O grande ídolo do Brasil

11

“… e fez em pedaços a serpente de metal que Moisés fizera; porquanto até àquele dia os filhos de Israel lhe queimavam incenso, e lhe chamaram Neustã”. II Reis 18:4

Sobre política nacional, às portas do segundo turno que definirá quem será nosso presidente nos próximos quatro anos, quero propor uma reflexão acerca de um dos maiores males da nação brasileira: a corrupção!
O sentido da palavra, etimologicamente, tem a ver com o apodrecimento, ou seja, corrupção quer dizer deterioração, decomposição ou putrefação. É uma palavra que diz muito, sem dúvida alguma!

No versículo da referência, citei o momento exato em que um novo rei toma seu posto em Israel. Ezequias foi uma figura emblemática, querida por Deus, a ponto de ser dito que “depois dele não houve quem lhe fosse semelhante entre todos os reis de Judá, nem entre os que foram antes dele”. Ou seja, esse verso aqui declara que Ezequias foi o melhor rei de todos os tempos, por quê? Uma atitude o diferenciou de todos os outros que vieram antes e depois dele.
Está escrito que Ezequias “fez em pedaços a serpente de metal que Moisés fizera” e foi nessa atitude ousada, ferindo de forma implacável uma tradição arraigada de seu povo, que ele foi alçado a um status de grande rei.
Sempre admirei pessoas que atacam com força o mal instituído e chamo de mal instituido tudo aquilo que está errado, que é injusto, que é contra a vontade de Deus, mas que está de tal forma incrustado na alma coletiva, que se torna um hábito incorrigível. Podemos chamar isso de iniquidade, também.

Assim é a corrupção brasileira! Ela está embutida na mente de todos os brasileiros como algo do tipo, “a gente é assim mesmo”. Um absurdo total para mim!
Essa coisa é tão grudada em nossa conformação que todos compreendemos intuitivamente essa iniquidade como algo inerente ao jogo político da nação, o qual se desenrola num ambiente dominado por quadrilhas, corjas e gente da pior espécie, formando um cenário sórdido, com histórico ininterrupto de furtos, espoliações, intrigas, assassinatos etc.
O pior nesse quadro é que, seja com o partido A ou B no poder, o cancro nacional nunca é curado!
Todos estamos de tal forma acostumados com essa chaga que ninguém mais imagina que isso possa ser mudado.

Esse é, sem dúvida, um fruto dos noticiários que diariamente emitem tragédias, más notícias, informações sobre desvios de verbas públicas, obras superfaturadas, enriquecimentos ilícitos de políticos, prevaricações de cargos públicos, nepotismos… enfim, são tantas a formas de se fazer a ilegalidade no Brasil, que nem dá para nomear tudo aqui e é essa sequência continuada de más notícias que, por anos, vem formando o que chamo de mente conformada em cada brasileiro que se senta diante da TV todos os dias. É o mais puro ritual de aniquilação do poder de reação popular.

Quero fazer uma comparação entre a corrupção do Brasil e a Neustã de Moisés. Judá, em sua sucessão de reis, cada qual com suas particularidades, fazendo o bem ou o mal, aliando-se com bons ou com os maus, agradavam a Deus ou não, mas houve um fator que uniu a quase todos: ninguém queria mexer em Nesutã!
A “Serpente do Deserto” estava de tal forma arraigada no imaginário litúrgico dos israelitas que, mesmo não tendo a menor ligação com o culto original e genuíno a YHWH, ela permanecia ali. Não havia rei que tivesse a coragem de encarar de frente aquela tradição, mesmo que soubessem ser ela um grande mal para toda a sociedade.
Assim é o Brasil, nossa nação bipolar, politicamente esquizofrênica e que padece moribunda em séculos de hemorragia moral, incapaz de reagir e sentir qualquer possibilidade de mudança, mesmo quando ela parece despontar em um frágil fragmento de esperança.

Grande parte de nossos pastores e demais sacerdotes religiosos estão aliançadas com o sistema político e, pior, mamam em suas tetas, com favorecimentos, apoio e subvenções. Uma nojeira sem fim!
O mais surreal, para mim, é que quando aparece alguém que pode ser diferente disso tudo, que apresenta uma via alternativa, um discurso moderno, apontando para uma nova direção. Alguém que parece ter o mesmo ranço, que tenta andar pelos caminhos do debate de ideias, que busca conhecer o pensamento do povo e dos adversários, tratando a todos com delicadeza e respeito, o povo não consegue ver credibilidade. Por quê?
Porque quando alguém tenta não entrar no jogo dos ataques, mas procura se abrir a discussões, quando não utiliza do ad hominem, das falácias, dos factoides, quando tenta alcançar o consenso, logo se imagina que esse alguém é fraco, incapaz e inapto para exercer um cargo executivo.

