Em quem Jesus votaria?

14

Chegamos na semana das eleições! Foi um período eleitoral sanguinário, como todos os outros, com o agravante do massivo uso da rede social para a propagação de ideias, partidos e candidatos e, não só isso, mas também de muitas mentiras, falácias e factoides, aos montes, os quais, representam pra mim um dos maiores espetáculos dos últimos tempos em matéria de asneiras verborrágicas.

Tem sido um verdadeiro esgoto a céu aberto esse pleito, que nojo!

Gosto de política, mas não acredito que exista apenas uma forma – a eleitoral – de se fazê-la. Acredito que posso participar de seus processos em minha comunidade, em meu ambiente de trabalho, em minha cidade, região e até no Brasil todo, ou mundo, através do exercício de minha cidadania, colocando-me disponível para o Jogo, não o do poder, mas o das ideias.

Em contrapartida, quando entramos no lance eleitoral somos arremessados, inevitavelmente, ao negócio da política e é aí que tudo fica, diria, sanguinário. É aí que residem os interesses mais sórdidos e bizarros do coração humano, pois é aí que entra o ‘poder’ que esse jogo é capaz de legar a seus participantes.

É quando vejo Silas Malafaia completamente fora de seu papel (e faz tempo isso) de profeta, diminuindo-se a um charlatão (no mais profundo sentido etimológico) lutando por interesses que ele próprio deve julgar ser o “reino de deus”.

Vejo, igualmente, o deputado Jean Wyllys despencando de seus ideais mais puros, tornando-se um mero boneco de ventríloquo do movimento que ajudou a criar e que justifica sua posição de destaque, dando suporte a seu jogo de interesses.

Todos, nesse jogo, estão em busca dessa mesma coisa: o poder! Pois todos são unânimes no entendimento de que para que possam “fazer” alguma coisa, precisam “ser” eleitos. Após eleitos, a máquina lhes dá poder, dinheiro, bom salário, condições de criar uma estrutura que, pelo menos por quatro anos, irá trabalhar em prol de seu grupo, ideias, partido, enfim, seus correligionários.

Eu não acredito que ideais altaneiros sobrevivam das tetas do sistema e é aí que retomo à pergunta-tema desta minha reflexão: Em quem votaria Jesus?

Bem, da perspectiva que vejo o Senhor, acho que Ele não votaria em ninguém!

Jesus não foi partidário de quem quer que fosse e sua posição neste mundo foi a de um “ente angélico”, um ser superior que andou entre os homens, mas que não adentrou ao campo de suas batalhas terrenais, não rebaixando sua missão altaneira, trocando o eterno por alguns anos de influência e poder mundano.

Jesus não representava A ou B, nem fariseus ou saduceus, pelo contrário, Ele bradava não ter sequer lugar onde reclinar sua cabeça.
Andava no mundo, mas não era dele! Não torcia para o Galiléia Futebol Clube, não tinha lutador favorito de  luta greco romana, ou ‘pankration’ (o MMA da época), não estava ao lado  dos herodianos, mas, ainda assim, não exitou em denunciar Herodes em sua malignidade, chamando-o de raposa e, tampouco, se submeteu ao poder que Pilatos presumia ter.

Jesus era Deus andando na terra e, como Deus, via as coisas de uma perspectiva superior.

Creio que todos os que se dizem profetas devem enxergar dessa mesma perspectiva e também andar nessa mesma altura.

Fico com Jesus, com o que Ele faria se estivesse aqui hoje, ou seja, sigo acusando a injustiça, alardeando contra os falsos profetas e não votarei em ninguém.

Talvez você pense diferente de mim e seja até capaz de provar sua teologia com textos bíblicos, a fim de justificar as alianças que fez nesta eleição.

Problema seu!

Se você fez aliança com algum partido, com algum candidato, acho que você está fora da dimensão profética do Cristo e eu já desconfio de você, de antemão.

Repetindo, acredito que se Jesus estivesse aqui hoje, ele não votaria em ninguém, por isso, quero andar como ele andou e não vou votar em ninguém também.

Prefiro seguir minha jornada de fé e permanecer andando na contramão desse sistema sujismundo. Não quero fazer parte disto, por isso, não darei mais meu voto a quem quer que seja, assim como nunca mais dei dinheiro para instituições nas quais deixei de acreditar.

