola e parar de falar que precisamos deixar de ser “cegos” e que ainda não temos “Cristo no coração”.

  14. EU de forma alguma estou com postura irada estou colocando a verdade agora cabe a quem quiser acreditar acredita quem não quer não tem problema algum, agora eu por exemplo e milhões de evangélicos nunca deixaremos de defender as ESCRITURAS SAGRADAS e suas verdades, pois poderia ser eu um tolo e ler que dois mais dois e cinco quando eu sei que e quatro? de forma alguma há uma condenação para aqueles que distorcem a SANTA PALAVRA DE DEUS ESCRITAS NA BIBLIA, APOCALIPSE 22 VER 18 A 20, EU EM sabemdo da verdade vou deixar de falar a verdade,

  15. Sabe o q acho engraçado?
    As pessoas sabem q este é um site gospel, q tem frequentadores evangélicos, e q vão defender sua postura. Mas mesmo assim, insistem em discutir, falar mal e tentar nos provar q estamos errados.
    Tá certo, vcs estão no seu direito. MAS Ñ RECLAMEM DE SEREM RESPONDIDOS À ALTURA, OU Q NÓS SOMOS INTOLERANTES, OU Q Ñ DAMOS O BRAÇO A TORCER.
    Se a pessoa vem p/ receber uma oração, ajuda espiritual, uma palavra, um consolo, enfim, qq coisa, estamos com braços abertos p/ acolher. Agora, ñ pensem q vão falar o q quer e q nós temos q ficar calados, que “devemos mostrar a luz”, pois foi o tempo q tinha crente q ñ sabe de nada, q ñ entende o q fala! Pelo menos da minha parte, se eu for questionado aki, vai ter a resposta! Ser crente ñ é sinônimo de trouxa ñ!

  16. Êxodo 20:4
    4 – Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra.

    A serpente só existe não pela arte e sim pela cura das pessoas picadas pelas serpente, foi levantada e todos que olharem para a serpente seria curado dessa mesma forma no novo testamento Cristo foi levantado numa cruz para todos serem curado suas transgressão (pecado)

  17. Amigos peço que antes de postarmo algo aqui pregando para os catolicos, oremos e pedimos para que Deus abra os olhos deles!!

    Sabemos que o inimigo é furioso e os coloca escamas para não ver!!

  18. Interessante, eu já estive em várias igrejas evangélicas, e em todas ouvi falar que o demônio em algum momento rondava os fieis ali presentes, se somente Deus é onisciente, onipresente, onipotente, explique como o diabo pode estar em tantos lugares ao mesmo tempo sendo ele apenas um anjo rebelado?????

  19. A Bíblia condena não apenas a adoração de imagens de esculturas, mas também a fabricação das mesmas. No Salmo 115 verso 8, o salmista afirma, referindo-se aos ídolos objetos de adoração: : “Tornem-se semelhantes a eles os que os fazem e quantos neles confiam”.

  20. Prezado Leandro, primeiramente gostaria de elogiar a sua pessoa como argumentador. É bom às vezes encontrar alguém nesse fórum com quem podemos ter uma discussão sadia, sem ofensas, e muito proveitosa.

    Eu concordo inteiramente com você, quando diz que se os católicos não estão na luz, os evangélicos também não estão, e que os evagélicos divergem muito em seus ensinos. Não há dúvida disso. Por que não existe congregação de homens perfeita. Um homem por si só já é imperfeito, imagine uma organização formada por homens. Devemos lembrar que em todas as religiões e setores da sociedade, o trigo cresce junto com o joio. Judas mesmo era um joio no meio do Rebanho de Jesus. E em determinadas épocas e lugares (acredito que pelo estado do mundo, na maioria), o joio é muito mais influente que o trigo.