O povo, em sua fraqueza, precisa de uma figura forte, mesmo que sua força seja virtual, demagoga, mesmo que fale muitas mentiras, mesmo que tenha um passado que lhe condene. Nada disso importa! O que importa é que tudo fique do jeito que está, seja um, seja outro, que fique como sempre esteve, pois a mudança que querem é somente do A para o B, da euforia para a depressão (e vice e versa), pois somos todos assim, bipolares. Estamos doentes e de momento, não queremos cura, pois a corrupção é uma patologia da qual não podemos abrir mão agora, uma patologia que justifica muitas coisas, que gera desculpas para muitos desmandos, mascarando nossa incompetência e falta de coragem para andar no novo caminho.

Ficaremos com Neustã por mais quatro anos e por mais quatro séculos, até que apareça um Ezequiel que seja capaz de enfrentar esse mal tão profundamente enraizado em nosso DNA nacional.
Vi o que parecia ser um ezequiel entre nós no pleito deste ano, mas o povo não o quis. Acho uma pena!

COMPARTILHAR
Pastor, músico, compositor, poeta, jornalista, produtor musical, blogueiro, twitteiro, facebookeiro, observador da igreja dos últimos dias à serviço de Cristo.

11 COMENTÁRIOS

  1. Infelismente parece que vai continuar tudo do jeito que tá, E incrivel como o brasileiro tá acostumado com tão pouco não conseguem enchergar o mal que está enraizado na nossa nação. e por isso que a bíblia e bem clara quando diz: que cada povo tem o governo que merece.

  2. Enquanto existirem pastores que digam deus nos livre de um presidente evangélico, ou a volta de Jesus é utopia, existiram mercenários que farão negócio do povo de deus, enquanto houver crente de roupas sujas existiram caio e fabios e gondins.

    • Zé,
      Leia esta reportagem aqui do site mesmo:
      ***Caio Fábio afirma que “Marina Silva é nossa melhor chance” e diz que espera “que os evangélicos acordem da sua estupidez”***

      • Eu só quero viver em paz” – Pastor diz não rejeitar seu passado e que quer ser livre do sistema religioso. Depois de vários anos sumido do noticiário nacional, o pastor Caio Fábio D’Araújo Filho voltou às manchetes no fim do ano passado.-Clique, leia a entrevista e os vídeos no final do post e comente…Réu na ação movida contra ele por conta do episódio conhecido como Dossiê Caimã – conjunto de documentos falsos que, pouco antes da eleição presidencial de 1998, acusava altas figuras do governo de ter contas secretas naquele paraíso fiscal –, Caio foi condenado por uma juíza federal a pouco mais de três anos de reclusão. Cabe recurso, e o pastor já avisou que vai até às últimas instâncias. “A juíza quer aparecer”, ataca, sustentando a mesma versão que conta desde o início do imbróglio: a de que foi envolvido inocentemente numa conspiração política. Essa parte de seu passado, bem como muitas outras, já não são conhecidas pelas novas gerações de crentes. Contudo, os evangélicos mais maduros sabem que Caio foi a mais destacada liderança evangélica já surgida no país, cuja visibilidade, catapultada por uma ação ministerial intensa – como a criação da organização Visão Nacional de Evangelização, a Vinde, e da Fábrica de Esperança, megaprojeto social que atendeu centenas de milhares de carentes num conjunto de favelas do Rio –, marcou época entre os anos 1970 e 90.

