“A Igreja evangélica sempre teve a figura do pobre em suas fileiras”, declara Vladimir de Oliveira Souza

1

A pobreza é um problema que assola a humanidade desde os tempos antigos, ganhando maior intensidade após a implementação do Neoliberalismo. Segundo dados do Banco Mundial, estima-se que 1 bilhão e 100 milhões de pessoas tenham níveis de consumo inferior a 1 dólar por dia. Não é um fenômeno apenas dos países subdesenvolvidos, mas também está presente nos grandes centros urbanos e periferias dos países desenvolvidos, com destaque para os Estados Unidos. No Brasil, a extrema pobreza é um problema que vinha sendo diluído nos últimos 15 anos, por meio de programas sociais.

Um exemplo dramático dos limites da extrema pobreza é o Lixão de Gramacho, localizado em Duque de Caixas (RJ). Por mais de 35 anos foi a única fonte de recursos financeiros e alimentícios de milhares de famílias. O problema da extrema pobreza persiste mesmo após o fechamento do Lixão e promessas de inserção dos catadores no mercado de trabalho. Quem conhece de perto a realidade dos moradores do Jardim Gramacho é o teólogo e pedagogo Vladimir de Oliveira Souza. Sua relação com os moradores de Gramacho se dá por meio de sua participação na Casa da Semente, onde realiza atividades pedagógicas.

Vladimir é casado com Andrea Portes, e pai do Renato e Eduardo Portes, pastor e plantador na Comunidade Redenção. A #RDBXD é uma igreja simples, orgânica e que possui uma proposta bíblica/pedagógica de atuação responsável e transformadora dentro do cenário da Baixada Fluminense. Tem como filosofia o respeito aos Direitos Humanos, e realiza rodas de conversas sobre temas da atualidade, tendo recentemente ouvido o Deputado e ex-candidato à Prefeito pelo Rio de Janeiro, Marcelo Freixo. Em julho, a #RDBXD promoverá o encontro “Precisamos falar sobre Rafael Braga”. Vladimir de Oliveira Souza falou com o fórum Cristãos Progressistas por e-mail, de sua casa, em Nilópolis. Leia e compartilhe.

Cristãos Progressistas. Vivemos um período de grande instabilidade social e política. Nas últimas três décadas tivemos um significativo aumento nas políticas sociais, em parte garantido pela Constituição de 1988 e com os programas sociais implementados a partir de 2003. Você tem a mesma percepção de que os pobres tinham mais oportunidades?

Vladimir de Oliveira. Creio que boa parte das chamadas políticas públicas tiveram avanços consideráveis nas últimas décadas. O ano de 2003 é um marco histórico porque neste ano teve início a implementação de vários programas sociais. Segundo o IPEA, esses programas tinham em comum: definir um recorte espacial para sua atuação; priorizar áreas de concentração de pobreza; atuar de forma descentralizada; e priorizar instâncias coletivas de deliberação e participação social. Mesmo com todas as limitações que são inerentes ao poder público, o fato é que milhões de brasileiros foram alcançados e transformados a partir dessas ações empoderadoras.

Participe do grupo de discussões Cristãos Progressistas

Cristãos Progressistas. As reformas promovidas pelo atual governo têm recebido inúmeras críticas por representarem um “retrocesso” nas políticas sociais das últimas três décadas e por ampliarem o abismo entre ricos e pobres. Como você avalia a atual realidade de desmonte das políticas de inclusão social e ataques à Previdência Social e Trabalhista?

Vladimir de Oliveira. Esse desmonte nas políticas de inclusão social é fruto de um olhar recalcitrante. Eu sempre acreditei que esses setores dariam, cedo ou tarde, uma resposta a construção gradual de uma sociedade plural e multifacetada. E a resposta veio mais rápido do que eu poderia esperar. Segundo Sérgio Buarque de Holanda: “a democracia no Brasil foi sempre um lamentável mal-entendido. ” O fato é que o nosso ethos, enquanto nação, tem a sua origem fora do espectro urbano. Somos uma civilização de origem rural, patriarcalista e conservadora. Essa realidade é o resultado do modelo de colonização que fomentou o nosso país, durante séculos. Um paradigma de sociedade que constroe pontes para milhões de brasileiros que foram excluídos e alijados intencionalmente, encontraria algum tipo de resistência ideológica ou partidária. Era só uma questão de tempo. Crescimento com distribuição de renda e ampliação de serviços públicos nunca interessou aos setores mais refratários e próximos ao antigo Brasil rural. É digno de nota que os grandes grupos de comunicação (Globo, Folha e Abril) tiveram, também, um papel central na problematização e desconstrução dessas políticas públicas.