    Fico preocupado quando diz que você concorda com a interpretação dos pais da igreja, porque eles morreram por Jesus. Eles viveram em uma época histórica onde foi necessário que entregassem suas vidas por Cristo. Mas se você crer em Jesus Cristo, e tiver Fé de que o mesmo Espírito habita em você, você terá a mesma disposição para morrer pelo nome de Cristo quando chegar a hora, apenas nasceu em uma época onde “ainda” isso não foi exigido de você. Admirar tanto os santos é sinal de que você não confia que a sua fé é tão forte quanto a deles. Lembre-se, Paulo nos exortou a sermos seus imitadores, como ele era de Cristo (pois como você mesmo disse, nessa época ainda não tinham acesso ao Evangelho escrito), e não seus admiradores. Esse é o mal da honra aos santos. É como o funcionário que admira o amigo que chega cedo todos os dias, como se ele fosse um “fenômeno”, em vez de tentar seguir o proceder deste. Se o mesmo Espírito habita em você, saber dos santos morrendo por Cristo é como ver você mesmo morrendo por Cristo com eles.

    Eu, particularmente (claro, também posso estar errado) creio que somente Jesus Cristo é o Caminho e a Luz para entender as Escrituras. Ele não só ensinou, mas mostrou como devemos proceder para agradar a Deus. Paulo não precisou interpretar, mas ouviu, aprendeu e passou a “imitar” Jesus. Nós é que complicamos, tentando entender o que Jesus não revelou. É o ardente desejo pelo fruto do conhecimento do bem e do mal, a ansiedade de não esperar Moisés descer da montanha, e desejar construir nossos bezerros de ouro. De termos um “pastor” para jogar as nossas dúvidas e responsabilizar, para serem o sal das nossas vidas e a luz nas nossas trevas, e aliviar nossas consciências do dever de sermos nós mesmos o sal do mundo e a luz com Cristo.

    Resumindo Leandro, nem mesmo os apóstolos e Paulo tinham autoridade para ensinar algo diferente do Evangelho de Jesus. Se houvesse algo nas epístolas de Paulo que fosse contrário aos Evangelhos, ele mesmo disse: seja anátema. Quanto mais dos pais da igreja. Paulo repreendeu Pedro segundo o Evangelho, porque o Evangelho é a autoridade acima de todos os instrutores:

    “E, chegando Pedro à Antioquia, lhe resisti na cara, porque era REPREENSÍVEL. Porque, antes que alguns tivessem chegado da parte de Tiago, comia com os gentios; mas, depois que chegaram, se foi retirando, e se apartou deles, temendo os que eram da circuncisão. E os outros judeus também dissimulavam com ele, de maneira que até Barnabé se deixou levar pela sua dissimulação. Mas, quando vi que não andavam bem e direitamente CONFORME A VERDADE DO EVANGELHO, disse a Pedro na presença de todos: Se tu, sendo judeu, vives como os gentios, e não como judeu, por que obrigas os gentios a viverem como judeus? Nós somos judeus por natureza, e não pecadores dentre os gentios”. Gálatas 2:11-15

    Não admire homens. Nem mesmo por terem andado com Jesus. Tomé viveu com Cristo, e viu Jesus, mas Jesus disse: bem aventurados os que não viram, e creram. Portanto, seja imitador daqueles que imitam a Cristo.

  21. Comunicação com espíritos nem sempre é bilateral. Muitos se comunicam falando, e os espíritos respondem com batidas de mesa. Outros movendo algo. Outros, atendendo pedidos, como acontece com as oferendas que são feitas em troca de favores. De toda forma, é comunicação com os mortos.

  22. Bem Leandro, primeiramente gostaria de elogiar a sua pessoa como argumentador. É bom às vezes encontrar alguém nesse fórum com quem podemos ter uma discussão sadia, sem ofensas, e muito proveitosa.