        Hoje, Caio olha para esse passado com serenidade. Ele diz que não repudia nada do que fez, mas que não quer mais saber de ser a figurapública, aclamada e requisitada de outrora. “Esse tempo acabou definitivamente para mim. Minha alma não tolera mais a possibilidade dessa vida itinerante”, diz, em sua casa em Brasília. Cercado de árvores, jardins e recantos, é dali que ele grava os programas que exibe pela internet, parte importante das atividades do Caminho da Graça, ministério que hoje capitaneia. Tida como uma igreja de perfil alternativo, o grupo reúne-se em várias cidades brasileiras e, segundo Caio Fábio, procura restaurar o sentido da comunhão cristã. “Ele é um movimento conduzido pela Palavra e pelo Espírito Santo. Queremos que invada a massa, abranja tudo e se torne incontrolável como o vento que sopra onde quer”, diz, com a retórica privilegiada que conquistou milhões de admiradores e fez sucesso em mais de 100 livros publicados. De certas experiências do passado, ele não esconde a dor – como a separação de sua primeira mulher, Alda Fernandes, com quem teve quatro filhos, e a trágica morte de Lukkas, o terceiro deles. Contudo, embora muito criticado e contestado ao longo desses anos todos, ele assegura, “diante de Deus”, que não sente mágoa de ninguém. Aos 57 anos de idade, casado com Adriana Ribeiro, Caio Fábio D’Araújo Filho se diz em paz. “Eu sou livre. Sou nascido do Evangelho, nascido de Jesus. Hoje, sirvo ao Senhor e não preciso perder o meu ser, a minha saúde, a minha paz, o meu convívio familiar. Isso é graça de Deus para mim!”

        • Obrigada, Zé, por colocar esse artigo sobre o Caio Fabio. Eu acho que no fundo, vc tb o admira porque vc é inteligente e sabe que dá para ser sábio e amar a Deus e ser amado por Ele. Sabe que Deus é inteligência e que cabeças fechadas, bitoladas e fanáticas não são frutos do Espírito Santo. Vc sabe e vai se converter, tenho certeza!
          Abçs.

          • MARY
            Postei deixei e voltei, só para orar por vc. realmente tua cegueira em relação a este desviado, é grande, perdeu tua fé no Cristo vivo para idolatrar o homem morto em seus próprios pecados, peço que Deus tenha misericórdia de ti , e não te abandone aos teus próprios pecados.

  3. a paz pastor.
    Não entendi a respeito desse texto quando diz que quando aparece alguém diferente e que poderia ser uma alternativa e etc, o povo imagina que ele é fraco.

    Pelo o que entendi, senão for isso me desculpe, estava falando a respeito de Marina, isso mesmo?
    Se for dela mesmo, dá me a entender que ela seria a nossa melhor opção (pensava assim e votei nela), mas numa coluna de uns dias atrás o senhor disse que faria como Jesus faria e não votaria em ninguém porque eram todos iguais.
    Escrevo pois não entendi mesmo.
    Obrigada

  4. Certamente o Espírito de Deus fala às igrejas. Sejamos sensíveis. Abertamente Ele declara para nos preparar, pois virá chumbo grosso, estamos muito omissos, coligados ao sistema, não tem jeito. Pra onde se encontra-se parte de nós arraigados a um ou outro sistema (partido), isso é certo. Mas o Espírito abertamente diz às igrejas – preparem-se. Então fazer o quê? Se Ele está dizendo, então vamos obedecer, se preparar talvez nos induza a praticar coisas muito simples do tipo: 1) ir para os cultos onde a palavra de Deus realmente é pregada, pois não é bom deixar de frequentar os cultos, quem não os pratica está demasiadamente fraco na fé e alheio ao sistema, mesmo que seja crente; 2) A força do Espírito Santo é muito real nos dias de hoje, assim como no pentencostes, um vento veemente e impetuoso, línguas repartidas como de fogo, também como uma brisa à frente da caverna, suave chamando para fora, voz audível trazendo a verdade nos tempos difíceis, pior é que nesse meio termo de pentecostes (atos) e caverna (Elias) Deus levanta uns como Pedro e arranca uns poucos Elias para serem usados por Ele com muita coragem, porém desses, restam poucos; 3) Se o Espírito diz expressamente às Igrejas, então temos que correr para elas (igrejas), mas aí vc diz a igreja sou eu – vc está frito, corra para uma comunidade, um grupo (ouça a palavra e testifique se o Espírito de Deus está alí), seja solidário, deixe-se ser ajudado, ajude também, sinta que o Espírito Santo quer lhe ajudar para vc ajudar a outrem ou vice-versa; 4) Precisamos de homens e mulheres cheios do Espírito Santo, não cheios de ideias, de inteligência humana, de brutalidade, de individualismo, mas sim de dignidade espiritual. Teremos uma grande luta, contra nós mesmos, sofreremos como igreja, mas aquele que perseverar até o fim dar-lhe-ei a coroa da vida. Não esmoreçamos, pois o pauco da grande batalha está montado, vamos para a Guerra.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here