Hipocrisia e bullying

5

Os séculos passam e a religião segue firme na prática da hipocrisia. Dia desses, um jovem me procurou para dizer que havia sido colocado “no banco”, suspenso do ministério de louvor de sua igreja local, diante do pastor ter tomado ciência de que ele tomava cerveja.

Ele estava obviamente chateado, pois entendia que haviam outras “atitudes” ocorrendo na comunidade que mereciam igual ou maior severidade por parte da liderança, o que não ocorria, segundo ele.

Bem, na minha opinião, o que acontece com absurda facilidade nessas coletividades é a mais pura e simples “hipocrisia”.

Tratados por Jesus com vigor e violência profética, os hipócritas são parte essencial da religião decaída, apóstata e que, quase sempre, conta com o maior número de seguidores e adeptos de suas práticas farisaicas.

Hipócrita é uma palavra que tem origem no grego e é a união de duas outras palavrinhas gregas: “hipo”, que tem a ideia de diminuição, e “crita” que tem a ver com crítica, avaliação.

Quando a pessoa faz uso da hipocrisia, ela está exteriorizando um desejo de diminuição do outro, menosprezando-o com palavras, pois a alma do hipócrita deseja estar em vantagem sobre os outros.

Normalmente, um hipócrita tem vontade de fazer algo, mas, sentindo-se refreado por suas próprias doutrinas religiosas, acaba criticando pessoas que o fazem.

Ora, o que é isto, senão bullying?

Recorrendo a Jesus, amigo dos pecadores, cruel algoz verbal dos hipócritas e desconstrutor de sistemas de hipocrisia, podemos recordar:

Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão”.

Esse discurso do Senhor confirma o sentido de menosprezo pelo outro, salientando seus defeitos e diminuindo os próprios.

Isto é a perfeita materialização do bullying, que eu achava ser um fenômeno moderno, nos tempos bíblicos.

Eu, de mim mesmo, não posso dizer a alguém o que é certo ou o que é errado. Não defendo que alguém beba ou deixe de beber, mas defendo que todas as pessoas são livres para tomar suas decisões e ter atitudes baseadas em seus próprios conceitos, fazendo o que desejam e o que acreditam ser certo.

Óbvio que tudo tem consequências e buscar pensar de forma livre e, pior, viver a liberdade pensada, pode causar espanto e estranheza para muita gente, talvez até inveja, ou ainda más interpretações oriundas de literalismos e fundamentalismos religiosos.

Mas no final das contas, o fato crucial nesta história que citei, sobre “o músico crente que gosta de tomar cerveja” e em quaisquer outras semelhantes, é que quem manda é o líder e é ele quem decide quem toca ou não.

Ora, o pastor é o dono da bola (palco-púlpito), do campo (igreja) e ainda é o juiz desse jogo. Daí, fica cruel!

Ainda que a igreja seja formada por um conselho ou presbitério, a ortodoxia, a doutrina, os mandamentos, o estatuto darão o veredicto final sobre o certo e o errado.

Onde está o bom senso? Onde está Jesus, o amigo dos pecadores? Onde está o Espírito Santo, que faz a obra?

Uma vez, uma irmã, que era fumante, me disse que o pastor dela não a deixava entrar no diaconato. Falei para ela que o cigarro não me incomodava, mas que para a visão de sua igreja, cigarro era símbolo de pecado, de impureza e, então, não havia como ela ter as duas coisas (o diaconato e o cigarro).

Bem, depois dessa conversa, fiquei sabendo que ela parou de fumar e acabou não querendo mais o diaconato. Bom para saúde dela!

O lance é que “eu” acho que tudo isso é hipocrisia e hipocrisia sempre recai na prática do bullying, mas eu não mando em nada. Quem manda é o pastor, o presbitério, o apóstolo, a doutrina, a linha teológica, o estatuto.

Se você quer estar ali, ande na linha deles, mas se quiser viver sua vida dentro de um conceito de liberdade no qual acredita, deve saber que custará um preço e algumas perdas acontecerão na sua vida.

Eu perdi amigos e até parentes, perdi o respeito de muitos e também o carinho. Perdi dinheiro, salário, casa e muitas outras coisas por achar que deveria seguir minha vida com liberdade, o que feriu meu grupo e acabou me conduzindo pelo caminho da excomunhão.

Descobri que a liberdade não é de graça e que o caminho para a salvação foi aberto por Cristo, e não há preço neste mundo que possa pagar por isto, mas andar nele custa caro.

Eu não julgo a ninguém por beber, nem por fumar, tampouco quem gosta de maconha, nem quem usa remédios para dormir. Para mim, somos todos iguais! Somos todos pecadores e precisamos de redenção!

A escolha sobre qual caminho seguir é de cada um de nós, mas saibamos todos que, ao dar alguns passos numa direção que confronte ou afronte a ortodoxia do grupo, o bullying será inevitável, pois os bullies, a saber, os hipócritas, grassam nessas coletividades e são implacáveis em apontar seus dedos e acusar. Isaías 58 neles!!