Cristãos Progressistas. O cenário é mesmo preocupante, com perdas significativas para esta e as próximas gerações. Agora, como explicar que movimentos evangélicos – em sua maioria pentecostais – deem apoio ao desmonte da CLT e da Previdência Social? Não é uma contradição com sua base, os pobres, que representam a ampla maioria dos seus membros?

Vladimir de Oliveira. Sim, a base do movimento pentecostal é formada na sua maioria por pobres, mas eles não têm o conhecimento necessário para compreenderem o quanto a flexibilização e a redução dos direitos trabalhistas terão um impacto direto em seus bolsos.

Cristãos Progressistas. As igrejas evangélicas históricas e a Aliança Evangélica recentemente assinaram um manifesto contra a reforma da Previdência. Devemos entender a atitude como um gesto de aceno aos trabalhadores? Um exemplo aos Pentecostais?

Vladimir de Oliveira. A formação pentecostal não contempla a compreensão sobre essa temática. Milhares de irmãos oriundos desse seguimento não aprofundam e nem discutem esse assunto. Eles ainda não conseguiram aliar a experiência com o sagrado, com a luta e resistência contra uma agenda que visa destruir ou diminuir os diretos dos trabalhadores. Essa dicotomia prevalece há anos, e cria uma fé alienada e escapista, mas apta em buscar soluções pueris e ilusórias. Não os vejo institucionalmente atentos e desejosos em seguir o exemplo que a Aliança Evangélica deliberou recentemente.

Cristãos Progressistas. A inclusão da camada mais sofrida da sociedade foi tema de inúmeras análises sociológicas nos últimos anos, mas apesar das reiteradas avaliações constata-se que a inclusão não resolveu a problemática da pobreza. A triste realidade das pessoas que sobreviviam do que encontravam no Lixão insere-se nesta compreensão?

Vladimir de Oliveira. Completamente. O fechamento do antigo lixão não gerou a inclusão dos catadores. Eles deveriam ter sido aproveitados na logística da coleta seletiva. Foram indenizados, mas tal ação foi diminuta, em virtude das necessidades imperiosas que eles possuem. Segundo a lei, os catadores deveriam ser levados a se vincularem às cooperativas, o que não ocorreu em toda sua amplitude.

Cristãos Progressistas.
Falando em Gramacho, qual tem sido o papel da Casa da Semente – e a sua em específico – no processo de diálogo com o público-alvo atendido pela ONG?

Vladimir de Oliveira. A Casa Semente é uma ONG que tem como missão a promoção, o desenvolvimento e a reinserção social da comunidade do entorno do desativado Aterro Sanitário de Jardim Gramacho, em Duque de Caxias.  Fundada em 2014 é uma semente de esperança em meio a imensidão de demandas sociais que marcam as comunidades de Jardim Gramacho. Eu atuo enquanto educador e articulador social. Enquanto educador, trabalho formando adolescentes, tornando-os conhecedores, críticos dos aspectos sócio-econômico da comunidade, desenvolvendo neles a capacidade de reconhecer a realidade social, e propor soluções criativas. Enquanto articulador social, trabalho visando o desenvolvimento comunitário a partir de valores de cooperação e equidade. Sei que o desenvolvimento comunitário não é um mecanismo mágico ou imediatista, e que pode ser alterado a curto prazo, mas acredito que esse trabalho precisa ser feito em conjunto com a comunidade, Estado, entidades civis e religiosas.

Cristãos Progressistas.
Johnnie Moore, em seu livro Um rei entre os pobres, descreve a atuação de Jesus entre os excluídos da sociedade judaica de sua época. De fato, Jesus dirigiu sua mensagem aos pobres, aos “doentes” (fazendo uma menção ao texto de Mateus 12:9). A Igreja evangélica abandonou a preferência pelos pobres? Qual é a avaliação?