    Eu concordo inteiramente com você, quando diz que se os católicos não estão na luz, os evangélicos também não estão, e que os evagélicos divergem muito em seus ensinos. Não há dúvida disso. Por que não existe congregação de homens perfeita. Um homem por si só já é imperfeito, imagine uma organização formada por homens. Devemos lembrar que em todas as religiões e setores da sociedade, o trigo cresce junto com o joio. Judas mesmo era um joio no meio do Rebanho de Jesus. E em determinadas épocas e lugares (acredito que pelo estado do mundo, na maioria), o joio é muito mais influente que o trigo.

    Fico preocupado quando diz que você concorda com a interpretação dos pais da igreja, porque eles morreram por Jesus. Eles viveram em uma época histórica onde foi necessário que entregassem suas vidas por Cristo. Mas se você crer em Jesus Cristo, e tiver Fé de que o mesmo Espírito habita em você, você terá a mesma disposição para morrer pelo nome de Cristo quando chegar a hora, apenas nasceu em uma época onde “ainda” isso não foi exigido de você. Admirar tanto os santos é sinal de que você não confia que a sua fé é tão forte quanto a deles. Lembre-se, Paulo nos exortou a sermos seus imitadores, como ele era de Cristo (pois como você mesmo disse, nessa época ainda não tinham acesso ao Evangelho escrito), e não seus admiradores. Esse é o mal da honra aos santos. É como o funcionário que admira o amigo que chega cedo todos os dias, como se ele fosse um “fenômeno”, em vez de tentar seguir o proceder deste. Se o mesmo Espírito habita em você, saber dos santos morrendo por Cristo é como ver você mesmo morrendo por Cristo com eles.

    Eu, particularmente (claro, também posso estar errado) creio que somente Jesus Cristo é o Caminho e a Luz para entender as Escrituras. Ele não só ensinou, mas mostrou como devemos proceder para agradar a Deus. Paulo não precisou interpretar, mas ouviu, aprendeu e passou a “imitar” Jesus. Nós é que complicamos, tentando entender o que Jesus não revelou. É o ardente desejo pelo fruto do conhecimento do bem e do mal, a ansiedade de não esperar Moisés descer da montanha, e desejar construir nossos bezerros de ouro. De termos um “pastor” para jogar as nossas dúvidas e responsabilizar, para serem o sal das nossas vidas e a luz nas nossas trevas, e aliviar nossas consciências do dever de sermos nós mesmos o sal do mundo e a luz com Cristo.

    Resumindo Leandro, nem mesmo os apóstolos e Paulo tinham autoridade para ensinar algo diferente do Evangelho de Jesus. Se houvesse algo nas epístolas de Paulo que fosse contrário aos Evangelhos, ele mesmo disse: seja anátema. Quanto mais dos pais da igreja. Paulo repreendeu Pedro segundo o Evangelho, porque o Evangelho é a autoridade acima de todos os instrutores:

    “E, chegando Pedro à Antioquia, lhe resisti na cara, porque era REPREENSÍVEL. Porque, antes que alguns tivessem chegado da parte de Tiago, comia com os gentios; mas, depois que chegaram, se foi retirando, e se apartou deles, temendo os que eram da circuncisão. E os outros judeus também dissimulavam com ele, de maneira que até Barnabé se deixou levar pela sua dissimulação. Mas, quando vi que não andavam bem e direitamente CONFORME A VERDADE DO EVANGELHO, disse a Pedro na presença de todos: Se tu, sendo judeu, vives como os gentios, e não como judeu, por que obrigas os gentios a viverem como judeus? Nós somos judeus por natureza, e não pecadores dentre os gentios”. Gálatas 2:11-15

    Não admire homens. Nem mesmo por terem andado com Jesus. Tomé viveu com Cristo, e viu Jesus, mas Jesus disse: bem aventurados os que não viram, e creram. Portanto, seja imitador daqueles que imitam a Cristo.

  23. Vou falar sobre a sucessão apostólica, e de homens dando continuidade ao ensino de Cristo e dos apóstolos, e alguém puder, contrarie os itens que irei expor.