Espero que Deus dê sabedoria e perseverança em qualquer direção que decidirmos seguir!

COMPARTILHAR
Pastor, músico, compositor, poeta, jornalista, produtor musical, blogueiro, twitteiro, facebookeiro, observador da igreja dos últimos dias à serviço de Cristo.

5 COMENTÁRIOS

  1. Prezado Rafael
    Para mim, fumar, beber, adulterar, mentir, furtar, mexerico, tem valores idênticos. Sei de onde vim e, estes valores e práticas,FAZIAM parte dele. Caminho com o Sr Jesus há 40 anos – mesmo tendo nascido dentro de uma igreja, precisei de alguém, que me “libertasse” – isto aos 18 anos. Não necessito, da bebida, do fumo, evito ao máximo faltar com a verdade – mentira, não furto, bem como sei que participar de “falar de outrem”, na realidade, traduz quem eu sou.Portanto, conheço que “as regras” estabelecidas, pela instituição que pertenço, não “castra” a minha liberdade em Cristo.Não me vejo legalista, nem tão pouco hipócrita, muito menos pratico bullying.

    • Colega, o erro já começa nessa frase: “Para mim, fumar, beber, adulterar, mentir, furtar, mexerico, tem valores idênticos”. Pois é, não tem. Quando você fuma ou bebe, está no máximo agredindo o teu próprio organismo. Quando você adultera, mente, furta, mata, faz intrigas e fofocas está agredindo a vida de outra pessoa direta ou indiretamente, algumas as quais o nível de “traição de confiança” é muito severo.

      A hipocrisia (deficiência crítica) dos crentes atuais já começa aí. Você acha que beber e fumar (ou usar drogas) é pecado porque de certa forma “viola” o templo do Espírito Santo que é o seu corpo… mas esquece que remédios também são drogas e no geral produzem efeitos adversos.

      – “Ah, mas to falando de drogas recreativas”. Tá, quer um outro exemplo de “droga recreativa”? AÇÚCAR! Vicia tanto quanto cocaína, já tem vários estudos apontando isso. Não conheço UM só indivíduo nessa terra que não tenha um certo vício quanto ao açúcar. E faz mal também. Excessos de carne, gordura, te deixam obeso, te incapacitam e causam uma série de doenças. Cafeína, remédios em excesso, quase tudo causa dependência e altera o funcionamento do teu corpo.

      – “Ah, mas drogas recreativas padrão alteram o funcionamento cognitivo”. É? Pois saiba que as demais TAMBÉM! Só que em um nível um tanto mais sutil. Quantas pessoas não se conhece que comem doces pra depressão? Mulheres que se esbaldam em chocolate na TPM? Gente tomando café pra se estimular? Etc.

      Então, começar equiparando tudo já é hipocrisia (baixa capacidade crítica). Se você quer se justificar a Deus porque não fuma nem bebe, mas não consegue pular um churrascão final de semana, saiba que está sendo hipócrita do mesmo jeito. Tira um mosquito, engole um camelo. Se for pra viver uma vida totalmente ascética, vai ter que virar vegano e passar a beber só água, nada de refrigerante, etc, ou vai ser hipócrita do mesmo jeito. Essa é a letra fria da Lei, se pecar num só ponto está condenado em TODOS, a qual foi outorgada à Moisés antes do tempo da graça. É por isso que pela Lei ninguém se salva nem se justifica em nada!

      Me pergunte quantos pastores obesos e cheio de doenças cardíacas, diabetes e colesterol alto eu já não vi pregando contra a “cervejinha” do camarada enquanto mantém essa HIPOCRISIA de “ascepcia seletiva”? Não dá amigo! Somos salvos somente pela graça, não pelo que se come, bebe (ou se fuma).

      Jesus fazia uso periódico de álcool. Os fariseus não o chamariam de “bêbado” sem um fundo de verdade. Acontece que ele diz que “o que entra pela boca não te contamina, mas o que sai do coração sim”. O misticismo e supersticiosidade católico-protestante é que conseguiram associar as DEMAIS drogas a espíritos caídos e afins, porque algumas delas eram usadas em rituais de algumas tribos…. mas como eu disse, isso é mera superstição. Qualquer substância químico-orgânica é isso… apenas o que é. E nada mais.

      Eu particularmente ODEIO cigarro. Tenho pavor. Fui praticamente forçado a conviver com um fumante dos 8 aos 18 anos de idade (quando ele parou, graças a Deus) e depois ainda tive chefes fumantes por mais uns 4 anos. Posso dizer que não suporto nem o cheiro de cigarro, quando tem uma pessoa fumando do meu lado, peço pra que pare, ou se estiver no direito dela (local público e aberto), simplesmente saio de perto. Mas por incrível que pareça continuo tendo amigos fumantes que vivem “prometendo” parar mas nunca conseguem.