Vladimir de Oliveira.
A Igreja evangélica sempre teve a figura do pobre em suas fileiras ou bancos. O movimento pentecostal, em particular, conseguiu inclui pobres na maioria das suas comunidades. A questão é que nos últimos anos o tema pobreza se tornou mais complexo, e novas demandas vieram em conjunto com o dilema do ser pobre. A presença da Igreja evangélica é notória em qualquer comunidade do Rio de Janeiro. Embora de origem católica, a expressão “opção preferencial pelos pobres” é melhor aplicada no âmbito evangélico, pentecostal.

Cristãos Progressistas. A Igreja evangélica parece passar pelo mesmo processo de degeneração pela a qual passou a Igreja Católica. Escândalos de corrupção são cada vez mais comuns entre os figurões do movimento. Compartilha da análise de que a Igreja evangélica brasileira perdeu sua característica original, de atenção aos pobres e excluídos?

Vladimir de Oliveira. A corrupção institucional é o resultado da ausência de instrumentos inibidores, disciplinares e eficientes que poderiam remover ou admoestar de maneira bíblica esses líderes autoritários. Claro que a ausência de alinhamento com a mensagem original de Jesus aprofundou ainda mais esse fosso.

Cristãos Progressistas. A atuação da Redenção vem mostrar o caminho, ou seja, que é preciso retomar os princípios de justiça social e proteção das minorias? Ao mesmo tempo, a Redenção é uma alternativa para quem não se enquadra mais no atual modelo de Igreja?

Vladimir de Oliveira. Somos uma Igreja leve e relacional, mas muito engajada na construção de uma comunidade plural e missional. Nesse aspecto, pode ser uma alternativa para aqueles que estão à procura de uma igreja simples e orgânica. A Redenção Baixada se define como uma comunidade formada de relações igualitárias, solidárias e fraternas. Somos um organismo, no qual a fé e o chão da vida são convergentes; onde a vida é mediada pelas Escrituras. A página da vida é relida com a página da Palavra, e a partir dessa percepção são tomadas decisões práticas que buscam a melhoria de vida de todos os participantes, e em particular daqueles que estão sofrendo o impacto gerado pelo pecado estrutural. É a gênese de um novo modo de ser Igreja: horizontal, participativa, inserida na cultura popular e emancipatória.

Cristãos Progressistas. Paralelamente a crise financeira que o Ocidente atravessa, nota-se o aumento de casos de descriminação. Nos EUA, Donald Trump; na Europa, os nacionalistas; na Rússia, o conservadorismo destrutivo de Vladimir Putin. Ao promover o diálogo com os católicos e ao receber em seus encontros líderes como o deputado Marcelo Freixo e estabelecer uma conversa sobre o jovem Rafael, a Redenção dá o exemplo de tolerância?

Vladimir de Oliveira. A Redenção, na simplicidade da sua eclesiologia, possui o que nós chamamos de Pastoral. A preocupação básica da pastoral é a eficácia e a relevância da fé cristã. Pastoral é também práxis intencional, sistemática, organizada e coletiva. Logo, foram criadas as seguintes Pastorais: ECOredenção – pastoral da terra; Pastoral da Saúde; RedençãoCULT – pastoral da Cultura; Pastoral dos Estudantes; Pastoral dos Afetos – Espiritualidade e Subjetividades; Pastoral das Mulheres; Pastoral da Família; Pastoral da Justiça Social, e a Pastoral da Cidade.

A presença do Deputado Marcelo Freixo em nossa comunidade não ocorreu por acaso, mas é o resultado de um diálogo que estamos construindo há dois anos, sobre o conceito de direitos humanos e justiça social, na perspectiva da Pastoral da Justiça Social. Freixo é presidente da Comissão de Direitos Humanos na ALERJ, e foi convidado para falar sobre sua atuação à frente dessa Comissão, e como a sua militância também se estende às famílias de policiais – estas vítimas da guerra urbana, aparentemente irreversível.

A Redenção Cult, por sua vez, possui como objetivo colaborar com instituições e ONGS que precisam de algum tipo de ajuda, de apoio financeiro. Por exemplo, na última edição da Redenção Cult colaboramos com a construção de uma casa para uma família carente do Jardim Gramacho. No próximo encontro conversaremos sobre o Rafael Braga. Neste encontro teremos a presença de irmãos de tradição católica, que estão imbuídos na libertação do jovem Rafael. Será um momento de troca de experiências e informações, além de uma oportunidade para conscientizarmos nossos irmãos sobre o ocorrido.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here