A Casa de Deus – Primeira Parte

0

Introdução:

A morada de Deus ao longo da história bíblica tem as suas especificidades com as Alianças que Deus estabeleceu com o homem.

No Livro das Origens, Gênesis, o Criador encontrava-se ao entardecer com os primeiros pais, Adão e Eva, no paraíso.

Quando o homem pecou e foi expulso do Éden, Deus não abandonou o homem que Ele criou à Sua Imagem e semelhança, mas começou a manifestar-se de diferentes maneiras e isto de acordo com as Alianças   que estabeleceu com o homem, pois o Seu grande propósito é que vivamos em estreita comunhão com Ele.

Nos estudos rabínicos, encontramos o ensino seguinte:

“A aliança com Noé, traduzida no símbolo da arca:” Farei a minha aliança contigo e tu entrarás na arca” – Gn 6:18. Símbolo de fundação que aponta para a ucronia de um tempo redimido e redentor, no qual a Arca de Noé o Justo, resiste e vence a corrupção da humanidade. A arca surge aqui como a primeira manifestação temporal do Templo. De um templo que, navegando na água lustral, reintegra a humanidade num tempo sacral. Paradigma do Tempo sacral, a Arca de Noé representa por si mesma, e por vicariância da Arca da Aliança, o arquétipo temporal do Templo integrado num aion, esfera de eterna duração que, iniciando a abertura para um mundo espiritual, engloba o tempo da redenção messiânica (Salmo 72).

A temporalidade expressa pelo símbolo da Arca de Noé tem implícita a ideia de peregrinação, como tem explícita no texto sagrado a ideia de justiça, entendida esta como a rectidão que conforma o homem ao divino.

E assim, dois outros justos vão afirmar o sentido temporal do templo, pela via da peregrinação e da justiça: Abraão e Moisés.

O justo Abraão, Gn 15:6, vê renovada a Aliança Gn 15:18 e 17:2, ao cabo de longa peregrinação: Estabelecerei a minha aliança contigo e com o teu povo depois de ti, de geração em geração, uma aliança perpétua, para ser o teu Deus e o do teu povo depois de ti Gn 17:7. E o altar que dedica a Jeová Gn 12:7 representa a instauração de um tempo sagrado, por mediação do Templo, casa de Deus uno, porta do céu e prenúncio da glória de Israel.

O Templo surge assim como figura do tempo da manifestação, da Aliança fundadora, atingindo o seu paradigma unificador da Aliança Mosaica, a qual integra os símbolos constitutivos do Templo, no seu espiritual devir: Peregrinação (tribulações de Israel), Arca (revelação da Lei) e santuário (Tabernáculo).

Estes símbolos de fundação remetem a Revelação do Sinai a um contínuo de manifestações anunciadoras Êx 12:40: o Êxodo, peregrinação atribulada, mas salvífica, figura anunciadora da peregrinação de Israel; a transmissão das Tábuas da Lei e da Torah Oral, anunciadora da perenidade do povo de Israel e da sua Aliança. (continua).

Fraternalmente,

casal com uma missão

Amilcar e Isabel Rodrigues

COMPARTILHAR
Amilcar Rodrigues foi ordenado pastor em 1978 na "Apostolic Faith Mission" na República da África do Sul, onde fez estudos teológicos. Como missionário em Portugal, fundou três igrejas e foi Presidente Nacional da Comissão de Programas da Aliança Evangélica Portuguesa, para a televisão, RTP2. Foi formado produtor de televisão "Broadcast" pela "Geoffrey Connway Broadcast Academy" Toronto, Canadá, é filiado do "Crossroads Christian Comunication". Em 1998 veio para o Brasil convidado pelo Ministério Fé Para Todos, Rio de Janeiro. No ano 2000 fundou em Cabo Frio uma congregação do mesmo Ministério e foi nomeado Vice-Presidente do Conselho de Pastores até ao ano de 2004. Em 2006 ficou cego. Escreveu o livro "Deus da Aliança" , Evangelho dos Sinais aos Hebreus" e "Contos do Apocalipse". Foi convidado pelo Gospel+ para participar como colunista em Maio de 2012.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here