      Entretanto, não me considero de nenhuma forma “superior” a quem fuma porque isso não é motivo nenhuma de jactância. Eu sei que tenho os meus defeitos e vícios também, alguns dos quais admito que não consigo me livrar (açúcar e chocolates no geral são alguns deles).

      Então, pra todo mundo que se gloria em observar “ritos da lei” pra consigo mesmo achando que está “abafando” diante de Deus, saiba, disso você não aproveita absolutamente NADA e não vai te tornar “mais santo” do que ninguém!

      Seria ótimo se ninguém fumasse nem bebesse (eu só bebo no “social”, quando estou muito disposto ou em comemoração a alguma coisa), nem comesse em excesso, nem tivesse vícios virtuais, mas todo mundo sabe que isso é IMPOSSÍVEL. Sempre que posso, os conselhos que dou é apenas pra se manter sóbrio, evitar entrar em furadas e coisas que vão acabar com a sua vida (drogas “pesadas”, etc), mas aos que já estão nessa, somente acolho com amor e procuro entender aquela fraqueza, porque eu também tenho as minhas.

      Você mesmo admite mentir “de vez em quando”, porque obviamente NÃO TEM COMO falar somente a verdade em 100% do tempo. Às vezes isso é até grosseria, neurose crente e falta de amor ao próximo (pois é, existem certas coisas que é bom tomar cuidado ao falar, mesmo sendo a sua “verdade”). Pois é, não precisa ser neurótico em cumprir nada, se liberte disso e seja apenas verdadeiro consigo mesmo e mantendo o coração puro da MALDADE (essa sim contaminante).

      Cabe ao verdadeiro Filho do Alto viver em meio a imperfeições e aceitar as pessoas como são, sem julgar, pois Cristo mesmo jamais julgou. No mais, cada um que se entenda com Deus… e se alguém faz algo que você vê como excesso, aconselhe sim, não deixe de fazer isso. Mas sem jamais agir por hipocrisia religiosa e pra manter as “aparências” de santidade no teu ambiente – porque colocar alguém no banco por isso nada mais é que uma atitude de APARÊNCIA, já que não serve pra curar ninguém, só pra apontar o dedo, difamar e expor – porque isso é o que te torna tão farisáico e falso quanto aqueles aos quais Jesus chamava de sepulcros caiados.

      Deixe a disciplina e as punições aos que verdadeiramente MERECEM, a saber: os que não vivem de acordo com o verdadeiro amor ao próximo e vivem de agir de hipocrisia, falta de misericórdia com os demais e má fé religiosa. Esses sim, são os que contaminam a igreja DE VERDADE e que você tem que tomar cuidado pra não fazer cair os demais.

      No mais, fique na paz.

      Abs.

      • PS: Ah sim, só pra não gerar a dúvida: “ué, mas então você não faz NADA a respeito das pessoas viciadas em coisas pesadas e não tenta recuperar ninguém? NEGATIVO! Eu jamais compactuaria em ver alguma vida sendo destruída por algo, então sim, tento auxiliar a todos o quanto posso. Mas isso é só porque eu trato qualquer tipo de atitude destrutiva para consigo mesmo da mesma forma (e dica, não é pela via legalista-religiosa do pecado, mas simplesmente tentar guiar a pessoa num processo de auto-descoberta e despertar sua consciência própria, ou seja: fazer ela se enxergar por si só).

        Os demais casos, onde vejo que a pessoa age de livre e espontânea vontade, comedida, manifestando ter consciência própria de seus atos e sem excessos prejudiciais a ela ou aos que estão próximos, acho que nem preciso dizer mais nada. Certas drogas (álcool, etc) fazem até parte de algumas convenções sociais, não tem por que eu falar nada. Nos EUA até a maconha entra nessa. Eu particularmente não fumo nem gosto, mas não condeno quem faz….

        Por mim eu não tenho necessidade a quase nada disso, mas quanto a você, é assunto teu com o teu coração e tua consciência com Deus, o que passar disso acho desnecessário, desde que eu não note que isto está virando mais uma daquelas atitudes destrutivas ali de cima, aí sim vou procurar começar a interver, mas pela via das atitudes afirmativas e despertar da consciência ao invés da via do bullying religioso legalista.

        Enfim, no mais era isso.

        Abs, falou.

        • errata: eu quis dizer “até maconha entra nessa (nos EUA) em fazendo parte da vida normal de ALGUMAS cidades ou comunidades, não todas”. Era isso, flw.

  2. Somente para não esticar muito a conversar, creio que o Rafael por ser Pastor, músico, compositor, poeta, jornalista, etc. Deveria divulgar o endereço da sua Igreja aqui e disponibilizar todos os ministérios da mesma a estes que querem viver ou estão vivendo presos nos vícios ou pecados para os mesmo fazerem parte dos seus ministérios lá.
    Na Igreja que congrego a 20 anos costumamos dizer que a Igreja é para todos (vinde como estais..), os ministérios são para alguns (sedes santos como o vosso Pai é santo, pois sem santidade ninguém verá o Senhor). Não gosto de comentar blogs mas este passou do limite.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here