    Os apóstolos eram testemunhas oculares da ressurreição do Cristo, e estiveram com ele desde o começo do seu ministério, tanto que para elegerem um substituto para Judas, isso somente porque estava profetizado que assim seria (e não há nenhuma profecia de que outro apóstolo seria perdido e teria de ser substituído, logo que deveria haver sucessão de todos os doze, mas tão somente de Judas), este teria que ter esses requisitos: Porque no livro dos Salmos está escrito: Fique deserta a sua habitação, E não haja quem nela habite, Tome outro o seu bispado. É necessário, pois, que, dos homens que CONVIVERAM CONOSCO todo o tempo em que o Senhor Jesus entrou e saiu dentre nós, começando DESDE O BATISMO de João até ao dia em que de entre nós foi recebido em cima, um deles se faça conosco TESTEMUNHA DA SUA RESSURREIÇÃO. Atos 1:20-22.

    Até mesmo Paulo, que se coloca como último apóstolo, se considerando como um aborto, viu e foi testemunha ocular da ressurreição do Cristo.

    Ou seja Leandro:

    1 – Jesus escolheu 12 apóstolos como as colunas do edifício que seria construído (a Igreja). Pedro era o líder deles. Já havia a profecia de que um deles seria substituído (Judas), mas mesmo assim, o substituto deveria ter as mesmas características que os apóstolos (ter estado com eles desde o batismo de Jesus até o dia em que foi levado aos Céus). Ou seja, não há profecia de que os outros 11 deveriam ser substituídos ou sucedidos em sua autoridade (Jesus fez um pacto com os apóstolos, e prometeu que eles julgariam as doze tribos de Israel. Mais tarde, em Apocalipse, vemos isso ser confirmado, quando João relata que as doze colunas da Israel Espiritual eram os doze apóstolos). Assim, devemos entender que os doze eram sim uma classe especial, e que a sua autoridade era confirmada por Deus através dos milagres que eles realizavam.

    2 – Caso houvesse sucessão apostólica dos outros 11, como houve com Judas, os sucessores deveriam ter os mesmos requisitos (ter estado com Jesus desde o batismo até a sua elevação aos Céus, ser testemunha da sua ressurreição). Até mesmo Paulo, se considerou como um aborto, mas ele mesmo viu Jesus ressuscitado, mas não era um dos doze (veja que na visão de João de Apocalipse só haviam 12 colunas), pois Jesus não fizera com ele um pacto para governar as doze tribos de Israel. Sendo assim, quem hoje pode se dizer sucessor dos apóstolos, e não fazer as mesmas obras que eles, ou ter as mesmas qualificações? Veja, se os apóstolos (incluindo Paulo) eram testemunhas pessoais de Cristo, eles não davam testemunha de si mesmos, mas Deus é quem dava testemunho deles através dos sinais (como Jesus disse que não era ele quem testemunhava de si mesmo, mas que o Pai dava testemunho dele).

    3 – Pode alguém hoje se dizer sucessor de tais homens, sem ter uma profecia para confirmá-lo, sem ter uma ordem de Cristo para sucessão, sem ter sinais de Deus para dar testemunho dele? Se nem Deus, nem os profetas, nem Jesus e nem os apóstolos deram testemunho de tais sucessores, quem deu? Ora, nós é que os qualificamos para isso, e não Deus.

    4 – Os apóstolos foram com os profetas, os fundamentos da Igreja de Cristo, sendo Jesus a Pedra Angular. Ora, já tendo sido lançado o fundamento, não haveria necessidade da sucessão, e por isso Jesus não nomeou pessoalmente ou por intermédio do testemunho do Espírito Santo mais nenhuma testemunha ocular da sua ressurreição como apóstolo. Todo o resto, depois de Jesus e os apóstolos, fazem parte do edifício que é construído sobre o fundamento lançado por Jesus e os apóstolos: “Portanto, vocês já não são estrangeiros nem forasteiros, mas concidadãos dos santos e membros da família de Deus, edificados sobre o FUNDAMENTO DOS APÓSTOLOS E PROFETAS, tendo Jesus Cristo como pedra angular, no qual todo o edifício é ajustado e cresce para tornar-se um santuário santo no Senhor. Efésios 2:19-21.