Se você vota por obrigação, deixe de ser manipulado! Fique em casa, não vote, justifique, pague a multa, enfim, não faça parte desse jogo horroroso que, na minha opinião, representa o maior bullying contra todos os brasileiros: ser obrigado a votar nas pessoas que vão zoar sua vida pelos próximos quatro anos.

Não se iluda: seja A, seja B, seja PT, PSB, ou PSDB, todos esses traiçoeiros da língua do P não passam de farinha do mesmo saco.

Eu fico com Jesus!

 

COMPARTILHAR
Pastor, músico, compositor, poeta, jornalista, produtor musical, blogueiro, twitteiro, facebookeiro, observador da igreja dos últimos dias à serviço de Cristo.

14 COMENTÁRIOS

    • Eu realmente fico pensando: até onde uma pessoa pode chegar para ter o poder na mão? bem colocado, política é a discussão de ideia, e não de poder. Os “lideres” evangélicos usam o mecanismo chamado DENOMINAÇÃO, para ostentar esse poderio, aliando a qualquer lado, só para poder se beneficiar, não é um beneficio em prol da sociedade, e sim em favor próprio. VERGONHA dessa corja de bandidos.

  1. Colunista é absurda tais demagogias que tu professas. Devemos sim dar a César o que é de César e a Deus o que é de Deus, temos que mostrar que somos diferentes e não aceitar a cultura que o mundo ou a sociedade brasileira quer nos impor, já que nossa pátria esta no céu, devemos salgar e sermos luz. Hoje para mudar o país que vivemos é por meio de guerra – o que é incabível, ou por meio do voto. Jesus estava sujeito as autoridades como nós estamos, temos que acabar com tanta hipocrisia dentro do cristianismo e mostrar nas urnas que confiamos em Deus, pois Ele é quem institui todas as autoridades, então, por que deixar de ser instrumento de Deus para ser do diabo?

      • Não, a reforma protestante surgir dentro de um regime teocrático, que os perseguia e definia o catolisimo como a unica religião “certa”, e uma das propostas defendidas pelos protestantes é o regime laico e a democracia o livre arbítrio. Devemos entender que mesmo o país sendo um Estado laico, não é governado pelo clérigo, nós como cidadãos do Reino de Deus, devemos nos portar como tal, independentemente do nosso trabalho, classe, escolaridade, região em que vivemos, o cargo que desenpenhamos/ocupamos, etc., temos que ter a palavra de Deus como regra de fé, prática, moral, ética, justiça em nossas vidas, respeitando e amando o livre arbítrio que Deus concedeu a todos. Por isso como deus nos manda, devemos orar pelas autoridades, principalmente agora no período das eleições, para que ele nos use, enchanos do seu Espírito Santos, para que seja instituido, mediante a vontade Dele, as autoridades aqui na terra que possam fazer o bem. É essa a minha oração e chamo os demais irmão para orar por isso.

      • SLASH
        Tai quem mandou não estudar, e querer dar palpite onde desconhece o assunto, mas aproveite a aulo que o Pedro te deu e cresça.
        Apologia gay em site Cristão é conversa jogada fora, aqui ninguém se vende, e só quem posta com vcs. são desviados ateus e gays.

  2. Pastor, Vc foi infeliz no seu comentário:
    Por causa do Senhor, sejam obedientes a toda autoridade humana: ao Imperador, que é a mais alta autoridade; e aos governadores, que são escolhidos por ele para castigar os criminosos e elogiar os que fazem o bem. (‭1 Pedro‬ ‭2‬:‭13-14‬ NTLH)

    Obedeçam às autoridades, todos vocês. Pois nenhuma autoridade existe sem a permissão de Deus, e as que existem foram colocadas nos seus lugares por ele. Assim quem se revolta contra as autoridades está se revoltando contra o que Deus ordenou, e os que agem desse modo serão condenados. (‭Romanos‬ ‭13‬:‭1-2‬ NTLH)

  3. É claro que Jesus não votaria em ninguém, porém, é claro também que Ele não zombaria de quem não quer votar em ninguém, afinal de contas, se é direito de votar ou não votar, cada um escolhe se vota ou se não vota, isto é democracia!

  4. Muita falta de informação… vc é o que mesmo?…Pastor? Jesus se decidiria sim meu irmão, não sei se por PT ou PSDB, mas não ficaria em cima do muro como vc. Vc é um Pastor e como tal deveria incentivar os indecisos a analisarem as proposta e se decidirem… não é o que vai fazer hj ou amanha que está decidindo e sim o futuro do Brasil e de seus filhos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here