    Portanto, depois dos profetas e apóstolos, todos somos partidos do edifício, que é a Igreja de Cristo.

    • Obrigado pelo elogio, repito que gente pra debate civilizado em torno de questões sagradas é ave rara, infelizmente.

      Sobre a sucessão apostolica recomendo o texto “O que é Igreja Apostólica ?” do ja bem citado Alessandro Lima no veritatis.

      Vejo ainda que devo uma lista do que li pra tirar algumas conclusões:

      O Mais importante de todos é o HISTORIA DA IGREJA OU HISTORIA ECLESIASTICA de Eusebio de Cesareia. O livro é do século IV e, depois da Biblia, é o mais usado pra saber-se dos primordios e origens da Igreja. Eusebio mesmo era semi ariano, ainda assim, teve honestidade intelectual suficiente pra registrar a derrota que seu partido sofreu em Niceia I no ano 325. Quem não lê este livro não pode afirmar muita coisa sobre o que um dia já foi igreja cristã.

      O Leviatã já citei. Mas devo advertir que somente na 3º parte do livro ele toca em fé cristã e que FILOSOFIA INGLESA É UM PORRE DE LEITURA. Eles têm o conteudo, mas o forma como passam é seca e sem poesia. Pra quem gosta de Direito é vital pra saber a origem de muitas de nossas leis atuais. E de todo modo dá alguns argumentos (quase todos rebativeis) aos que não gostam do papa e da ICAR.

      Outro otimo historiador e autor é o luterano do século XIX, Leopold Ranke. Seus livros causaram furor em catolicos e protestantes de seu tempo. Os catolicos o acharam desrespeitoso demais com a ICAR. Enquanto os protestantes disseram que ele fora muito “bonzinho” com a IG Catolica. Hoje a maioria o admira. O dificil é achar algo dele traduzido em portugues.

      Tem outros, mas não recordo agora e se lembrar te passo.

      • Prezado,

        Obrigado pela recomendação. Você já havia me recomendado o Leviatã, e realmente é um “porre”. Então, preferi me dedicar ao livro de Eusébio. Confesso que a leitura é muito interessante, mas tem um grande problema para mim. Eusébio não pode responder aos meus questionamentos. Por isso, os dirigi a você, crendo que, sendo servo também de Cristo, e habitação do Espírito de Deus, pudesse conforme o seu raciocínio me responder.

        Já fui católico, batizado, fiz a primeira comunhão, a crisma, estudei e conversei com muitos padres, mas diante de tais questionamentos todos se esquivam da mesma forma, alegando a “maior confiabilidade dos pais da igreja”, sendo esta repassada para o Papa. Só fiz o questionamento a você, porque achei que pudesse me dar uma resposta diferente.

        Quanto ao Eusébio, concordo com ele na questão do bispado, como sendo continuação do ensino dos apóstolos. Mas é isso exatamente o que eu disse, e Eusébio não rebate o que eu disse, mas concorda. Não há novos apóstolos, mas bispos, que dão continuidade ao pastoreio dos apóstolos. Os bispos são encarregados de “cuidar”, para que o fundamento deixado por Cristo e os apóstolos sejam seguidos, mas não tem a “autoridade” para levantar novos fundamentos, ou qualquer coisa diferente do Evangelho. Eusébio não me contradiz, e não pode me responder. Mas Paulo já deixou isso escrito antes de mim, que o Evangelho é a autoridade acima de todos, e que tudo que for contrário ou acrescentado ao Evangelho de Cristo será anátema.

        Então, concordo com Eusébio sobre o bispado, sobre a ordenação dos bispos para que estes pastoreiem a Igreja, sejam instrutores sobre o ensino deixado pelos apóstolos. Ressaltando, desde que não haja contradição ou acréscimo ao Evangelho deixado por Cristo. E concordo que a ICAR esteja mais próxima da sucessão desse bispado.

        Imagine o seguinte: O pai cria as leis, e quando sai, deixa o irmão mais velho tomando conta dos outros. O irmão mais velho não cria novas leis, mas cuida para que as leis deixadas pelo pai, sejam seguidas. Mas se o irmão mais velho cria uma lei que vai de contrário á deixada pelo pai, o irmão mais novo deve optar por antes obedecer o pai, mesmo que este tenha deixado a autoridade com o irmão mais velho. A mesma coisa se dá com o Evangelho. Pois foi com a autoridade do Evangelho (leis deixadas pelo pai), que Paulo (irmão mais novo), repreendeu o irmão mais velho (Pedro). Mas isso também não significa que o irmão mais novo deva se rebelar contra o irmão mais velho, e tomar a administração da casa. Este deve somente não cumprir um mandato que vai contra a lei do pai. Tal como Pedro disse, às autoridades constituídas por Deus na sua época (entre eles sacerdotes e o sumo-sacerdote), devemos obedecer antes a Deus do que aos homens.

        Portanto Leandro, eu não sigo a igreja evangélica. Já segui, mas a tempos a abandonei. Acho que, quando a ICAR errava, não deveria ter havido uma rebelião e criação de novas igrejas, visto que esta tem no bispado a continuação do ensino dos apóstolos (mas não a sucessão apostólica, ou seja, a nomeação de novos apóstolos). Mas também não seguirei doutrinas contrárias ao Evangelho, mesmo que ensinadas pelo meu irmão mais velho (ICAR). Os Filhos de Deus são os que fazem a Vontade do Pai, e esta é seguir os passos de Jesus, que estão acima de qualquer autoridade.

        Na antiga Israel, haviam os sacerdotes constituídos por Deus, eram autoridade de Deus. Mas quando se corrompiam, Deus levantava seus profetas para denunciá-los. Amós era boiadeiro, e Deus o levantou sem comunicar qualquer autoridade sacerdotal. Mas, Amós não criou uma nova ordem sacerdotal, mas ao mesmo tempo, não concordou com os erros do sacerdotes. Assim, não devemos concordar com as doutrinas erradas da ICAR, mas também não deveriam ter sido levantadas novas igrejas e tantas divisões.

        Mas, acima de tudo, está o Evangelho.

  24. Todos sabemos e fomos ensinados que adoração a imagens de escultura é abominação.
    Então o católico é abominável, hummm
    Mas não são só os gays abomináveis, e não só contra estes que Silas e Feliciano lutam e até pedem a ajuda dos ABOMINÁVEIS CATÓLICOS, pra destruir os ABOMINÁVEIS GAYS.
    A algo de estranho nesta situação. ta cheirando a HIPOCRISIA.
    A igreja se tornou um covil de fariseus.

  25. Todos sabemos e fomos ensinados que adoração a imagens de escultura é abominação.
    Então o católico é abominável, hummm
    Mas não são só os gays abomináveis, e não só contra estes que Silas e Feliciano lutam e até pedem a ajuda dos ABOMINÁVEIS CATÓLICOS, pra destruir os ABOMINÁVEIS GAYS.
    A algo de estranho nesta situação. ta cheirando a HIPOCRISIA, dois pesos e duas medidas
    A igreja se tornou um covil de fariseus.

  26. Andre disse: 6 de agosto de 2013 ás 22:09
    Todos sabemos e fomos ensinados que adoração a imagens de escultura é abominação.
    Então o católico é abominável, hummm
    Mas não são só os gays abomináveis, e não só contra estes que Silas e Feliciano lutam e até pedem a ajuda dos ABOMINÁVEIS CATÓLICOS, pra destruir os ABOMINÁVEIS GAYS.
    A algo de estranho nesta situação. ta cheirando a HIPOCRISIA.
    Porem todos sabemos que a lista de abominações aceitas na igreja são inumeras, como fazer a barba, comer camarão e muitas outras.

    Mas em relação a sexualidade homoafetiva, a adoração a imagens, a gente continua a crer que é algo abominável, qual o critério pra aceitar uma abominação e e não aceitar outra, se tudo está na bíblia???
    Alias Cristo jamais falou sou homossexualismo ou adoração de imagens.
    Mas hoje a igreja se tornou um covil de fariseus, que se acham acima de toda a população e pensam ter o direito de tirar o livre arbítrio de homossexuais, entre outros grupos.
    Mesmo que já tenha aparecido igrejas inclusivas que pregão o amor de Cristo a estas pessoas, os fundamentalistas insistem em tentar destruir, desmoralizar e ridicularizar os homossexuais.
    É uma pena, pois a igreja evangélica está cheia de gays, e bissexuais, a maioria enrústida, ouvindo atentamente, domingo a domingo os discursos de ódio, e o pior é que muitos são crianças.
    Está luta é uma luta carnal, e silas e feliciano são açougueiros.

  27. Como há idolatria por dinheiro e poder, então a maior parte dos pastores são idolatras, pois eles se preocupam apenas com isso. Acordei hoje de madrugada, de 04:00h pra 05:00h e liguei a TV pra ver se tava passando algum programa ou filme. Só tinha programas evangélicos e todos com pastores pedindo doações. Claro que pode ter algum honesto, mas parece que todos que apresentam programas na TV tem o mesmo modo de falar, agir, e solicitar recursos. Melhor fazer doações a instituições de caridade sérias do que financiar pseudos pastores!

    • Sim realmente tem muitos ruins, assim também como os bons em todo mundo, e não falo só de pastores mais de padres, pessoas, advogados. O joio ta no meio do trigo.!
      Mais não podemo generalizar dizendo que todos os padres são pedofilos e todos os pastores são ladrõe!!
      sÓ Deus conhece o interior e sabem oq que essas pessoas fazem com a grana!
      Deixamos o Criador Julgar!

  28. Todos sabemos e fomos ensinados que adoração a imagens de escultura é abominação.
    Então o católico é abominável, hummm
    Mas não são só os gays abomináveis, e não só contra estes que Silas e Feliciano lutam e até pedem a ajuda dos ABOMINÁVEIS CATÓLICOS, pra destruir os ABOMINÁVEIS GAYS.
    A algo de estranho nesta situação. ta cheirando a HIPOCRISIA.
    Porem todos sabemos que a lista de abominações aceitas na igreja são inumeras, como fazer a barba, comer camarão e muitas outras.

    Mas em relação a sexualidade homoafetiva, a adoração a imagens, a gente continua a crer que é algo abominável, qual o critério pra aceitar uma abominação e e não aceitar outra, se tudo está na bíblia???
    Alias Cristo jamais falou sou homossexualismo ou adoração de imagens.
    Mas hoje a igreja se tornou um covil de fariseus, que se acham acima de toda a população e pensam ter o direito de tirar o livre arbítrio de homossexuais, entre outros grupos.
    Mesmo que já tenha aparecido igrejas inclusivas que pregão o amor de Cristo a estas pessoas, os fundamentalistas insistem em tentar destruir, desmoralizar e ridicularizar os homossexuais.
    É uma pena, pois a igreja evangélica está cheia de gays, e bissexuais, a maioria enrústida, ouvindo atentamente, domingo a domingo os discursos de ódio, e o pior é que muitos são crianças.
    Está luta é uma luta carnal, e silas e feliciano são açougueiros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here